Pesquisar
Pesquisar
Maud Pezeshkian, Mohamad Baqer Qalibaf, Mostafa Pourmohamadi e Said Yalili (Fotos: Governo do Irã)

Mais de 61 milhões de iranianos vão às urnas nesta sexta (28); veja o que pensam os candidatos

Quinto e último debate antes das eleições presidenciais antecipadas no Irã, que acontecem nesta sexta-feira (28), foi realizado na tarde da última terça (25).
Alireza Akbari
HispanTV
Teerã

Tradução:

Guilherme Ribeiro

Nota: os candidatos Amir-Hossein Qazizade Hashemi e Alireza Zakani deixaram a disputa presidencial respectivamente nesta quarta (26) e quinta-feira (27).

* * *

O quinto e último debate televisionado antes das eleições presidenciais antecipadas de 28 de junho no Irã foi realizado na tarde desta terça-feira (25) com a participação de seis candidatos que competem pelo cargo máximo do executivo. Mais de 61 milhões de eleitores vão às urnas.

O tema do debate foi tornar o governo eficiente, e vem após outros quatro debates realizados na semana passada que se concentraram em temas de política econômica, social, cultural e externa.

Leia também | Multipolaridade, Palestina, EUA: morte de Raisi pode alterar política internacional do Irã?

O debate foi aberto com as declarações do Líder da Revolução Islâmica, o aiatolá Seyed Ali Jamenei, que enfatizou a importância da “integridade moral” entre os seis candidatos presidenciais.

Durante o debate dividido em três segmentos, os candidatos participaram de interessantes discussões sobre estratégias socioeconômicas nas duas primeiras partes, e o segmento final proporcionou a cada candidato seis minutos para fazer seus comentários finais, fazendo o último esforço para conquistar o eleitorado.

Políticas sociais

No segmento inicial do debate presidencial de terça-feira, a atenção se concentrou principalmente nas prioridades econômicas dos candidatos para atender às expectativas, e cada candidato aproveitou a oportunidade para delinear sua visão de crescimento econômico, oferecendo um vislumbre de suas estratégias para abordar questões urgentes.

Amir Hosein Qazizade Hashemi, ex-legislador e diretor da Fundação de Assuntos de Mártires e Veteranos, enfatizou a importância da prestação de assistência social e da expansão econômica como soluções-chave para os desafios econômicos da nação. Ele detalhou seu plano para igualar os salários com as crescentes taxas de inflação, apoiar as iniciativas matrimoniais, continuar as políticas do presidente Seyed Ebrahim Raisi no setor imobiliário, liberalizar as importações de automóveis, completar projetos inacabados, melhorar o papel das mulheres na sociedade, apoiar a comunidade de deficientes e combater a corrupção.

Leia também | Palestina estava no topo das prioridades de Ebrahim Raisi, ex-presidente do Irã

Alireza Zakani, prefeito de Teerã e ex-legislador, reafirmou seu compromisso de defender a Constituição iraniana e garantir a distribuição justa da riqueza em todo o país. Ele descreveu pacotes de apoio para vários setores, incluindo energia, habitação, saúde, segurança alimentar, bem-estar, criação de empregos, segurança no trabalho e facilitação de casamentos para reforçar o bem-estar público.

Said Yalili, ex-negociador nuclear e chefe do principal organismo de segurança, identificou a estabilidade monetária e a criação de empregos como as principais prioridades de seu governo. Ele destacou o potencial não aproveitado das zonas rurais, comparando-as a “células saltarinas”, e defendeu o apoio aos agricultores mediante subsídios para aliviar as privações. Yalili também destacou o papel fundamental das mulheres na sociedade, vinculando seu empoderamento ao crescimento nacional.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

O ex-ministro do Interior, Mostafa Pourmohamadi, sublinhou a importância do crescimento econômico e da estabilidade, afirmando que “a produção é a espinha dorsal da economia”. Ele prometeu restaurar a estabilidade do mercado de capitais no prazo de um ano e enfatizou a eliminação dos obstáculos à produção, a promoção da estabilidade do mercado e a reforma do sistema burocrático através da introdução de um “governo eletrônico”.

O presidente do Parlamento, Mohamad Baqer Qalibaf, advertiu contra as ameaças externas à paz e segurança do Irã e prometeu dar prioridade aos “esforços de consolidação da paz”. Ele prometeu buscar todas as vias para a solução de problemas e delineou seus planos concretos para enfrentar os desafios econômicos do país e se esforçar para salvaguardar os interesses do povo.

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

Maud Pezeshkian, ex-ministro da Saúde e alto legislador, destacou a necessidade de abordar as causas profundas dos problemas econômicos, optando por reduzir a divisão entre o governo e o povo, promovendo a tomada de decisões baseada em especialistas e fomentando a transparência. Ele enfatizou a importância da criação de consenso e unidade para enfrentar os problemas econômicos, posicionando seu governo como um que ouve as vozes do povo e prioriza a cooperação sobre a discórdia.

Expectativas econômicas

No segundo segmento do debate de quatro horas, a atenção se concentrou nas expectativas econômicas do povo iraniano em relação ao seu futuro presidente.

Uma pesquisa de campo recente realizada pela IRIB (a Radiodifusão da República Islâmica do Irã) revelou que as principais prioridades para o povo incluem lidar com os desafios econômicos, melhorar os programas de bem-estar, enfrentar o desemprego, lutar contra a corrupção e melhorar as relações internacionais.

Estamos no Telegram! Inscreva-se em nosso canal.

Qazizade Hashemi fez promessas em relação à agenda econômica de seu governo, prometendo que os planos propostos se tornariam realidade no prazo de quatro anos. Ele delineou os pilares-chave de sua estratégia econômica, exaltando a importância de alcançar o crescimento econômico através de esforços colaborativos e a adoção de uma política externa aberta, bem como garantir uma distribuição justa dos recursos para a equidade social.

Com base nos objetivos estabelecidos no sétimo plano de desenvolvimento, que visa uma taxa de crescimento econômico de 8%, Qazizade Hashemi enfatizou o papel crucial do setor privado e dos investimentos na realização dos objetivos do plano quinquenal.

Zakani colocou uma forte ênfase na luta contra a corrupção como uma das principais prioridades durante seu mandato, afirmando que aqueles que incorrerem em más práticas econômicas enfrentariam um “cartão vermelho”. Ele defendeu fomentar laços mais próximos com as nações vizinhas e implementar iniciativas para avançar nos objetivos econômicos do país.

Zakani também ressaltou a importância do crescimento econômico, do aumento da produção e da disciplina financeira em sua agenda de política econômica.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Yalili ecoou o apelo para alcançar uma taxa de crescimento econômico de 8%, sublinhando a necessidade de um planejamento meticuloso e esforços dedicados para alcançar o objetivo ambicioso. Ele enfatizou que a eficiência poderia ser alcançada através de investimentos estratégicos e práticas de gestão eficazes.

Pormohamadi destacou a necessidade de melhorar as disposições de segurança social, particularmente para as pessoas que enfrentam doenças ou deficiências que as impedem de trabalhar. Ele também reiterou seu compromisso de combater a corrupção por meio de medidas como promover a transparência e facilitar o livre fluxo de informações.

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

Mohamad Baqer Qalibaf detalhou a iniciativa de “escudo de apoio” proposta por seu governo, que visa oferecer assistência integral à população, abordando questões-chave como o acesso à assistência médica, o fornecimento de bens essenciais, a acessibilidade da habitação, o apoio agrícola e a criação de empregos rurais. O veterano político se comprometeu a realizar suas iniciativas de política externa em consonância com os interesses nacionais e os marcos legais do país.

Pezeshkian descreveu seus planos para melhorar o bem-estar nacional, freando gastos desnecessários e cumprindo rigorosamente o estado de direito para combater a corrupção de maneira efetiva. Ele enfatizou a necessidade de reformar as relações internacionais do Irã como um passo crucial para alcançar o crescimento econômico, e destacou a importância de fomentar a unidade e o consenso a nível interno.

Governança eficiente

No final do debate presidencial final, os candidatos resumiram seus planos e apresentaram uma sinopse do que têm a oferecer para uma governança eficiente, com o objetivo de cativar a atenção dos eleitores.

Em suas palavras de encerramento, Qazizade Hashemi afirmou que, mediante o planejamento estratégico e a determinação inabalável, os desafios da nação poderiam ser superados.

Com base em sua experiência como prefeito de Teerã, Zakani enfatizou seu enfoque prático para trabalhar em estreita colaboração com o povo, mostrando sua capacidade de enfrentar os desafios que enfrenta.

Yalili defendeu a noção de unidade entre todos os grupos étnicos, referindo-se a eles como “bens valiosos” e promovendo a coexistência harmoniosa através do fomento de conexões.

Pourmohamadi exaltou suas raízes nos fundamentos do discurso revolucionário, posicionando-se como um candidato profundamente enraizado nos princípios fundamentais da gênese da República Islâmica.

Qalibaf exaltou a importância das próximas eleições e enfatizou que o resultado das eleições de 28 de junho determinará a trajetória futura da nação e sua população.

Pezeshkian expressou confiança na solução dos problemas do país e propôs uma abordagem abrangente que combine estratégias de poder brando e duro, integrando a diplomacia com iniciativas práticas no terreno para enfrentar eficazmente os desafios da nação.

* Este texto foi traduzido com o apoio de inteligência artificial.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Alireza Akbari

LEIA tAMBÉM

Macron1
Temendo Le Pen, esquerda salva Macron e recupera o “neoliberalismo cor-de-rosa”
Maria-Corina_Machado-Venezuela
Desarticulação, golpismo, ataques ao chavismo: 10 erros-chave de Corina Machado na Venezuela
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia alimentou extrema-direita na UE
246b5cfe-7d91-4985-ae5b-374b4de380be
Após fracasso do "bloco do retrocesso", siglas regionalistas é que vão definir futuro espanhol