Pesquisar
Pesquisar
Foto: Steve Eason / Flickr

EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania

Manter Cuba na lista agrava o bloqueio econômico porque afeta o acesso do país caribenho à realização de importantes operações financeiras, econômicas e comerciais
Manuel Guerra
Prensa Latina
Lima

Tradução:

Ana Corbisier

Cuba continua padecendo a ofensiva estadunidense que pretende afogar o projeto independente, soberano e socialista iniciado com o triunfo da Revolução em 1° de janeiro de 1959.

O que o imperialismo norte-americano não pôde fazer por meio do intervencionismo armado, pretende conseguir com o bloqueio econômico, comercial e financeiro e com o isolamento e desprestígio de Cuba, catalogando-a como um país que patrocina o terrorismo.

Ambas as medidas têm como objetivo asfixiar Cuba, impedir seu desenvolvimento e o bem-estar da população, e promover o descontentamento social; tudo isso acompanhado de uma campanha midiática perversa.

Recentemente os Estados Unidos anunciaram a retirada de Cuba da lista de países que não cooperam plenamente com a luta contra o terrorismo, o que erroneamente pode ser interpretado como a retirada deste país da lista de nações que patrocinam o terrorismo.

Manter Cuba na lista de patrocinadores do terrorismo afeta o acesso do país caribenho à realização de importantes operações financeiras, econômicas e comerciais, agravando assim o bloqueio a Cuba que o Peru e demais países latino-americanos e caribenhos repudiam.

Correto seria que Cuba fosse retirada da lista de países que patrocinam o terrorismo. Todo o mundo sabe que Cuba sobressai como uma das nações mais solidárias do mundo, apesar das dificuldades econômicas que enfrenta.

O Peru sempre reconhecerá este país por seu apoio e solidariedade em momentos de grandes dificuldades, como nos desastres ocasionados pelos terremotos Huaraz (1970) e Ica (2007).

Contrariamente à propaganda ianque, Cuba, em vez de patrocinador, é vítima do terrorismo proveniente dos Estados Unidos. Não só do bloqueio inumano, como também de ações violentas que afetam a população civil.

Entre estas ações terroristas podem ser citados atentados contra cultivos, tentativas de magnicídio, ataques à aviação civil e outros crimes que realizam de maneira permanente, cínica e impune.

Os Estados Unidos fazem caso omisso da exigência mundial de que cesse esta política de agressão e ingerência em assuntos internos do imperialismo norte-americano contra Cuba.

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Manuel Guerra

LEIA tAMBÉM

Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
GSsXOjIXgAA0ChY
Gustavo Petro assina reforma da previdência para melhorar condições dos idosos na Colômbia
000_346Y7KJ
Eleição na Venezuela: chavismo aposta na mobilização social; oposição se anima com pesquisas eleitorais
20140517por-ramiro-furquim-6030
O que explica a baixa participação nas eleições primárias no Uruguai?