PxHere

Mulheres, escrevam! Como resistência ao patriarcado, quebremos as normas

Escrever é continuar abrindo o caminho para as que vêm atrás e tornar visíveis e exercer nossos direitos para mantê-los em vigor para as gerações vindouras

Ilka Corado

Diálogos do Sul Diálogos do Sul

Território dos EUA (Território dos EUA)

Manuela Sáenz continua a ser lembrada por sua relação sentimental com Simon Bolívar e não por sua façanha revolucionária. Relegá-la a ser a “libertadora do Libertador, e render-lhe honras por isso é uma terrível falta de respeito a seu legado de rebelião e feminismo, mas também é um exemplo muito claro do que faz o patriarcado com as mulheres, onde a ideologia não tem nada a ver

Em uma entrevista com Alice Munro, perguntaram se ela imaginou ganhar o Nobel um dia, ela respondeu que nunca, por ser mulher, embora, é claro, tenha havido mulheres que o venceram. Com essa resposta, Alice, uma dona de casa que se dedicou a escrever para matar o tédio de dias intermináveis no trabalho doméstico, deixou muito claro que somos mulheres em um mundo feito por homens para homens.

Virginia Woolf disse: "Atrevo-me a supor que o Anonymous, que escreveu tantos poemas sem assiná-los, era uma mulher". O filme, The Wife, estrelado pelo grande Glenn Close e baseado no romance do escritor Meg Politzer, demonstra magistralmente que as palavras de Virgínia, nada mais são do que a realidade de milhões de mulheres ao longo da história. Filmes como esse são feitos talvez a cada 30 anos, eu gostaria que eles fossem realizados com mais frequência para educar a sociedade, infestada de misoginia.

Na época, o filme Tomates Verdes Fritos (Fried Verde Tomatoes) causou medo por seu caráter de feminismo radical, empoderamento das mulheres e visibilidade homossexual, porque sim, o amor entre mulheres sempre existiu. Assim como também sempre existiram os padrões de criação impostos sob conceitos patriarcais e infestados de estereótipos que apedrejaram mulheres corajosas como Ninny (a encantadora das abelhas) que enfrentaram esse jugo e decidiram ser elas mesmas, mesmo que a punição seja a morte, na guilhotina ou na fogueira. 

Um sistema que cria mulheres como Idgie, com medo de sentir, de ser, de se render, porque é muito difícil quebrar a norma, deixar o jugo e seguir o fluxo até que mulheres como Ninny cheguem, que as impulsionam a serem elas mesmo. Amor é o que acontece com Evelyn, que quando conhece Ninny começa a se amar e a criar sua própria revolução em casa: nada como o amor-próprio para enfrentar o patriarcado e nada como união entre as mulheres para nos fortalecer. 

Graças a mulheres como Ninny, mulheres como Idgie conseguem sair do círculo da violência de gênero a tempo e conseguem salvar suas vidas e se reconstruir e também reconstruir suas famílias, se tiverem filhos, porque também sofrem sequelas emocionais.


O sistema nos educa como Idgie, algumas conseguimos se transformar como Evelyn e o ideal seria se tornar como Ninny. É um longo caminho, mas não é impossível viajar. Todas nós importamos, somos necessárias e devemos lutar de onde estivermos e com o que tivermos, se somos como Idgie, Evelyn ou Ninny. E uma forma de luta e resistência é fazer o que amamos, fazer o que amamos nos permite florescer, ficar de pé, levantar-se, andar, nos ver diante do espelho e nos encontrar.

Viver do que amamos é um privilégio muito caro que temos que pagar neste mundo, convulsionado por um sistema capitalista e neoliberal. Mas buscar alguns minutos do dia à queima-roupa, contra o vento e maré e fazer o que amamos deve ser nossa forma de encarar esse sistema que às mulheres nos maltrata o dobro por nosso gênero.

PxHere
Criar um diário e escrever todos os dias deve ser um hábito para todas as mulheres, desde criança.

O esporte foi proibido para as mulheres durante séculos, outras morreram e foram violadas, para que hoje tenhamos a oportunidade de nos exercitar. Devemos nos exercitar para nossa auto-estima, mas também como resistência, como uma luta contra o patriarcado.

Leia, leia, leia, a todo momento, um livro, uma nota de revista, um artigo, um poema, mas leia todos os dias, para todas aquelas que não puderam e morreram lutando para que possamos fazê-lo hoje.

Plantemos, pois, a experiência de plantar uma semente nos permite dar vida e não apenas porque essa é nossa missão de gênero, mas tocar a terra com as mãos nos ajuda a entender o amor que nossos ancestrais camponeses sentiram e a criar um vínculo inquebrável com nossos valores humanos, porque pertencemos à terra, não ela a nós.

A seiva da vida é dada pela mãe terra. Mas plantar, porque ninguém pode ficar deprimido ao ver uma flor em seu esplendor, plantar é um antídoto contra a depressão. E depois de fazer o que amamos, que nos nutre, que nos fortalece, devemos fazer o que é uma responsabilidade de gênero: escrever.

A palavra nos foi negada milenarmente, a escrita é uma maneira de quebrar a norma, de dar um passo, de avançar, de elevar a voz, de denunciar, da existência, do florescimento, da resistência e, também é uma maneira de tornar visível e honrar todas aquelas que o patriarcado através da história da humanidade vetou, negando seus direitos. E para todas aquelas que foram silenciadas pela força da tortura.

Escrever é continuar abrindo o caminho para as que vêm atrás, e isso é plantar uma árvore. É tornar visíveis e exercer nossos direitos para mantê-los em vigor para as gerações vindouras. Sem esquecer que muitas deram suas vidas para que tivéssemos a oportunidade de ter uma semente para plantar.

Ao escrever, podemos tornar visível que mulheres como Manuela Sáenz ainda estão na sombra do patriarcado. Podemos dizer que os dias chuvosos, em vez de ficarem tristes, como muitos acreditam, são dias de muita vida para o ecossistema e de tristeza nada têm. Ao escrever, podemos dizer como nos sentimos vivendo micro machismos todos os dias. Fale sobre a preparação de um bolo caseiro, fale sobre uma manhã ensolarada, sobre uma reunião de família, sobre nossas emoções, exponha nosso pensamento crítico.

Criar um diário e escrever todos os dias deve ser um hábito para todas as mulheres, desde criança.

Mulheres que estão a caminho de ser como Ninny precisam estender as mãos as que ainda estão no estágio de Idgie, de modo a transformá-las e, assim, ajudarem-se mutuamente nesse processo de resistência ao patriarcado.

O que vão escreverão hoje?

*Ilka Coradora é colaboradora da Diálogos do Sul, desde o território dos EUA.

**Tradução: João Baptista Pimentel Neto

Veja também




Comentários