Pesquisar
Pesquisar
Flickr

Denúncias de violações dos direitos humanos por Milei ultrapassam fronteiras da Argentina

Violações dos direitos humanos na Argentina por Milei começam a encontrar eco no exterior. São casos relacionados à violação dos direitos sexuais e reprodutivos; de protesto e às garantias judiciais
Redação Página 12
Página 12
Buenos Aires

Tradução:

Ana Corbisier

As denúncias contra Javier Milei pelas violações dos Direitos Humanos ultrapassaram as fronteiras e bateram à porta de diversos organismos internacionais. São denúncias pela violação de direitos sexuais e reprodutivos, do direito ao protesto e das garantias jurídicas.

Leia também | Milei infiltra agentes e manda espancar, prender e acusar manifestantes de terrorismo

Organismos de direitos humanos foram à Colômbia, onde foi realizada uma conferência regional sobre população e desenvolvimento da Comissão Econômica para América Latina e Caribe das Nações Unidas (Cepal), denunciar todos os ataques que há na Argentina.

Milei denunciado na Cepal

Na Cepal, não só foram denunciados os casos vinculados a direitos sexuais e reprodutivos, como violações aos direitos de protesto e às garantias judiciais.

Leia também | Dano interno e externo: Milei arruína Argentina com insultos a presidentes e Lei de Bases

“Estão sendo usados os âmbitos internacionais para dizer claramente que há pessoas presas por lutar. Temos que fazer este paralelo que impacta. Impacta comparar estas situações. Mas é a dor do que sentimos e do que temos que fazer seguindo o exemplo das Mães e Avós nestes anos duríssimos”, disse o advogado especializado em Direitos Humanos Pablo Llonto.

Milei ataca políticas de Memória, Verdade e Justiça

Enquanto isso, o governo, mediante ajuste, ataca de maneira direta as políticas de Memória, Verdade e Justiça. “Tudo o que vem do Executivo é tentar destruir o que foi construído. O âmbito que está um pouco mais protegido é o judicial. Os processos de Lesa Humanidade vão continuar. Claro, devem ter um plano para meter-se aí também”, disse Llonto sobre uma das áreas mais atacadas.

E finalizou: “mas no momento, aonde estão pisoteando tudo é no âmbito do Executivo. Muitas pessoas que se dedicaram durante anos a manter os espaços de memória foram demitidas. Os locais que foram lugares clandestinos de desaparecimento de pessoas estão sendo destruídos. Começaram demitindo e irão para o fechamento desses locais”.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Página 12

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela