De Olho Nos Ruralistas

Paraná x Santa Catarina: conheça os rivais do clã Dallagnol no MT, a família Fuck

Empresários de Canoinhas (SC) disputam terras com os parentes do procurador Deltan na região de Nova Bandeirantes (MT)

De um lado, paranaenses: a família Dallagnol. Pai, tios e primos do procurador Deltan Dallagnol protagonizam disputa por latifúndios – e gado, madeira – no noroeste do Mato Grosso. Do outro lado, catarinenses: a família Fuck.

Um grupo de empresários de Canoinhas (SC), que atua de forma discreta em Nova Bandeirantes (MT).

Os clãs Dallagnol e Fuck disputam na Justiça uma área de 1,2 mil hectares.

Os personagens centrais da ação são a Madeireira Juara, dos Fuck, Xavier Leonidas Dallagnol e sua mulher, Maria das Graças Prestes:

De Olho nos Ruralistas conta desde o dia 21 de julho a história dos latifúndios dos Dallagnol na Amazônia: “Desmatamento, disputa por terras, desapropriação ilegal: o que está por trás dos latifúndios dos Dallagnol na Amazônia?“. A disputa com os Fuck ilustra o avanço de colonizadores do sul do país na região. As disputas jurídicas ocorrem principalmente entre essas duas famílias e o governo. Segundo o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), a desapropriação em favor dos Dallagnol foi movida por irregularidades “cometidas por servidores públicos”.

O operador dos Fuck na Madeireira Juara (MT), município vizinho de Nova Bandeirantes, foi executado em  janeiro: “Fazenda disputada por tio de Dallagnol e madeireira teve camponeses assassinados“. Conhecido como Walmor da Fuck, Walmor Rodrigues dos Santos teve uma trajetória peculiar, que envolveu porte ilegal de armas e suspeita – conforme relatório da ONU – de ter mandado matar camponeses. Mas os donos de fato da empresa são os Fuck.

O clã catarinense agiu de modo mais discreto que os Dallagnol: à distância. Enquanto alguns membros da família de Deltan Dallagnol, como o tio Leonar, o Tenente, atuaram diretamente nos conflitos de terra, os Fuck mantiveram Santos como o gerente e continuaram tocando suas atividades em Canoinhas. Segundo familiares de Walmor, há pelo menos cinco anos os Fuck não dão as caras na região de Nova Bandeirantes. Não apareceram nem mesmo no enterro do antigo aliado, que tinha o sobrenome da família como apelido.

Apesar de terem seus nomes unidos quando o assunto é a Madeireira Juara, os interesses dos Fuck estão divididos desde 2015. Estevão ficou com a Industrial e Comercial Fuck, do setor de madeiras, empresa que passou por dificuldades econômicas e acabou leiloada para o pagamento de dívidas, inclusive trabalhistas. Niceto ficou com a Ervateira Yacuy e com uma unidade de madeireira depois recriada como F Corp. Do norte do Mato Grosso ao sul do país, desponta a atividade madeireira – ao contrário da face jurídica dos Dallagnol.

De Olho Nos Ruralistas
De Olho nos Ruralistas tentou falar com os Fuck, sem sucesso

Em Canoinhas, desmatamento de Mata Atlântica

Autointitulada “capital mundial da erva mate”, Canoinhas fica no norte de Santa Catarina. Os irmãos Francisco e Jacob Fuck criaram a empresa em 1943 e entraram no ramo da erva-mate cinco anos depois. Antes, eles já eram produtores rurais no município.

Empresários são bem conhecidos em Canoinhas. (Foto: Reprodução)  Os negócios foram administrados principalmente por dois dos oito filhos de Jacob, Estevão e Niceto. Apesar da fama do mate, a madeira foi o principal negócio da família nos anos seguintes, inclusive com uma fábrica no Paraguai, e como o início da produção de pinus na região, nos anos 1960. Eles também expandiram os negócios de madeira e mate para o vizinho Paraná. Em Canoinhas, o clã dá nome a um bairro no município, em uma região industrial: a Vila Fuck. Ou dois: a Vila Fuck Nova e a Vila Fuck Velha.

A força econômica da família na região também motivou ingresso na política. Em 1982, o rotariano Fábio Nabor Fuck (falecido em 2007, luto municipal por três dias) foi prefeito por alguns meses. Em 2015, Niceto Osmar Fuck chegou a ensaiar sua candidatura pelo PSDB, mas acabou desistindo da empreitada política.

Estevão e Niceto Fuck foram alvos de uma ação civil movida em 2010 pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso, ao lado do falecido Walmor Santos e de outros cinco membros da família, por desmatamento de 238 hectares na Fazenda Vale do Arinos, pertencente à Madeireira Juara, em região de Amazônia Legal. A vegetação destruída ficava em área de transição entre o Cerrado e a Floresta Amazônica.

Os dois acabaram favorecidos, em março deste ano, pela prescrição da pena, em razão da demora para a conclusão do processo. Como eles têm mais de 70 anos, a extinção da punibilidade se dá com metade do tempo normal. O processo contra Walmor foi extinto em razão de sua morte e o juiz pediu para que fosse citado o novo administrado da Juara. Apenas um dos irmãos Fuck permanece como réu.

Niceto e Estevão aparecem também em inquérito civil movido pelo Ministério Público de Santa Catarina, novamente por desmatamento. Ao lado de Alexandre Fuck e da Industrial Comercial Fuck, o promotor apurava dano ambiental na Vila Fuck, diante da destruição de quatro hectares de vegetação secundária. O bioma, no caso, era a Mata Atlântica:

A família tem peso também nas entidades de classe dos madeireiros na região. Em 2018, Norberto Fuck presidia o sindicato das indústrias madeireiras de Canoinhas, o Sindimadeiras. Cinco anos antes, Estêvão Francisco Fuck era suplente no Conselho Municipal do Meio Ambiente, representando exatamente o Sindimadeiras.

Apesar da influência política e econômica, a Industrial e Comercial Fuck enfrentou dificuldades a partir de 2016, com endividamento e calote aos trabalhadores, que chegaram a fazer manifestações para garantir o recebimento dos salários e outros encargos trabalhistas. A empresa acabou leiloada em março deste ano, pela Justiça do Trabalho, para o pagamento das dívidas.

Nos discursos, a responsabilidade social

As duas famílias – Dallagnol e Fuck – demonstram em seus discursos preocupações de interesse público. Como se sabe, o procurador Deltan Dallagnol – evangélico da igreja batista – se tornou conhecido pela cruzada contra a corrupção durante as investigações que se tornaram conhecidas como Operação Lava Jato. O próprio nome da operação remete à necessidade de se limpar algo imediatamente. O discurso é o de uma frente impoluta de policiais, procuradores e juízes – como o atual ministro da Justiça, Sergio Moro – em luta veloz contra desvios do erário.

No caso da disputa em Nova Bandeirantes, a Madeireira Juara move uma ação contra o cérebro da família, Xavier Dallagnol, advogado que reside em Cuiabá. Tio de Deltan e marido de Maria das Graças Prestes, outro alvo da ação judicial dos Fuck. É ela quem encabeça uma lista de 25 pessoas que pleiteiam uma das principais ações de desapropriação movidas contra o Incra. Ambas as partes invocam o signo da lei.

Apesar das acusações de desmatamento, a Ervateira Yacuy, da família Fuck, destaca a responsabilidade ambiental em sua página oficial na internet. “Seu extenso erval próprio é localizado na Bacia do Rio Iguaçu, na maior reserva de floresta nativa do estado do Paraná, conhecida nos mercados internacionais como ‘rain Forest’. Tal comércio, cada vez mais, volta seu consumo a este tipo de matéria prima, por seu benefício ao organismo e por ser ecologicamente correto, em todos aspectos.”

Além disso, a Yacuy tem uma linha de produtos orgânicos, como explica a empresa em seu site. “A atividade extrativa é desenvolvida através da conservação e gestão dos recursos naturais, sem agredir o meio ambiente”, esclarece a empresa, “pela não utilização de nenhum tipo de pesticida, fungicida ou herbicida”.

De Olho nos Ruralistas tentou falar com os Fuck, sem sucesso.

Veja também

Comentários