Pesquisar
Pesquisar
Foto: Jeanne Menjoulet

Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular

Na opinião do líder francês, fazer aliança com campo progressista é apostar “nos extremos”
Armando G. Tejeda
Diálogos do Sul Global
Madri

Tradução:

Beatriz Cannabrava

O partido tradicional da direita francesa, Os Republicanos, na última quarta-feira (12) decidiu substituir seu líder, Éric Ciotti, por ter insinuado que estava disposto a chegar a uma aliança com a formação de extrema-direita Reagrupamento Nacional (RN), liderada por Marine Le Pen, para as eleições legislativas do próximo 30 de junho.

O possível pacto entre os conservadores clássicos com o partido ultranacionalista e eurocético foi chamado pelo presidente da França, Emmanuel Macron, como um “pacto com o diabo”.

Nas eleições do Parlamento Europeu em 9 de maio, a extrema-direita cresceu de forma esmagadora em todo o continente e na França e, em particular, as duas forças que defendem essa ideologia alcançaram 40% do eleitorado. Diante desses resultados, Macron dissolveu a Assembleia Nacional e convocou eleições antecipadas, nas quais serão renovados os deputados que escolherão, por sua vez, o primeiro-ministro e o futuro governo.

O até agora líder dos Republicanos, Ciotti, decidiu por iniciativa própria estender a mão a Le Pen, que aspira ser a força mais votada, para formar uma aliança com a qual aspiravam a fazer parte do futuro governo.

Mas o bureau político do partido democrata-cristão decidiu sua destituição, depois de uma série de acontecimentos extravagantes por parte de Ciotti, que decidiu se trancar na sede do partido para impedir sua destituição. O futuro do núcleo duro da formação, integrado por líderes regionais, em princípio rechaça a aliança com a extrema-direita de Le Pen. 

Macron arremeteu contra a possível aliança de Ciotti com Le Pen, e também contra o bloco das forças de esquerda para formar uma espécie de “frente popular”. Na sua opinião se trata de “aliança contranatura nos extremos”. Mas sobretudo assinalou a Ciotti, ao qual acusou de “pactuar com o diabo”. 

Macron também advertiu que ele pessoalmente não intervirá na campanha mais do que tem feito em eleições anteriores, que o protagonismo será do governo e dos partidos que o apoiam. Ele alertou que, com a extrema-direita, “estariam em perigo as aposentadorias, subiriam os tipos de interesse e se deterioraria a convivência com as pessoas de origem estrangeira”.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta
Afeganistão: os talibãs avançam rumo ao reconhecimento internacional
Afeganistão: talibãs ampliam cooperação e avançam para ganhar legitimidade internacional
Republicanos atraem voto latino para Trump em meio a ataques a imigrantes
Republicanos prometem 50% do voto latino enquanto líderes atacam imigração ilegal na convenção
China e Rússia iniciam manobras militares conjuntas em resposta à expansão da OTAN
Manobras militares China Rússia são uma resposta à expansão da Otan na Ásia