Pesquisar
Pesquisar

Já é hora de proclamar os EUA como "Estado pária" perante a comunidade internacional?

Levando em conta o direito internacional, Washington é hoje cúmplice de crimes de guerra e está sujeito a um encontro no banco dos réus em Haia
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Quando o governo de Israel declarou que iniciaria uma campanha de bombardeio intensivo de Gaza que implicava nada menos que matar crianças (a metade da população palestina em Gaza é menor de idade), Washington ofereceu as bombas. Os Estados Unidos são agora, por definição sob as normas de leis internacionais, cúmplices em crimes de guerra e sujeitos a um encontro no banco de acusados em Haia.

Mas isso supõe que Washington aceita para si mesmo as normas internacionais supostamente sagradas que tanto usa para condenar outros regimes.

Assista na TV Diálogos do Sul

Resoluções para um cessar-fogo em Gaza no Conselho de Segurança, o órgão supremo da ONU, também foram vetadas repetidamente pelos Estados Unidos nas últimas semanas, com Washington insistindo que não apoia um cessar-fogo e reiterando o direito de autodefesa de Israel.

Nunca mencionou o direito dos palestinos de autodefesa ante o que grande parte do mundo considera a maior prisão do mundo imposta por Israel há 16 anos sobre 2 milhões de palestinos em Gaza, nem tampouco o que autoridades internacionais caracterizam com um sistema de apartheid.

Cannabrava | Genocídio em Gaza

Palestina não é o único assunto em que Washington recusou reconhecer as normas e o voto da comunidade internacional. Há uns dias, pela trigésima primeira vez, a Assembleia Geral da ONU qualificou o bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba como ilegal.

Não foi um voto fechado, mas sim de 187 países contra 2 (Estados Unidos e Israel). Nem a Ucrânia, que foi proclamada como aliada heroica dos Estados Unidos ao defender-se das ações “ilegais” da Rússia, votou com Washington (se absteve).

Continua após o banner

A história de atos de violência ilegais no âmbito internacional por Washington é talvez mais extensa que a de qualquer outro país desde a Segunda Guerra Mundial e inclui a guerra contra o Iraque baseada em argumentos falsos, lançada apesar de não ser autorizada pela ONUdrones, em vários países sob o rubro da “guerra contra o terror”, o uso da tortura em lugares clandestinos, invasões de Panamá e Granada, intervenções e ações clandestinas contra Cuba e vários países latino-americanos e talvez o maior crime dessa era, a guerra no Vietnã – a lista continua. 

Levando em conta o direito internacional, Washington é hoje cúmplice de crimes de guerra e está sujeito a um encontro no banco dos réus em Haia

AbrilAbril
Os EUA se negam a ratificar uma série de tratados, como o Estatuto de Roma e convenções de proteção a mulheres e crianças




Isentos

O autoproclamado guardião mundial da liberdade, dos direitos humanos e da “democracia”, que advertiu uma vez que os violadores de sua ordem internacional serão submetidos a sanções, julgamentos e castigos, deixou claro que os Estados Unidos são isentos de tudo isso.

Washington nunca ratificou o Estatuto de Roma que estabelece o Tribunal Internacional Penal, e alguns de seus governos, mais recentemente o de Trump, declararam que nenhum funcionário ou militar estadunidense será submetido a essa instância, e até ameaçando o uso de força se alguém o tentar. Até o presente, é o único país que rechaçou uma decisão contra ele pela Corte Internacional de Justiça (por seus atos ilegais contra a Nicarágua).

Mundo já percebe que EUA são responsáveis pelo massacre em Gaza, aponta historiador

Os Estados Unidos tampouco ratificaram várias das principais leis e convenções internacionais, tal como a Convenção sobre a Eliminação da Descriminação contra as Mulheres, a Convenção sobre os direitos das crianças, e nas convenções que ratificou, quase sempre o fez incluindo causas que diluem suas obrigações.

“O desprezo pela lei internacional – exceto como uma arma contra inimigos – apenas se esconde. É reformulado como uma demanda para uma ‘ordem internacional baseada em regras’ onde o Padrinho (EUA) estabelece as regras para superar a ordem internacional arcaica baseada na ONU”, comentou Noam Chomsky em entrevista em 2020.

Há anos o filósofo resumiu a postura dos Estados Unidos ante a chamada lei internacional: “Quando os outros fazem, é crime. Quando nós fazemos, não é”. 

Diante de tudo isto, não é hora de proclamar os Estados Unidos como “Estado pária” entre a comunidade internacional?

David Brooks | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

53786991212_4b3980fd74_b
Atentado contra Trump: mártir ou estratégia política?
Children-in-the-ancient-castle
Campos de deslocados superlotados e sem escolas: o drama das crianças sírias vítimas da guerra
image_processing20230220-32601-edz3w3
Tensões globais: Otan expande infraestrutura militar em direção a Ucrânia e Rússia e enfurece Kremlin
president-trump-delivers-remarks-to-the-venezuelan-american-community-91d4cb-1024
Atentado contra Trump: desobediência civil e resistência são únicos caminhos para a mudança nos EUA