Pesquisar
Pesquisar
Foto: Dominic Kurniawan Suryaputra / Unsplash

5 Princípios de Coexistência Pacífica: plano da China para futuro global completa 70 anos

Princípios da China serviram para que países com diferentes antecedentes históricos e culturais, sistemas sociais e condições nacionais gerenciassem suas inter-relações
Daniel González Delgadillo
La Jornada
Pequim

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Na última sexta-feira (28), ao comemorar o 70º aniversário da promulgação dos Cinco Princípios de Coexistência Pacífica, o eixo orientador da política exterior da China, o presidente, Xi Jinping, assegurou no Grande Palácio do Povo que advoga para que os países, “sejam grandes ou pequenos, fortes ou fracos, pobres ou ricos”, sejam membros igualitários da comunidade internacional e compartilhem os interesses, os direitos e as responsabilidades nos assuntos internacionais.

Xi assegurou que a China, dentro da história moderna, trabalha nas relações entre Estados, salvaguarda a paz e a tranquilidade mundial, a justiça, e promove o desenvolvimento e o progresso da humanidade, com a finalidade de desenvolver o conceito de construção da comunidade de futuro compartilhado da humanidade nestes novos tempos.

Leia também | Governo da China defende democracia popular e desenvolvimento centrado no povo

“Que tomemos a comemoração pelo 70º aniversário dos Cinco Princípios de Coexistência Pacífica como ponto de partida para assumir a missão histórica e avançar de mãos dadas com determinação, em um esforço conjunto para promover a construção da comunidade de futuro compartilhado da humanidade e criar um futuro mais belo para a sociedade humana”, comentou o mandatário.

Assegurou que “todos os países devem enfrentar juntos os desafios, alcançar a prosperidade comum, construir um mundo aberto, inclusivo, limpo e belo de paz duradoura, segurança universal e prosperidade comum, assim como promover uma convivência pacífica mais segura e próspera da humanidade”.

Xi Jinping, durante discurso da comemoração do 70º aniversário dos Cinco Princípios de Coexistência Pacífica: “Todos os países devem enfrentar juntos os desafios, alcançar a prosperidade comum, construir um mundo aberto, inclusivo, limpo e belo de paz duradoura” (Foto: Governo da China)

A formulação dos princípios por Zhou Enlai

Em 1954, o então primeiro-ministro Zhou Enlai formulou pela primeira vez em sua totalidade os Cinco Princípios de Coexistência Pacífica: respeito mútuo pela soberania e integridade territorial, não agressão mútua, não interferência nos assuntos internos de cada um, igualdade e benefício mútuo e convivência pacífica.

Esses princípios serviram como diretrizes para que países com diferentes antecedentes históricos e culturais, sistemas sociais e condições nacionais gerenciassem suas inter-relações, foram incluídos na declaração conjunta entre China e Índia, além de Mianmar, pelos quais os três países apostaram juntos em convertê-los em normas básicas para relações entre Estados.

Leia também | Igualar China a EUA é equívoco que favorece hegemonia imperialista ocidental; entenda

“Este conceito corresponde à corrente do nosso tempo caracterizada pela paz, desenvolvimento, cooperação e ganho compartilhado, e abriu novos horizontes de paz e progresso”, destacou Xi, e pediu uma melhor comunicação e cooperação para contrapor as “cortinas de ferro da confrontação”, em meio às tensões no mar meridional ou Ocidente.

Nos foros dedicados à cúpula, o chanceler, Wang Yi, disse que “há 70 anos, a China, junto com seus países irmãos em desenvolvimento, rejeitou a hegemonia do poder respeitando a soberania e superou a lei da selva com a igualdade e o benefício mútuo, estabelecendo as normas das relações internacionais nas quais os países devem se respeitar mutuamente e se tratar como iguais”.

O discurso de Dilma Rousseff

A presidenta do Novo Banco de Desenvolvimento, Dilma Rousseff, ex-mandatária do Brasil, também apontou que o mundo hoje enfrenta desafios sem precedentes e a importância dos Cinco Princípios de Coexistência Pacífica se tornou cada vez mais proeminente e destacou que a cooperação Sul-Sul é um modelo de respeito mútuo, igualdade e benefício mútuo.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

No terreno diplomático desta jornada, Xi recebeu em Pequim a sua par do Peru, Dina Boluarte, e intercambiou mensagens de felicitações com seu homólogo, Nicolás Maduro, pela celebração dos 50 anos de relações diplomáticas entre China e Venezuela.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Daniel González Delgadillo

LEIA tAMBÉM

Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta
Afeganistão: os talibãs avançam rumo ao reconhecimento internacional
Afeganistão: talibãs ampliam cooperação e avançam para ganhar legitimidade internacional
Republicanos atraem voto latino para Trump em meio a ataques a imigrantes
Republicanos prometem 50% do voto latino enquanto líderes atacam imigração ilegal na convenção
China e Rússia iniciam manobras militares conjuntas em resposta à expansão da OTAN
Manobras militares China Rússia são uma resposta à expansão da Otan na Ásia