Pesquisar
Pesquisar

Jornalista lança livro-denúncia da situação de camponeses perseguidos no Paraguai

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

O jornalista Leonardo Wexell Severo, colaborador da Revista Diálogos do Sul e redator-especial do Hora do Povo, lança na sexta-feira (27), na livraria Martins Fontes da Avenida Paulista, o seu mais recente livro: “Curuguaty – O combate paraguaio por Terra, Justiça e Liberdade” (Editora Papiro, 100 páginas, R$ 20).

Valdo Majors*

Nesta entrevista, o autor faz uma análise da campanha internacional pela libertação dos camponeses de Curuguaty, condenados a até 35 anos de prisão por crimes que não cometeram, e do papel da solidariedade, que não considera somente “a mais bela das palavras” como “a única ação capaz de pressionar e fazer com que se faça justiça no país vizinho”. Ele ressalta que, “sem ampliarmos a mobilização internacional, Néstor Castro, Rubén Villalba, Luis Olmedo e Arnaldo Quintana continuarão pagando o preço de terem se insurgido contra a injustiça”.

Valdo Majors: Depois de quase dois anos, voltas a bater na tecla de Curuguaty. Qual a diferença de seu primeiro livro sobre o tema, “Curuguaty, carnificina para um golpe — O povo paraguaio em luta pela democracia e a soberania” (Editora Papiro, 210 páginas)?

Leonardo Wexell Severo: O fato é que esgotada a primeira edição do primeiro livro de abertura sobre o tema, me encontrei frente a um dilema. Na publicação anterior, havia sistematizado o que vi e ouvi ao longo dos anos em que participei como Observador Internacional do caso no Tribunal de Sentenças de Assunção, nas marchas, protestos e dezenas de encontros, para denunciar uma brutal injustiça. Agora, havia sido decidida uma pena completamente absurda e era preciso calibrar a pontaria para contribuir na campanha pela libertação imediata das vítimas, fortalecida com o recente projeto de Anistia. Nas palavras da deputada Rocio Casco, autora do projeto, os camponeses são presos políticos, “vítimas da corrupção e do tráfico de influência que dirigiram uma condenação anunciada, num julgamento de hipóteses fantasiosas em que as verdadeiras provas desapareceram”.

Qual foi o principal esforço?

Leonardo Wexell Severo: Foi necessário atualizar, de forma simples e direta, o trabalho de denúncia feito em mais de meia década sobre o que ocorreu em Marina Kue, Curuguaty, em 15 de junho de 2012. Ali houve um sangrento confronto provocado por mercenários, por franco-atiradores que invadiram aquele pequeno acampamento, e que levou à morte de seis policiais e 11 sem-terra e, em decorrência do acontecido, à deposição do ex-presidente Fernando Lugo uma semana depois. Era preciso auxiliar, com mais eficiência, para fortalecer a rede de solidariedade aos camponeses presos, vergonhosamente sentenciados a penas de até 35 anos de cárcere. Como impedir que se perpetue esta terrível barbárie, cometida contra seres humanos cujo único “crime” foi o de lutar pela reforma agrária e conquistar uma terra para plantar e colher?

Havia muitos pingos para colocar nos is…

Leonardo Wexell Severo: Como não condenar o atropelamento do rito processual pelo juiz Ramón Zelaya, cujo patrimônio registrou um “extraordinário crescimento” pelas relações promíscuas com narcotraficantes e setores que dominam o negócio ilegal na fronteira, como reconhece até mesmo a imprensa reacionária? Vale ou não lembrar a postura mais do que tendenciosa do promotor Jamil Rachid, cuja intimidade com a família do milionário Blas Riquelme, que se diz proprietária da área em disputa, o fez ser nomeado vice-ministro da Segurança? Como não registrar que, nesse ministério, Jalil foi o chefe direto dos policiais, enquanto ainda faltavam ser ouvidas 80% das testemunhas? E o que dizer da influência da sua tia Leila Rachid, assessora do presidente Horacio Cartes na hidrelétrica de Itaipu?

Repercuto as palavras do repórter investigativo, professor da Universidade de Assunção e Prêmio Nacional de Jornalismo, Miguel H. López: “este é um juízo prostituído, negligente, ilegal e arbitrário, questionado até por organismos das Nações Unidas”.

E como encaixar a campanha pela libertação dos presos políticos junto aos movimentos sindical e popular?

Leonardo Wexell Severo: É preciso exortar à reflexão sobre a execrável manipulação feita pelos conglomerados privados de comunicação contra a verdade dos fatos, em prol do latifúndio e das grandes empresas nacionais e estrangeiras. Então, como não denunciar a ação do grande capital por trás do imenso manto de silêncio? E o que dizer da participação estadunidense, com a presença das suas Forças Especiais in loco para treinar as tropas no combate à contra-insurgência, preparando o envio de soldados paraguaios à Colômbia e incentivando a “parceria” para a construção de bases estrangeiras? Sobre este ponto em especial, é esclarecedor o recente “acordo” anunciado pelo governo de Maurício Macri para a instalação, na Argentina, de uma base estadunidense na província de Missiones, na tríplice fronteira com Brasil e Paraguai.

A receita de Washington é para que abramos mão por completo da nossa soberania e passemos a fazer com que as Forças Armadas se dediquem — se possível, exclusivamente — a combater a banda do narcotráfico que não lhe atende. Ou a CIA pensa em apagar da memória coletiva o tráfico de ópio e heroína na China, com que impulsionava os anticomunistas do Kuomintang na luta contra o exército popular de Mao Tsé-Tung? Os EUA querem simplesmente fazer desaparecer as montanhas de cocaína com que financiaram e armaram os “contras”, no enfrentamento aos Sandinistas na Nicarágua? E o papel de meretrício assumido por um parlamento e um judiciário completamente corrompidos, caninamente adestrados ao poder por anos de submissão à ditadura pró-ianque de Alfredo Stroessner (1954-1989)?

O livro denuncia a manipulação dos grandes conglomerados privados de comunicação em favor do grande capital, em particular dos latifundiários, mostra como os seus interesses caminham interligados…

Leonardo Wexell Severo: Isto está claro para mim e ficará evidente para o leitor. Nos dias em que os paraguaios relembravam com vibrantes manifestações os cinco anos da carnificina de Curuguaty, as reportagens desviavam o olhar. Destacavam a loucura de mães desesperadas diante de inomináveis tragédias pessoais. Uma senhora que, após acionar a seguradora do carro pelo desaparecimento do veículo, recebeu o corpo do filho, cravejado de balas, confundido com o ladrão. Outra que, enlouquecida, se desfez do bebê, recém-parido, jogando-o nas águas de uma lavadora de roupas. Há um esforço enorme da grande mídia para confundir, desorientar, manipular, como no Brasil. Daí a importância da imprensa democrática, popular, alternativa, que infelizmente veio sendo asfixiada ao longo dos últimos anos em que tivemos muita retórica e tão parcos recursos para enfrentar os nossos inimigos no campo político e ideológico.

Como nasceu este livro?

Leonardo Wexell Severo: Este livro nasceu frente a tantos e tão descarados esforços dos vendilhões da Pátria, sabotadores da integração latino-americana, em embutir a descrença na nossa capacidade individual e coletiva de identificação com os demais para conquistar a nova realidade. Ele foi publicado em artigos e reportagens na Revista Diálogos do Sul, nos jornais Hora do Povo e Brasil de Fato, e na Agência Carta Maior. Sem a parceria da nossa imprensa democrática e o apoio do Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo (CPC-UMES), esta empreitada teria sido impossível.

Tens citado bastante o célebre jornalista argentino Rodolfo Walsh, assassinado pela ditadura em seu país. É uma frase em que ele compara pessoas deixadas à margem, da mesma forma que os camponeses de Curuguaty se encontram jogados no presídio de Tecumbú, em Assunção. Poderias repetir a frase?

Leonardo Wexell Severo: Tenho dito que é como se Rodolfo Walsh gritasse para a história. O jornalista argentino alertou em “Quem matou Rosendo”: “Para os jornais, para a polícia, para os juízes, estas pessoas não têm história, têm prontuário; não os conhecem os escritores nem os poetas; a justiça e a honra que lhes são devidas não cabem nestas linhas. Algum dia, no entanto, resplandecerá a beleza de seus feitos e de tantos outros, ignorados, perseguidos e rebeldes até o fim”.

O que é Curuguaty, o combate paraguaio por Terra, Justiça e Liberdade?

Leonardo Wexell Severo: É uma resposta contundente deste povo irmão, que se empenha em virar a página de submissão e subdesenvolvimento e construir um novo destino. Somando a seu lado, enfrentando os desafios da batalha pela verdade, dei minha modesta contribuição como amigo e companheiro nesta caminhada.

 

Serviço:

Lançamento do livro

Curuguaty, o combate paraguaio por Terra, Justiça e Liberdade

Data: 27 de abril, sexta-feira,

Horário: das 18h30 às 21h30

Local: Livraria Martins Fontes — Avenida Paulista, 509, ao lado da estação de metrô Brigadeiro

Obs: Convênio com estacionamento: Rua Manoel da Nóbrega, 88 ou 95. Primeira hora R$7,00 nas compras acima de R$ 10,00.

Sobre o autor

Leonardo Wexell Severo é gaúcho de Rosário do Sul, colorado e corintiano. Redator-especial do jornal Hora do Povo, colaborador da Revista Diálogos do Sul e da Agência Latino-Americana de Informação (Alai). Bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Santa Maria-RS, cursou Política e Economia na Escola Júlio Antonio Mella, em Havana-Cuba, sendo pós-graduado em Política Internacional pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo. É autor dos livros “Bolívia nas ruas e urnas contra o imperialismo” (Editora Limiar, 2008), “Latifúndio Midiota – Crimes, crises e trapaças” (Editora Papiro, 2012), “A CIA contra a Guatemala – Movimentos sociais, mídia e desinformação” (Editora Papiro, 2015) e “Curuguaty, carnificina para um golpe – O povo paraguaio em luta pela democracia e a soberania” (Editora Papiro, 2016).

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela