Pesquisar
Pesquisar
Registro é de 2013 e mostra a então situação de fome na região de Darfur, no Sudão (Foto: Albert González Farran / UNAMID)

Limpeza étnica e bola de barro para saciar a fome: entenda a crise em Darfur, no Sudão

Organizações internacionais alertam que o Sudão pode enfrentar uma fome não vista há décadas; 200 mil já morreram devido aos conflitos desde abril de 2023
Guadi Calvo
Rebelión
Buenos Aires

Tradução:

Ana Corbisier

Desde novembro último, a cidade de el-Fasher, a capital do estado de Darfur do Norte, no Sudão, encontra-se bloqueada no norte e noroeste pelo grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (FAR), o que está provocando uma grave crise humanitária no interior da cidade, devido à escassez de alimentos e medicamentos, o que provoca o aumento dos preços dos poucos produtos que ainda estão disponíveis nas lojas da capital provincial.

A esta realidade soma-se a chegada nos últimos meses a el-Fasher de milhares de deslocados provenientes de toda a região, fundamentalmente da cidade de Nyala, capital de Darfur do Sul, distante cerca de 180 quilômetros, que os paramilitares tomaram em novembro do ano passado. O que eleva o número total da população para mais de 600 mil civis.

Leia também | Após 1 ano em guerra, Sudão sofre com maior crise de deslocamento forçado e fome do mundo

El-Fasher é a última capital, das cinco províncias que formam a região de Darfur, que ainda se encontra sob o controle das Forças Armadas do Sudão (FAS), apoiadas neste caso pelo grupo de autodefesa conhecido como Força de Proteção Conjunta de Darfur, composta por milicianos das diferentes organizações irregulares que surgiram ao longo deste último ano de guerra para resistir aos avanços das FAR. Além disso, os paramilitares de origem árabe estão realizando uma limpeza étnica contra as populações negras, repetindo o genocídio de 2003 a 2008 em todo o Darfur. Enquanto isso, os habitantes das localidades próximas, praticamente sem proteção nenhuma, antes que o assalto final aconteça, fugiram sem rumo fixo, somando-se aos dez milhões de deslocados internos gerados pelo conflito.

Leia também | “Catástrofe geracional”: 14 milhões de crianças no Sudão precisam de ajuda urgente

Fontes locais em 4 de maio concordaram em denunciar que a situação humanitária se agravou de maneira já crítica. Em particular pelo estado dos hospitais, o que já provocou o fechamento de pelo menos dois dos principais, o Sayed El Shuhada e o Abu Shouk Hilla, por carecerem de energia e insumos.

Devido ao assédio dos paramilitares, só 2% das necessidades médicas e alimentares da cidade de el-Fasher puderam ser abastecidas pelos comboios que chegaram depois de atravessar não só o bloqueio das FAR, como também superar os contínuos assaltos e saques que estes transportes sofrem em todas as estradas do país, já não apenas nas mãos das próprias FAR e dos diferentes grupos de irregulares que, como em Darfur, também surgiram em praticamente todas as regiões do país, como também de gangues criminosas e de moradores em geral que, no desespero, não tem outro remédio senão apelar ao roubo.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Os trajetos de entre 1.500 e 2 mil quilômetros que esses comboios devem fazer desde Porto Sudão, no mar Vermelho, que é agora o centro de concentração de toda a ajuda internacional, em uma viagem que pode demorar até 40 dias, devido às constantes paradas em busca de permissões de passagem pelas diferentes jurisdições, que ao capricho da guerra mudam de mãos constantemente.

Recentemente, no final de abril, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) expressou “sua profunda preocupação com os enfrentamentos em curso e a catástrofe humanitária relacionada a el-Fasher”, pedindo a ambas as partes que detenham imediatamente os ataques à cidade. Nesta mesma direção vai o pedido de líderes da tribo Zaghawa, a etnia mais perseguida pelas FAR, ao presidente chadiano, o general Mohamed Idris Déby, para que atue como mediador entre as duas forças que disputam el-Fasher, e se evite o assalto final das FAR, o que significaria um massacre que duplicaria o número total de mortos desde que começou a guerra em abril do ano passado e que já se aproxima dos 200 mil (Ver: Etiópia: Sudão, uma guerra sem horizonte.)

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

Enquanto o exército conduzido pelo general Abdul Fattah al-Burhan e os paramilitares do pseudo general Mohamed Hemetti Dagalo continua aprofundando o conflito, com recursos que parecem infinitos, a situação nos campos de refugiados se agrava, a ponto de que já existem denúncias, por exemplo, de que em al-Lait, no norte de Darfur, começaram a comer terra, amassando uma bola para depois engoli-la com água. O acampamento de al-Lait é apenas um dos 13 que existem no norte de Darfur, onde se calcula que estariam vivendo a mesma situação.

Comendo as sementes

Em Darfur ocidental, a crise alimentar obrigou os camponeses, cujos plantios foram roubados e destruídos pelas FAR, a alimentarem-se com as sementes que tinham reservado para a futura semeadura. Em Kordofán, uma região situada praticamente no centro do país, os moradores viram-se obrigados a vender todos os seus bens para comprar alimentos e remédios. Enquanto isso, em alguns bairros de Cartum, a capital do país, muitas pessoas sitiadas em suas casas estão se alimentando com folhas de árvores que fervem para torná-las mais comestíveis.

A esta situação foram reduzidos praticamente os cinquenta milhões de sudaneses, ainda que se calcule que há cerca de 20 milhões que já se encontram em “estado de fome”. Calcula-se que a guerra reduziu a produção de cereais básicos como trigo, sorgo e milheto quase em 80% em comparação com a média dos cinco anos anteriores.

Estamos no Telegram! Inscreva-se em nosso canal.

Diferentes organizações internacionais concordaram em que a crise alimentar já não pode ser contida e que estão dadas as condições para que no Sudão estoure uma fome que há décadas não se vive. Segundo a classificação da Rede de Sistemas de Alerta Precoce contra a Fome (FEWS NET), o termo fome se aplica quando a área tem níveis extremos de desnutrição aguda e de mortalidade.

A maioria destes dados não puderam ser atualizados devido aos constantes cortes de energia, telefonia e internet que ocorrem em diferentes áreas do país, e ainda mais quando em algumas há meses estes serviços nunca foram retomados. Do oeste do Sudão, milhares de cidadãos de Darfur escaparam para a Líbia e o Chade, onde todos os acampamentos para refugiados estão superlotados e a ajuda é em todos os casos insuficiente.

Guerra ao refugiado

Enquanto ao longo de todo o país repetem-se situações como a de el-Fasher, onde os combates se multiplicam e o número de baixas aumenta a cada dia, tanto pela violência como pela fome e as enfermidades, a situação dos que tiveram a “sorte” de escapar do país não é muito melhor: já analisamos o quadro de perseguição que vivem as centenas de milhares de sudaneses que conseguiram chegar ao Egito.

O quadro da situação para aqueles que cruzaram para a Etiópia não é muito melhor. Soube-se que em 1º de maio mais de mil dos 8 mil residentes do campo de Kumer, administrado pelas Nações Unidas na região etíope de Amhara no norte do país, a cerca de 70 quilômetros da fronteira com o Sudão e onde neste momento estão ocorrendo violentos enfrentamentos entre as milícias locais e as forças federais de Adis Abeba – que já deixaram mais de 300 mortos – tiverem que escapar depois de ter sofrido ataques e roubos por parte das milícias locais.

Leia também | Fugir da guerra para passar fome nos países vizinhos: o martírio dos refugiados do Sudão

A Agência para Refugiados das Nações Unidas (ACNUR) confirmou a notícia, que não foi comentada nem por Adis Abeba, nem pela administração regional de Amhara, nem pela polícia federal, nem pela agência nacional para os refugiados.

Dos cerca de dois milhões de sudaneses que escaparam do país desde que começou a guerra civil, cerca de 35 mil refugiaram-se na Etiópia, onde como no acampamento de Kumer enfrentam situações de extrema insegurança que foi aumentando no decorrer dos meses. Os refugiados denunciaram sequestros reclamando-se resgates quase impossíveis de pagar, assim como assassinatos, roubos e múltiplas violações.

Que tal acompanhar nossos conteúdos direto no WhatsApp? Participe da nossa lista de transmissão.

Pelo visto, a guerra que começou em abril do ano passado entre as Forças Armadas Sudanesas (FAS) o exército regular e a organização paramilitar Forças de Apoio Rápido, (FAR) escolheram como alvo favorito para provar suas destrezas bélicas a população civil que, se não matam por violência, aniquilam pela fome.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Guadi Calvo

LEIA tAMBÉM

Captura de Tela 2024-07-19 às 20.44
Migrantes enfrentam tragédias em alto-mar: histórias de desespero e sobrevivência nas Ilhas Canárias
Como o acordo frustrado para enviar migrantes do Reino Unido a Ruanda beneficiou o Governo autoritário de Kagame
Acordo cancelado: Ruanda transforma fundos britânicos de deportação em investimentos para o país
Jorge Glas
Equador: estado de Jorge Glas é "extremamente grave" e prisão constitui "tortura", alerta defesa
Ossos-LWSB
Junto à fábrica de munições construída por Israel na Guatemala, o maior centro de extermínio do país