Pesquisar
Pesquisar
Foto: Gustavo Petro / Facebook

Colômbia: após ataques de guerrilha contrária aos diálogos de paz, Petro anuncia “ofensiva total”

Ainda segundo Petro, enquanto dissidências não decidirem desmantelar as economias ilícitas, não haverá conversas de paz
Jorge Enrique Botero
La Jornada
Bogotá

Tradução:

Beatriz Cannabrava

No último sábado (8), o presidente Gustavo Petro notificou as dissidências das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que operam no departamento do Cauca, que a ofensiva do exército será total depois que esta região do sudoeste do país foi alvo de ataques com explosivos que causaram danos materiais significativos em instalações da polícia.

Usando projéteis artesanais de alta potência, unidades guerrilheiras atingiram as instalações de uma estação de segurança pública em Popayán, a capital do departamento mais afetado pela onda de violência desencadeada após o rompimento do cessar-fogo entre o governo e os insurgentes, em 17 de março.

Leia também | “Acordo pactuado, acordo cumprido”: conheça pontos do novo diálogo de paz entre Colômbia e Farc

Horas antes, a praça principal da cidade de Robles, também no Cauca, foi abalada pela explosão de um carro-bomba estacionado a 100 metros da estação de segurança pública, ação atribuída pelas autoridades locais ao grupo Jaime Martínez das dissidências das FARC conhecidas como Estado-Maior Central (EMC). Após acusar o EMC de trabalhar para traficantes de drogas, o presidente Petro advertiu que enquanto não decidirem desmantelar as economias ilícitas, não haverá conversas de paz.

O chefe de Estado, que promove uma estratégia conhecida como paz total, afirmou que a ordem dada às forças militares é neutralizar o EMC no Cauca. Situado estrategicamente em uma cadeia montanhosa da cordilheira dos Andes, com saída para o oceano Pacífico, o Cauca tem sido um campo de batalha por seis décadas, mas também um território desejado pelos cultivadores de coca, que têm uma logística muito boa para o processamento da cocaína e sua exportação para os mercados internacionais pelo Pacífico.

Leia também | Descumprimento de acordos coloca em risco processo de paz na Colômbia

Após a assinatura dos acordos de paz com as FARC em 2016, a região do Cauca registrou uma queda significativa nos índices de violência, mas diante do descumprimento do pactuado pelo Estado, surgiram novos grupos armados, que hoje exercem um controle quase absoluto do território.

Depois de muitos obstáculos, o governo e o EMC iniciaram diálogos de paz em 2023, mas em março passado, devido a ataques de unidades guerrilheiras a líderes indígenas do Cauca, essa dissidência das FARC se dividiu, deixando de fora das negociações as frentes do sudoeste do país, alvo da atual ofensiva militar.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Informes das forças militares estimam que o EMC tenha cerca de 3 mil homens armados, metade deles envolvidos no processo de paz. As frentes dessa dissidência operam em pelo menos 11 estados do país, e tanto seu discurso quanto sua iconografia são uma réplica das extintas FARC, fundadas em 1964.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

Onix Lorenzon representa a extrema direita brasileira
Aliança pela Liberdade: Coalizão conservadora de Eduardo Bolsonaro planeja fortalecer direita na Europa
China-US-and-LATAM-COLLAGE1
Rivalidade EUA-China: o campo de batalha geopolítico em El Salvador reflete o cenário latino-americano
Niegan-libertad-condicional-a-Salvatore-Mancuso
Pânico: Elites colombianas temem que Salvatore Mancuso exponha segredos como massacres, deslocamentos e assassinatos seletivos
Peru
Lei da impunidade: Congresso do Peru aprova lei que beneficia Fujimori e repressores acusados de crimes de lesa humanidade