Pesquisar
Pesquisar
Lin Jian, porta-voz da chancelaria da China (Foto: Governo da China)

China expõe contradições da UE sobre Direitos Humanos e critica interferências

Governo na China se encontrou com membros da UE nos últimos dias para debater temas relacionados aos Direitos Humanos
Daniel González Delgadillo
La Jornada
Pequim

Tradução:

Beatriz Cannabrava

A China assegurou nesta terça-feira (18) que se opõe à política de dois pesos e duas medidas relacionada à questão de direitos humanos, razão pela qual se opõe a utilizar esses casos para interferir nos assuntos internos do país. A declaração vem após o país fazer uma série de encontros com membros de União Europeia (UE) sobre este assunto nos últimos dias.

“A China está disposta a levar a cabo intercâmbios e cooperação em matéria de direitos humanos na base da igualdade e do respeito mútuo para melhorar o entendimento e a confiança, ampliar o consenso, resolver diferenças e avançar juntos”, assegurou Lin Jian, porta-voz da chancelaria, em uma entrevista coletiva.

Leia também | País de prisioneiros: China escancara violações dos EUA em investigação sobre Direitos Humanos

Pequim instou que a UE “trabalhe conosco na mesma direção, defenda o diálogo e a cooperação ao invés da confrontação e da pressão, e contribua conjuntamente à causa internacional dos direitos humanos”.

Funcionários chineses apresentaram as opiniões do governo sobre os direitos humanos durante as conversações com os diplomatas do bloco europeu que assistiram à 39ª Sessão do Diálogo Conjunto sobre Direitos Humanos, no distrito sulista de Chongqing, em 10 de junho, e visitaram a região autônoma de Xizang, no sudoeste, entre os dias 13 e 15.

Leia também | Sachs | Estúpidos e imprudentes, EUA arrastam Otan para guerra desastrosa contra China

Em Pequim, também em 10 de junho, Miao Deyu, ministro assistente da chancelaria, deu uma introdução integral ao conceito e às conquistas dos direitos humanos na China durante as conversações com Paola Pampaloni, diretora-geral adjunta para Ásia e Pacífico do Serviço Europeu de Ação Exterior.

Segundo um comunicado de Ação Exterior da UE, publicado em seu site web na nesta segunda-feira (17), durante o diálogo, a UE destacou suas “preocupações” pela situação em Xinjiang, Xizang e Hong Kong na China, e sobre temas relacionados com a pena de morte e os direitos trabalhistas

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Durante o diálogo, a parte chinesa também enfatizou que as questões relacionadas com as três regiões e os casos judiciais são puramente uma questão de assuntos internos do país e não devem estar sujeitos a interferência externa.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Daniel González Delgadillo

LEIA tAMBÉM

Onix Lorenzon representa a extrema direita brasileira
Aliança pela Liberdade: Coalizão conservadora de Eduardo Bolsonaro planeja fortalecer direita na Europa
putin
Narendra Modi e Vladimir Putin discutem a paz e a crise ucraniana
Macron1
Temendo Le Pen, esquerda salva Macron e recupera o “neoliberalismo cor-de-rosa”
França comemora resultado das eleições
Cannabrava | Maturidade e unidade: o exemplo que nos dá a França