Divulgação Grupo de Lima

O desencanto popular com os governos comandados pela direita na América Latina

As receitas macroeconômicas dos líderes liberais (ou ultraliberais) não estão produzindo os frutos esperados pelos eleitores

Jair Bolsonaro no Brasil, Sebastián Piñera no Chile, Iván Duque na Colômbia e anteriormente Mauricio Macri na Argentina se tornaram os estandartes da nova onda neoliberal que deu início à prodigiosa década da direita latino-americana.

No entanto, apenas um ano após sua ascensão ao poder, a situação econômica, as greves e os movimentos sociais começam a cercar os principais líderes liberais da região.

Durante os anos de 2017 e 2018, os eleitores escolheram esses candidatos sob a promessa de melhorar a situação econômica de seus países e combater a corrupção. Após o período de graça, esses políticos não conseguiram reverter a recessão econômica e seus índices de popularidade são baixos.

Divulgação Grupo de Lima
Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro; da Colômbia, Iván Duque; Chile, Sebastián Piñera e da Argentina, Maurício Macri

Macri tentará resistir ao retorno de Kirchner

Na Argentina, Mauricio Macri e sua aliança eleitoral “Cambiemos” venceram as eleições presidenciais de 2015 com a promessa de levar adiante uma receita econômica bem sucedida e depurar a corrupção herdada do governo anterior de Cristina Elisabet Fernández de Kirchner.

Três anos e meio após sua posse, o peso argentino é a moeda emergente mais desvalorizada do mundo e a inflação aumentou 57,3% em relação ao mesmo período do ano passado, ficando no ranking das três maiores do mundo, atrás da Venezuela e do Zimbábue.

As consequências dessa grave crise econômica, que o empresário e ex-presidente do Boca Juniors descreve como “tempestade internacional perfeita”, são devastadoras. Hoje existem 14,3 milhões de argentinos vivendo abaixo da linha da pobreza e quase metade das crianças são pobres (46,8%), os números mais altos da última década.

Diante desse contexto socioeconômico, a tensão nas ruas está crescendo e sindicatos e movimentos sociais pedem unidade de ação, algo que parecia utópico há poucos meses.

Um exemplo claro desse clima de protestos é a greve geral que ocorreu em 29 de maio em todo o país. Das seis greves gerais que o presidente da Argentina enfrentou, a segunda foi sem dúvida a mais unitária e mais destacada.

Em Buenos Aires, o transporte público não funcionou; universidades e escolas não ensinavam e praticamente todas as lojas permaneceram fechadas, assim como hospitais (exceto emergências) e bancos. A greve também teve consequências internacionais, já que todo o transporte aéreo e rodoviário foi paralisado.

Nestas condições, Mauricio Macri já apresentou sua candidatura à reeleição nas próximas eleições presidenciais que ocorrerão durante o mês de novembro. Para isso, ele adotou como candidato a vice-presidente o ex-peronista Miguel Ángel Pichetto, com quem pretende expandir a base de seus eleitores para a centro-esquerda.

A seu favor, as previsões econômicas positivas que o FMI desenha para os próximos meses e a ameaça de fundos nacionais e internacionais de retirar seus investimentos caso seu rival direto, a coalizão integrada por Cristina de Kirchner e liderada por Alberto Fernández, vença as eleições.

Professores tomam as principais cidades do Chile

Do outro lado dos Andes, a situação não é muito promissora para o presidente chileno Sebastián Piñera, sobre o qual recai a sombra de uma greve geral como a organizada no país vizinho.

Nesse caso, são os professores que lideram os protestos em massa contra a precariedade dos serviços de educação pública e as condições de trabalho dos profissionais.

As escolas públicas estão paralisadas desde o último dia 3 de junho, quando os professores declararam o início de uma greve por tempo indeterminado que ainda não terminou.

Os professores exigem que o governo pague a indenização que o Estado deve a alguns professores desde 1980, ano em que a ditadura militar de Pinochet transferiu os poderes das escolas para as administrações municipais. Além disso, eles reivindicam um bônus para professores que trabalham com alunos com necessidades especiais e o fim de uma dupla avaliação que consideram desnecessária.

Outra das demandas mais importantes que tem apoio praticamente unânime na sociedade chilena é a rejeição da mudança curricular aprovada pelo Ministério da Educação. De acordo com essa modificação, as disciplinas de Educação Física e História deixam de ser obrigatórios nos últimos dois anos do ensino médio.

Em resposta às manifestações e protestos liderados pelo Colégio de Professores, o corpo de Carabineros prendeu vinte professores na última terça-feira por ocupar uma das principais avenidas de Santiago, entre as quais estava o líder daquela instituição, Mario Aguilar.

No entanto, antes do início desses protestos, várias pesquisas reconhecidas já indicavam que o presidente chileno estava passando por uma crise de popularidade alarmante, o que o levou a demitir quase metade de seus ministros e renovar profundamente seu gabinete.

Essa diminuição no apoio também se deve ao fato de que o empresário bem sucedido não conseguiu atender às expectativas econômicas que propôs em sua campanha eleitoral. A justificativa vinda do La Moneda atribui a culpa à queda no preço do cobre e um contexto de recessão internacional.

Iván Duque e o processo de paz na Colômbia

Em 2017, o agora presidente colombiano Iván Duque publicou no Twitter que “a Colômbia é o país da América Latina onde a popularidade do presidente está abaixo do IVA (Imposto sobre Valor Agregado, na Colômbia, em torno de 16%)”, irônico com a baixa aceitação do então presidente Juan Manuel Santos.

Dez meses e meio depois de sua posse, o político e o advogado não está tão longe de transformar essa brincadeira em realidade, já que, de acordo com a pesquisa divulgada pelo Gallup Poll, sua popularidade caiu para 29% em junho deste ano.

O governo colombiano parece ser vítima de uma paralisia institucional e política que não permite ao Executivo realizar seus próprios programas, já que não tem maioria em nenhuma das câmaras legislativas.

A principal crítica de Iván Duque é baseada na violação dos acordos de paz que vieram à luz durante a legislatura anterior. Muitos de seus oponentes consideram que o governo tenta sabotar tais acordos.

Uma das medidas mais divulgadas durante a campanha eleitoral de Duque foi a apresentação de objeções a esses acordos de paz, incluídos na Jurisdição Especial para a Paz. No entanto, em maio passado, o Tribunal Constitucional rejeitou essas objeções e deixou o presidente sem sua principal bandeira política.

A estes fatos deve ser acrescentado que, de acordo com os dados mais recentes, a economia colombiana sofre a mesma estagnação que o Executivo. A taxa de desemprego é de 10,5%, a mais alta desde 2012, e o crescimento econômico é de 2,8%, bem abaixo dos 3,5% previstos pelo governo até o final do ano.

Um futuro incerto para a região

Assim, embora a maioria desses líderes liberais tenha um grande histórico no mundo dos negócios e tenha grandes fortunas em seus diferentes países, tudo indica que suas receitas macroeconômicas não estão dando os frutos esperados pelos eleitores.

Exceto Macri, o restante dos políticos dessa nova “onda neoliberal” tem a vantagem de que as próximas eleições estão longe e que a oposição não representa, até agora, uma ameaça real. Mesmo assim, tempos difíceis estão previstos para a direita na América Latina.

Veja também


Comentários