Pesquisar
Pesquisar
Foto: Ron Lach / Unsplash

Frei Betto | Carta aos jovens internautas: não se deixem escravizar e iludir

Não existe almoço grátis; não se iludam com a ideia de que o computador ou o celular lhes custa apenas a taxa de consumo de energia elétrica
Frei Betto
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Sei que vocês passam longas horas no computador e/ou celular, navegam a bordo de todas as ferramentas disponíveis. Não os invejo. Na sua idade, eu me iniciava na militância estudantil e injetava utopia na veia. Já tinha lido toda a obra de Monteiro Lobato e me adentrava pelas obras de Jorge Amado, guiado pelo “Capitães de areia“.

A TV não me atraía e, após o jantar, eu me juntava à turma de rua, entregue às emoções de flertes juvenis ou sentava à mesa de uma lanchonete com meus amigos para falar de Cinema Novo, bossa nova – porque tudo era novo – ou das obras de Jean Paul Sartre.

Sei que a internet é uma imensa janela para o mundo e a história, e costumo parafrasear que o Google é meu pastor, se o acessar, nenhuma informação me há de faltar…

O que me preocupa em vocês é a falta de síntese cognitiva. Ao se postarem diante do computador ou ficarem presos ao celular recebem uma avalanche de informações e imagens, como as lavas de um vulcão se precipitam sobre uma aldeia. Sem clareza do que realmente lhes interessa, não conseguem transformar informação em conhecimento e entretenimento em cultura. Vocês borboleteiam por inúmeros nichos, enquanto a mente navega à deriva qual bote sem remos jogado ao sabor das ondas.

Quanto tempo perdem percorrendo nichos de conversa fiada? Sim, é bom trocar mensagens com os amigos. Mas, no mínimo, convém ter o que dizer e perguntar. É excitante enveredar-se pelos corredores virtuais de pessoas anônimas acostumadas ao jogo do esconde-esconde.

Cuidado! Aquela garota, aquele jovem que os fascina com tanto palavreado picante talvez não passe de um velho pedófilo que, acobertado pelo anonimato, se fantasia de beldade ou um galanteador.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Desconfiem de quem não tem o que fazer, exceto entrincheirar-se horas seguidas na digitação compulsiva à caça de incautos que se deixam ludibriar por mensagens eróticas.

Façam bom uso da internet. Usem como ferramenta de pesquisa para aprofundar seus estudos; visitem os nichos que emitem cultura; conheçam a biografia de pessoas que admiram; saibam a história do time preferido; vejam as incríveis imagens do Universo captadas pelo telescópio Hubble; ouçam sinfonias e música pop.

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

Mas fiquem alertas à saúde! O uso prolongado do computador ou do celular pode causar-lhes lesão por esforço repetitivo (ler) nas mãos e torná-los sedentários, obesos, sobretudo se ao lado do teclado mantêm uma garrafa de refrigerante e um pacote de batatas fritas…

Estamos no Telegram! Inscreva-se em nosso canal.

Cuidem da vista, aumentem o corpo das letras, deixem seus olhos se distraírem periodicamente com alguma paisagem que não seja a que o monitor ou a tela do celular exibe.

E prestem atenção: não existe almoço grátis. Não se iludam com a ideia de que o computador ou o celular lhes custa apenas a taxa de consumo de energia elétrica, as mensalidades do provedor ou da operadora e do acesso à internet. O que mantém em funcionamento esta máquina na qual divulgo este artigo é a publicidade. Reparem como há anúncios por todos os cantos! São eles que bancam o Google, as notícias, a Wikipédia, etc. É a poluição consumista mordiscando o nosso inconsciente.

Que tal acompanhar nossos conteúdos direto no WhatsApp? Participe da nossa lista de transmissão.

Não se deixem escravizar pelo computador e o celular. Não permitam que roubem seu tempo de lazer, de ler um bom livro (de papel, não virtual), de convivência com a família e os amigos. Submeta-os à sua qualidade de vida. Saibam fazê-los funcionar apenas em determinadas horas do dia. Vençam a compulsão provocada em muitas pessoas.

E não se deixem iludir. Jamais a máquina será mais inteligente que o ser humano. Contém milhares de informações, mas nada sabe. É capaz de vencê-lo no xadrez – porque alguém semelhante a você e a mim a programou para jogar. Exibe os melhores filmes e nos permite escutar as mais emocionantes músicas, mas nunca se deliciará com o amplo cardápio que nos oferece.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Se preferem máquinas às pessoas e as usam como refúgio de sua aversão à sociabilidade, devem procurar um médico. Porque sua autoestima está lá embaixo. Ou atingiu os píncaros e vocês acreditam que não existem pessoas à sua altura, melhor ficar sozinho.

Nas duas hipóteses vocês estão sendo canibalizados pelo computador e/ou o celular. E, aos poucos, se transformarão em seres meramente virtuais. O que não é uma virtude. Antes, é a comprovação de que já sofrem de uma doença grave: a síndrome do onanismo eletrônico.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Frei Betto Escritor, autor de “Cartas da prisão” (Companhia das Letras); “Batismo de sangue” (Rocco); e “Diário de Fernando – nos cárceres da ditadura militar brasileira” (Rocco), entre outros livros 74 livros editados no Brasil, dos quais 42 também no exterior. Você poderá adquiri-los com desconto na Livraria Virtual – www.freibetto.org. Ali os encontrará a preços mais baratos e os receberá em casa pelo correio.

LEIA tAMBÉM

10259
A epopeia da Marselhesa: hino da revolução francesa
Octavio_Brando
O marxismo de Octávio Brandão, um barbeiro e trabalhador itinerante
Jose_Marti_Ismaelillo
Ismaelillo: o legado poético de Martí e sua relevância na América Latina
Gibiteca Balão - Foto Equipe atual e antigos integrantes_foto de João Martins_JUNHO 2024
10 anos de Gibiteca Balão: refúgio de cultura e inclusão na periferia de São Paulo