Pesquisar
Pesquisar

Cúpula da Alba se reúne em Guayaquil dia 29

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

alba-tcpA Cúpula dos Movimentos Sociais para a Alba fará reunião em Guayaquil, Equador, nos dias 29 e 30 de julho e convoca: Em momento de importantes desafios para as transformações históricas na Pária Grande e no Mundo, em que graças a concretização dos processos transformadores impulsionados por nossos povos, emerge uma América Latina e um Caribe soberanos, com um perfil e espaço inéditos alcançados na geopolítica mundial, e em que também se manifestam remoçadas ameaças imperiais, tentativas de rearticulação dos falidos projetos de integração capitalista, disputas pelo reposicionamento dos interesses, influência e do domínio das transnacionais na região.

São momentos em que as propostas de radicalizar as mudanças, de aprofundar nossos socialismos, de consolidar nossos caminhos de transição para o Bom Viver, tem como requisito iniludível assegurar a integração de nossos povos para construção de uma Pátria Grande, concebida como o espaço imprescindível para viabilizar nossas projeções aqui e no mundo, tal como propõe a Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América – ALBA.

Conscientes do papel de nossos povos organizados, como únicos suportes tanto da concretização dos processos de mudança que estão sendo executados, como das possibilidades de ação de nossos governos transformadores, a “Articulação de Movimentos Sociais para a ALBA” e o “Conselho de Movimentos Sociais da ALBA-Equador”, convocam para a Cúpula de Movimentos Sociais da ALBA, que se realizará de 20 a 30 de julho de 2013, em Guayaquil, Equador, como evento conexo à XII Cúpula Presidencial da ALBA-TCP.

Para encarar os enormes desafios políticos que temos por diante e para sustentar a proposta de mudança estrutural para a região proposta pela ALBA, a Cúpula propõe avançar na construção do poder popular em nossos países e na região, e contribuir, a partir daí, ao desenvolvimento de suportes estratégicos para a arquitetura de um mundo multipolar e de uma América Latina e Caribe liberados de todo resquício de colonialismo, de neocolonialismo, de domínio do capital, de controle dos empórios financeiros, dos latifúndios midiáticos e do poder das transnacionais.

A Cúpula culminará com a entrega da Declaração ALBA Movimentos – Guayaquil e as Recomendações dos Movimentos à XII Cúpula de Presidentes da ALBA-TCP, no dia 30 de julho as 18 horas.

A cúpula presidencial

O ministro equatoriano de Relações Exteriores e Mobilidade Humana, Ricardo Patiño informou que a XII Cúpula Presidencial da ALBA-TCP de Guayaquil será inaugurada pelo presidente Rafael Correa.

Informou que serão abordados temas de “desenvolvimento da integração econômica e programas sociais em benefício dos cidadãos de nossos países. Este evento não só reunirá chefes de Estado mas tamb’[em será oportunidade para que organizações sociais possam reunir para tratar temas como a integração latino-americana e conversar sobre o que estamos realizando na ALBA.

Os presidentes dos Estados membros que conformam a Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América: Venezuela, Cuba, Bolívia, Nicarágua, Dominica, Equador, San Vicente e Granadinas, Antigua e Barbuda e Santa Lúcia também manterão um foro com os movimentos sociais em que se ananalizará a defesa da democracia e a luta contra as empresas transnacionais.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Onix Lorenzon representa a extrema direita brasileira
Aliança pela Liberdade: Coalizão conservadora de Eduardo Bolsonaro planeja fortalecer direita na Europa
China-US-and-LATAM-COLLAGE1
Rivalidade EUA-China: o campo de batalha geopolítico em El Salvador reflete o cenário latino-americano
Niegan-libertad-condicional-a-Salvatore-Mancuso
Pânico: Elites colombianas temem que Salvatore Mancuso exponha segredos como massacres, deslocamentos e assassinatos seletivos
Peru
Lei da impunidade: Congresso do Peru aprova lei que beneficia Fujimori e repressores acusados de crimes de lesa humanidade