Pesquisar
Pesquisar
Foto: Reprodução / Facebook

Força popular contra golpismo: mais da metade da Colômbia apoia reformas de Petro

Governo Petro tem ainda imagem positiva de 42%, uma das mais altas entre os presidentes latino-americanos na metade do mandato
Alfredo Serrano Mancilla
Celag
Buenos Aires

Tradução:

Ana Corbisier

Segundo a última pesquisa da CELAG DATA na Colômbia (presencial, em todo o país com 2.036 casos), os cidadãos em sua maioria concordam com os eixos programáticos da Mudança que tem proposto seu presidente, Gustavo Petro.

Na área trabalhista, quase dois terços estão a favor de uma reforma que melhore as condições de trabalho. Nas aposentadorias, esta mesma porcentagem está a favor de uma reforma que garanta que todos os colombianos tenham direito a uma pensão por velhice, ainda que não tenham podido contribuir. Na saúde, a metade dos cidadãos está de acordo com a decisão de que o Estado intervenha nas EPS (40% estaria contra). Em relação ao preço das tarifas energéticas, quase 70% consideram que o Estado deve intervir e regulá-las. E, por último, 63% acreditam que é melhor substituir a exploração de petróleo e gás por energia renovável.

Leia também | “Saída do neoliberalismo”: Petro celebra aprovação da reforma da previdência na Colômbia

Petro está perto de completar seus dois primeiros anos como presidente e continua contando com um apoio majoritário a suas propostas, apesar do que pregam certos meios de comunicação, que continuam dissociados do que pensa o povo na rua.

Esta é sua maior força para manter esse nível de aprovação notável sobre sua gestão governamental (em geral, em economia e em políticas sociais); e, também em manter uma imagem positiva de 42% (que é das mais altas entre os presidentes latino-americanos a esta altura do mandato).

Leia também | Colômbia: Petro determina intervenção em gigante da saúde com contas suspeitas

Este valor contrasta com a baixa imagem positiva de todo o arco opositor. Uribe possui uma imagem favorável de 28% (61% de negativa); a jornalista Vicky Dávila tem uma imagem positiva de 23% (47% de negativa); e as senadoras María Fernanda Cabal e Paloma Valencia não chegam nem a 15%. A única com mais imagem positiva é a ex-prefeita de Bogotá, Claudia López, com 31%, mas vem perdendo fôlego há tempos.

Os cidadãos, quando consultados sobre qual é a verdadeira oposição ao atual Governo, continuam achando que é o uribismo (36%), seguido pelo poder econômico (13%) e alguns meios de comunicação (12%).

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

E, por último, é importante destacar outro aspecto crucial em relação às formas de agir da oposição: a maioria colombiana acredita em Petro quando este afirma que há setores que estão querendo dar um golpe brando contra ele (52,7%). Enfim, a força deste Processo de Mudança está na sintonia com demandas substanciais da sociedade.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Alfredo Serrano Mancilla Doutor em Economia e diretor do Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica (CELAG).

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela