Pesquisar
Pesquisar

Lula se une a apelo por liberdade a Assange: "Que seja solto de sua injusta prisão"

Segundo o Wikileaks, novo presidente "há muito fala abertamente sobre a ilegalidade da prisão(...) e a tentativa de extradição pelos EUA"
Redação Brasil de Fato
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu a libertação do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, após reunião com Kristinn Hrafnsson, editor-chefe do site, e com Joseph Farrell, embaixador da organização, nesta segunda-feira (28), em Brasília.

Em seu perfil no Twitter, Lula afirmou que foi informado da situação de saúde e da luta por liberdade de Assange. “Pedi para que enviassem minha solidariedade. Que Assange seja solto de sua injusta prisão”, escreveu.

Em nota, o WikiLeaks informou que Lula “há muito fala abertamente sobre a ilegalidade da prisão de Julian Assange e a tentativa de extradição pelos Estados Unidos. Na reunião, o presidente Lula reiterou seu contínuo apoio a Julian Assange e seu desejo de vê-lo livre”.


Veículos pedem anulação das acusações

No mesmo dia, alguns dos principais veículos de imprensa do mundo pediram ao governo dos Estados Unidos a anulação das acusações contra Assange. Em carta, os veículos afirmam que o processo movido pelos EUA contra o ativista prejudica a liberdade de imprensa.

“Obter e divulgar informações sigilosas quando necessário para o interesse público é parte essencial do trabalho diário dos jornalistas. Se esse trabalho for criminalizado, nosso discurso público e nossas democracias ficarão significativamente mais fracos. Doze anos após a publicação de “Cablegate”, é hora de o governo dos EUA encerrar o processo contra Julian Assange por publicar segredos. Publicar não é crime”, afirmam em carta.


Segundo o Wikileaks, novo presidente "há muito fala abertamente sobre a ilegalidade da prisão(...) e a tentativa de extradição pelos EUA"

Reprodução/Twitter
Lula ao lado de Kristinn Hrafnsson e Joseph Farrell, respectivamente editor-chefe e editor, do Wikileaks

O documento foi publicado pelos seguintes veículos: o jornal britânico The Guardian, o estadunidense The New York Times, o espanhol El País, o francês Le Monde e a revista e portal da Alemanha Der Spiegel.

Os cinco veículos de comunicação foram escolhidos para publicar o material – mais de 250 mil documentos – fornecido pela Wikileaks entre 2010 e 2011 sobre abusos de militares dos EUA no Iraque.


Acusações

Contra Assange pesam 18 acusações de espionagem nos Estados Unidos, após ter divulgado, em 2010, informações sigilosas sobre atividades diplomáticas e militares estadunidenses. Entre as revelações, o site WikiLeaks publicou um manual de tortura do Exército dos EUA utilizado no centro de detenção Guantánamo.

Assange também tornou público o registro de vítimas na Guerra do Iraque, no qual os EUA reconhecem que 60% dos mortos foram civis. Um dos vazamentos que mais chocou o mundo foi a publicação de um vídeo no qual iraquianos são atacados com armas de fogo por um helicóptero americano, no dia 12 de julho de 2007.

Hoje Julian Assange está detido em uma prisão britânica desde 2019, sob a ameaça constante de extradição para os Estados Unidos, onde pode ser condenado a cumprir até 175 anos de prisão.

Liberdade a Assange: carta de grandes jornais a Biden soa como retratação; entenda

Antes, Assange ficou na Embaixada do Equador no Reino Unido de 2012 até 2019, quando o país latino-americano revogou seu asilo e as autoridades britânicas o prenderam. 

Em junho deste ano, a ministra do Interior do Reino Unido, Priti Patel, autorizou a extradição de Assange. A defesa do jornalista, no entanto, entrou com um recurso contra a extradição, que pode ser julgado a qualquer momento.

Redação | Brasil de Fato
Edição: Vivian Virissimo


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Brasil de Fato

LEIA tAMBÉM

Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos