Pesquisar
Pesquisar
Foto: European Parliament

Cabe ao Parlamento Europeu uma frente ampla para frear a extrema-direita

Macron dissolve Assembléia e antecipa eleições e primeiro ministro belga Alexander de Croo, anunciou sua renúncia. Democratas marcham por toda Europa contra o avanço da extrema-direita.
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Diante do crescimento da extrema-direita em 18 dos 27 países que integram a União Europeia (UE), a fórmula mais provável para evitar sua influência nas políticas públicas dos próximos cinco anos é reeditar a grande coalizão que sustentou a legislatura que está terminando, apontaram analistas. Ou seja, manter-se-ia o pacto entre o Partido Popular Europeu (PPE) de direita, que somou 185 deputados, a Aliança Socialdemocrata, com 137, e os liberais de centro-direita, Renovar Europa (RE), que têm 79 cadeiras.

Dessa forma, chegariam a 401 deputados dos 720 que integram o Parlamento Europeu, uma ampla maioria para nomear os membros da Comissão e do Conselho europeus, os conselheiros, a presidência do Parlamento e o Alto Representante para Assuntos Exteriores e Política de Segurança, que atualmente é o espanhol socialista Josep Borrell. Isso também permitiria manter as políticas públicas em matéria de meio ambiente, agricultura e migração.

Leia também | Dominada pela extrema-direita, eleição na UE jogo bloco em futuro preocupante

Os dois grandes partidos já fizeram seus primeiros movimentos para aproximar posições e iniciar as negociações. Desde a direita tradicional europeia, se perfila como a responsável por fechar os pactos a alemã Ursula von der Leyen, atual presidenta do bloco, que aspira à reeleição. Enquanto que, desde os partidos socialistas, as negociações estarão lideradas pelo chanceler federal alemão, Olaf Scholz, e o presidente do governo da Espanha, Pedro Sánchez. A data limite para fechar um acordo é 16 de julho, dia marcado para a sessão inaugural do novo Parlamento.

Von der Leyen em cima do muro

Von der Leyen, que antes declarou sua intenção de fechar a porta “aos extremos de direita e esquerda”, afirmou ontem que “nestes tempos turbulentos, precisamos de estabilidade, precisamos de responsabilidade e precisamos de continuidade” e advertiu aos outros grupos que os perdedores das eleições não têm direito de ditar com quem falamos e com quem não.

A principal mensagem foi dirigida à primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, que anunciou que seu país está chamado a ter um “papel fundamental” na construção da “nova Europa”, depois que o grupo que lidera, os Conservadores e Reformistas Europeus (CRE), obteve 73 cadeiras; à francesa Marine Le Pen, de Identidade e Democracia (ID), que conseguiu 58 cadeiras; e ao húngaro Viktor Orbán, que não pertence a nenhum grupo específico, mas cuja formação de extrema-direita conseguiu uma vitória importante, alcançando 11 dos 21 assentos que correspondem ao seu país.

Leia também | Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg

Entre os grupos de ultradireita também houve movimentos, como o da Alternativa para Alemanha (AfD), a segunda força mais votada nesse país, que afastou de sua delegação parlamentar seu líder eleitoral, Maximilian Krah, que afirmou que “um SS não era automaticamente um criminoso”. Esta declaração provocou a expulsão do partido do grupo da ID, por isso não se descarta que agora voltem a integrá-lo.

“Protejamos nossa Europa unida!”

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, diante do crescimento em seu país de forças neofascistas, afirmou: “nunca esqueçamos os danos causados na Europa pelo nacionalismo e pelo ódio. Nunca esqueçamos o milagre de reconciliação que a UE conseguiu. Protejamos nossa Europa unida!”

Na França, o presidente Emmanuel Macron reafirmou sua decisão de dissolver a Assembleia Nacional e convocar eleições legislativas antecipadas: “Confio na capacidade do povo francês para tomar a decisão correta para si mesmo e para as futuras gerações”, afirmou.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Enquanto isso, os partidos franceses de esquerda La France Insoumise, o Partido Socialista, os Verdes, o Partido Comunista, a Esquerda Republicana e Socialista, e o movimento Geração, anunciaram um acordo para se unir em uma frente popular contra a ultradireita de olho nas eleições, com “candidatos únicos no primeiro turno”, que será realizado em 30 de junho (mais informações a seguir). O objetivo da aliança é “levar a cabo um programa de rupturas sociais e ecológicas para construir uma alternativa a Macron e combater o projeto racista da extrema-direita”, explicaram.

Marchas contra extrema-direita

Nas ruas de cidades como Paris, Marselha e Rennes, e também em Bruxelas, registraram-se marchas de protesto para chamar a atenção sobre o crescimento da extrema-direita no continente. Um dos atos mais emocionantes ocorreu nas portas do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, onde os manifestantes cantaram um dos hinos históricos da resistência na Itália contra o fascismo, o Bella Ciao.

Por outro lado, um dos poucos líderes internacionais que celebraram o avanço dessas forças foi o presidente da Argentina, Javier Milei, ao afirmar que “as novas direitas arrasaram nas eleições europeias e colocaram um freio em todos aqueles que empurram a Agenda 2030, uma agenda desumana desenhada por burocratas, para benefício de burocratas. Os povos da Europa falaram e revalidaram com seu voto nossa visão, apesar dos lamentos dos progressistas locais e internacionais, jornalistas e políticos que questionaram o novo posicionamento da Argentina, para disfarçar suas intenções globalistas”.

Leia também | Proposta de Lula contra extrema-direita global é “basta!” à normalização da barbárie

Abalo político na França e Bélgica

Depois que a extrema-direita avançou nas eleições europeias, a França e a Bélgica sofreram uma reviravolta política. O presidente Emmanuel Macron decidiu dissolver a Assembleia Nacional francesa e convocar eleições antecipadas, enquanto o primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, anunciou sua renúncia. Na França, o partido de extrema-direita Reagrupamento Nacional (RN), de Marine Le Pen, obteve cerca de um terço dos votos nas eleições para o Parlamento Europeu, o dobro da aliança liberal Renovar Europa, liderada pelo presidente Macron.

Diante do resultado catastrófico, o mandatário dirigiu uma mensagem à nação: “A principal lição é clara: este não é um bom resultado para os partidos que defendem a Europa. Decidi dar a vocês a opção de escolher seu futuro parlamentar. Esta decisão é difícil, mas é principalmente um ato de confiança. Ouvi a mensagem de vocês. Dentro de alguns instantes, assinarei o decreto de convocação das eleições legislativas, que ocorrerão em 30 de junho no primeiro turno”.

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

Nunca antes as eleições europeias tiveram um impacto tão devastador na política doméstica de um país do bloco. Jordan Bardella, da RN, afirmou: “Macron está esta noite como um presidente enfraquecido. Estamos prontos para exercer o poder, prontos para pôr fim a essa imigração em massa, fazer do poder de compra uma prioridade e prontos para reviver a França”.

Resultado colateral

As eleições antecipadas não afetariam Macron, que permaneceria na presidência até 2027, mas poderia ter que compartilhar o poder com um governo de outra cor política pouco antes dos Jogos Olímpicos de Paris 2024, uma “coabitação que só ocorreu duas vezes entre conservadores e socialistas desde 1958”.

Centenas de pessoas se manifestaram no domingo (9) à noite na Praça da República, em Paris, contra a extrema-direita: “Fascistas às portas do poder. União já!”, lia-se em uma das faixas.

Estamos no Telegram! Inscreva-se em nosso canal.

Enquanto isso, na Bélgica, após o desastre de seu partido Open VLD, o primeiro-ministro anunciou: “Para nós é uma noite particularmente difícil, nós perdemos. A partir de amanhã, renuncio ao meu cargo de primeiro-ministro, mas os liberais são fortes e regressarão”. Ontem, os belgas votaram para eleger o Parlamento federal, regionais e membros do Parlamento Europeu.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
* Com informação de agências.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta
Afeganistão: os talibãs avançam rumo ao reconhecimento internacional
Afeganistão: talibãs ampliam cooperação e avançam para ganhar legitimidade internacional
Republicanos atraem voto latino para Trump em meio a ataques a imigrantes
Republicanos prometem 50% do voto latino enquanto líderes atacam imigração ilegal na convenção
China e Rússia iniciam manobras militares conjuntas em resposta à expansão da OTAN
Manobras militares China Rússia são uma resposta à expansão da Otan na Ásia