Marcelo Bello

Renúncia de Evo Morales foi causada por forças externas, diz analista política

A socióloga Veronica Navia também falou sobre a auditoria dos resultados das eleições presidenciais bolivianas, que ocorreram no dia 20 de outubro

De acordo com a analista política e socióloga russa Veronica Navia, forças externas também foram responsáveis pela renúncia do presidente boliviano e pelos atos de violência que arrasaram o país sul-americano.

O que está agora acontecendo na Bolívia não é apenas caos, segundo a analista, mas, sim, um atentado contra toda a institucionalidade boliviana.

Marcelo Bello
A especialista enfatizou que Morales decidiu renunciar para pacificar a situação no país.

"O objetivo dos golpistas era tirar Morales da presidência, eles conseguiram fazê-lo apesar de Morales ter lutado por muito tempo e ter ganhado muitas batalhas durante esta época neoliberal, bem como contado com o apoio de muitos seguidores", reforçou.

"Temos tido com ele, o melhor presidente, o melhor período. Bolívia conseguiu sair da pobreza. Não penso que o presidente, ao renunciar ao cargo, realmente renuncie ao estilo de vida tido que é a luta pelo povo", disse Navia em entrevista à Sputnik Mundo.

A analista acredita que Morales hoje em dia não só conta com muito apoio social dentro da Bolívia, como também internacional.

Segundo a socióloga, o único motivo que levou os manifestantes a se mobilizarem foi precisamente porque queriam recuperar o poder, que estava sendo impedido de conseguir com Evo Morales na presidência.

"Não há mais motivos. Já são anos de perseguição, que o presidente Evo Morales vinha enfrentando no governo", salientou Navia.

A especialista enfatizou que Morales decidiu renunciar para pacificar a situação no país.

"A pacificação do país e seu amor pela Bolívia obrigaram que ele renunciasse", sublinhou Navia.

Veronica Navia não deixou de comentar durante entrevista à Sputnik Mundo a questão relacionada à auditoria dos resultados das eleições presidenciais bolivianas, que ocorreram no dia 20 de outubro.

A socióloga destacou que o relatório preliminar da OEA (Organização dos Estados Americanos) é bastante claro. Seus autores não mencionam em nenhum momento uma fraude eleitoral, mas, sim, "manipulação informacional", que ocasionou toda esta violência, concluiu.

Veja também

Comentários