Pesquisar
Pesquisar
Foto: UNRWA / X

“Desaparecimentos forçados”: Israel tortura, mata e amputa membros de reféns palestinos

Israel segue cometendo crimes bárbaros contra os detidos da Faixa de Gaza, incluindo execuções sumárias, e manipulam sistema judiciário para esse fim
Wisam Zoghbour
Diálogos do Sul Global
Gaza

Tradução:

Israel, o Estado ocupante, habituou-se a utilizar métodos criminosos ultrapassados ​​contra o povo palestino onde quer que este se encontre, incluindo a política de detenção administrativa e desaparecimento forçado, para obrigá-lo a renunciar aos seus direitos nacionais legítimos, incluindo o direito de construir um Estado independente tendo como capital Jerusalém e o direito à autodeterminação.

O estado ocupante continua a cometer o crime de desaparecimento forçado, que é uma das faces da guerra genocida na Faixa de Gaza, em curso pelo nono mês consecutivo, resultando em cerca de 50 mil mártires e desaparecidos, e cerca de 86 mil feridos, entre eles cerca de 12 mil que necessitam urgentemente de tratamento fora da Faixa. Além disso, mais de 70% da Faixa de Gaza foi destruída.

Leia também | Amyra El Khalili: atual agressão do Estado Sionista à Palestina é ainda pior que a Nakba, de 1948

A Ocupação prossegue com a política de desaparecimento forçado contra o povo palestino, recusando-se a revelar a identidade dos seus detidos, as circunstâncias de suas detenções e, em caso de martírio de qualquer um deles, as circunstâncias do seu martírio, como ocorreu recentemente com os dois médicos Adnan Al-Barsh e Iyad Al-Rantisi, cujos martírios foram anunciados pela mídia israelense como ameaça à vida de mais de 310 detidos do corpo médico.

Vale mencionar que as forças de ocupação israelenses prenderam milhares de palestinos na Faixa de Gaza desde 7 de outubro passado. Relatórios e estatísticas de fontes ligadas à Ocupação indicam que suas forças prenderam cerca de 4 mil palestinos na Faixa de Gaza, dos quais cerca de 1.500 foram libertos. A administração prisional da Ocupação anunciou, no início deste mês de junho, a detenção de 899 prisioneiros que classifica como detidos ilegais, incluindo mulheres, crianças e idosos.

Leia também | Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel

Segundo testemunhos, o Estado ocupante não faz distinção ao prender entre crianças, idosos e mulheres durante sua guerra brutal na Faixa de Gaza, utilizando diversos métodos de tortura e maus-tratos contra os cidadãos palestinos e os colocando em centros de detenção e prisões secretas que lembram os campos de concentração nazistas.

É alarmante que o Estado ocupante, Israel, continue a cometer o crime de desaparecimento forçado contra os detidos da Faixa de Gaza, chegando ao ponto de cometer execuções sumárias e manipular o sistema judiciário para esse fim.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Relatórios e investigações da imprensa internacional e israelense revelaram o martírio de cerca de 36 detidos em suas prisões e campos, além de testemunhos chocantes de detidos libertados nos últimos meses, alguns dos quais sofreram amputações de membros devido à tortura e maus-tratos, como confirmado por um dos prisioneiros que perdeu a perna devido à tortura e negligência médica, resultando em gangrena e infecção.

Impunidade é sinal verde a Israel

A contínua incapacidade do sistema jurídico internacional em responsabilizar Israel por seus crimes contra o povo palestino e suas violações da Carta dos Direitos Humanos encoraja o Estado ocupante a persistir nos seus crimes, levando o sistema internacional à beira do colapso e substituindo o direito internacional pela lei da selva.

Tudo isso ocorre com o apoio de países ocidentais, liderados pelos Estados Unidos, que levantam o cartão vermelho contra qualquer tentativa de responsabilizar o Estado ocupante por seus crimes contra o povo palestino.

Leia também | Impunidade de Israel ameaça credibilidade da Justiça Internacional

Isso incentiva Israel a desconsiderar as resoluções da legitimidade internacional, o direito internacional e o direito internacional humanitário, assim como as ordens do Tribunal Internacional de Justiça que descrevem os acontecimentos na Faixa de Gaza como genocídio, exigindo sanções contra Israel e sua consideração como um estado pária.

O Tribunal Penal Internacional também classificou os acontecimentos na Faixa de Gaza como crimes de guerra e crimes contra a humanidade, colocando o tribunal e seu procurador-chefe, Karim Khan, diante de um verdadeiro teste de integridade ao emitir mandados de prisão contra o primeiro-ministro do estado ocupante, Benjamin Netanyahu, seu ministro da guerra, Yoav Galant, e todos aqueles cujo envolvimento em crimes de guerra for revelado pela investigação.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Wisam Zoghbour Diretor da Revista Liberdade de Gaza (Al-Hurriya) e membro do Secretariado-Geral do Sindicato dos Jornalistas Palestinos.

LEIA tAMBÉM

Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta
Afeganistão: os talibãs avançam rumo ao reconhecimento internacional
Afeganistão: talibãs ampliam cooperação e avançam para ganhar legitimidade internacional
Republicanos atraem voto latino para Trump em meio a ataques a imigrantes
Republicanos prometem 50% do voto latino enquanto líderes atacam imigração ilegal na convenção
China e Rússia iniciam manobras militares conjuntas em resposta à expansão da OTAN
Manobras militares China Rússia são uma resposta à expansão da Otan na Ásia