“Qualquer voz subalternizada que se levante é voz utópica”, diz Conceição Evaristo

Revista Diálogos do Sul

Todos os posts do autor

Existem várias formas de pensar uma utopia, algumas muito distantes da nossa realidade, outras nem tanto. “Uma forma de utopia é ter uma mesa de um festival internacional composta por dois negros”, interpretou o Pastor Ariovaldo Ramos dando início ao debate “Utopia”, que encerrou o Festival de mesmo nome, realizado na cidade de Maricá, no Rio de Janeiro, entre a quinta-feira (19) e este domingo (22). Além de Ariovaldo, o debate trouxe a presença da renomada escritora Conceição Evaristo e, simbolizou, para uma plateia composta, na sua maioria, por jovens negros, uma esperança na atual conjuntura política.
Júlia Dolce, no Brasil de Fato | Maricá (RJ)
Os debatedores discutiram sobre o conceito ideal de sociedade no debate que também contou com a presença do vereador da cidade de São Paulo Eduardo Suplicy (PT), o prefeito de Maricá, Fabiano Horta (PT), e o dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Joaquín Piñero.

Leia também: Com Conceição Evaristo, ABL pode ter quadro de membros mais diverso da história

Em sua percepção diante da afirmação do pastor Ariovaldo, Conceição Evaristo destacou que a composição da mesa representava uma exceção que, por si só, simbolizava a busca por uma utopia.

Leia também: “Se é direito, quero concorrer”, diz Conceição Evaristo sobre Academia Brasileira de Letras

“É perigoso esse discurso de que nós, exceções, escritores, juízes, advogados negros, estamos aqui porque o racismo está arrefecendo. Como se fosse uma questão de estudar para chegar aqui. As exceções servem para pensar as regras, e quantos de nós que estudaram, não ficaram pelo caminho? Todos os lugares da nação brasileira pertence a nós, negros”, pontuou a escritora, vencedora do Prêmio Jabuti de Literatura e candidata à ocupar a cadeira número 7 da Academia Brasileira de Letras (ABL), podendo se tornar a primeira mulher negra na instituição.

“Assim, qualquer voz subalternizada que se levante é um exemplo de voz utópica. O que deve nos mover é a crença de que buscamos uma sociedade justa”, completou a escritora. Em sua fala, Joaquín Piñero destacou que a mesa pretende enviar uma carta à ABL, reforçando a laureação de Evaristo.

 

Golpe

 

Diante da sensação de distopia que o país vive, com o golpe que retirou a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) e os desmontes de diversos direitos pelo atual governo, Evaristo destacou a potência do período de reorganização da resistência, utilizando como metáfora os movimentos da capoeira.

“Nesse momento, quando percebemos a perda de direitos trabalhistas, todo o discurso do Escola sem Partido, a própria prisão de Lula, quando vemos o impeachment de Dilma, dá a sensação de que não tem jeito. É preciso ficarmos muito atentos para não ficarmos em um tempo de distopia. Mas podemos pensar também que muitas vezes o silêncio é fala, é retaguarda, são momentos de potencialização para quando a voz explodir, explodir com mais violência. Gosto muito de pensar na capoeira, o momento em que o corpo recua não é quando ele está saindo da luta, mas sim se potencializa. Quando retorna para o jogo, retorna com mais potência ainda. Então o silêncio pode ser um momento para nos organizarmos e outra vez retomarmos nossa utopia”, disse.

Nesse sentido, o pastor Ariovaldo, que é integrante da Frente de Evangélicos pelo Estado de direito, lembrou a importância da militância e da luta, principalmente nas ruas, contra o que considera “o golpe de Estado mais hediondo praticado contra um povo nos tempos modernos”.

“Eu gostaria de uma utopia que precisasse apenas de um projeto a longo prazo, como gostaria! Mas isso não é mais possível. Há utopias, como a cristã, que esperam uma ação divina. Mas a minha utopia exige de mim militância, exige que eu tome partido. Foram mais de 300 anos de uma nação sem o mínimo de referência aos nossos ancestrais, que construíram esse país com sua vida. Então minha utopia também é uma sociedade em que haja igualdade absoluta”, afirmou, convocando a militância evangélica para realizar trabalho de base, entregando folhetos contra a prisão do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e pela reconstrução da nação brasileira.

A mesa foi encerrada com um agradecimento do prefeito Fabiano Horta, que pontuou a importância do Festival Inertnacional da Utopia para a cidade de Maricá e seus visitantes. “Esse festival despertou muita gente para o que deveria ser uma sociedade, esse é um dos legados dele, porque nossa utopia é sempre a luta, onde construímos nossa humanidade”, afirmou. Os convidados receberam cestas de produtos da reforma agrária do MST, e foram aclamados por representantes do movimento negro de Maricá.

Ao longo dos últimos quatro dias, o Festival da Utopia reuniu milhares de pessoas em debates sobre as perspectivas de saídas democráticas para o país. Além disso, também contou com diversas atrações nos espaços como a Feira da Reforma Agrária e Economia Solidária, a Culinária da Terra e a Tenda Literária Paulo Freire. O Festival também apresentou uma série de atividades culturais, peças e shows de artistas como Martinho da Vila, Maria Rita e Marcelo Jeneci. Neste domingo (22), o Festival será formalmente encerrado como um show dos rappers Emicida, na Praça Central, e Bnegão, no Acampamento da Juventude, em São José do Imbassaí.

Edição: Mariana Pitasse

Recomendadas para você

Comentários