90 anos de Luther King: Confira 8 filmes para celebrar um dos maiores líderes do s´éculo 20

Pastor protestante e líder pacifista trouxe esperança e foi fundamental na luta pelos direitos civis dos negros, como o direito ao voto

Mariane Barbosa

São Paulo (SP) (Brasil)

Todos os posts do autor

Os números falam por si só. Foram 9,3 milhões de quilômetros percorridos pelos Estados Unidos, durante 13 anos de ativismo; 2.500 vezes em que ele falou oficialmente em público, pregando pela paz e igualdade racial; mais de 20 vezes em que acabou preso e outras quatro vezes em que foi agredido por forças policiais. Não se pode negar que o pastor e ativista Martin Luther King Jr. foi um dos maiores líderes mundiais do século 20. King nasceu em janeiro de 1929 e estaria completando 90 anos hoje, porém, foi executado em 1968, vítima da intolerância, seu maior medo.

O primeiro movimento político de que Martin Luther King participou aconteceu em 1955 e foi iniciado com uma mulher negra, Rosa Parks, que foi presa ao negar conceder seu lugar na primeira fila do ônibus na cidade de Montgomery, capital do Alabama, a uma pessoa branca, como determinava a lei na época. 

Dias depois, o Conselho Político Feminino, com o apoio de King e outros líderes negros da comunidade, organizou um boicote contra as empresas de transporte coletivo, que tiveram prejuízos cada vez maiores, enquanto milhares de negros chegavam a caminhar vários quilômetros até seus locais de trabalho, sempre acenando e cantando ao longo do caminho, em protesto contra a segregação racial.

Um ano após o protesto, a Corte Suprema estadunidense aboliu a segregação racial nos ônibus de Montgomery e, em algumas semanas, quando a conquista da nova lei finalmente entrou em vigor, Martin Luther King e Glen Smiley, sacerdote branco, entraram num ônibus e ocuparam, juntos, os lugares da primeira fila.

Vencedor do Nobel da Paz no ano de 1964 — o que aumentou a pressão para que os Estados Unidos tornassem o direito de voto aos negros uma realidade no ano seguinte —, King se pronunciou sobre o prêmio em certa ocasião: “Não digam que sou um Prêmio Nobel. Isso não tem importância. Digam que fui o porta-voz da justiça. Digam que procurei dar amor, que procurei amar e servir à humanidade”. 

Para celebrar O nonagésimo aniversário de Luther King, a revista Diálogos do Sul selecionou oito filmes atuais que tratam de temas relacionados à negritude e à violência racista nos Estados Unidos. Confira:


Selma - Uma Luta pela Igualdade (2015)

O filme conta a história de luta de Martin Luther King Jr. para garantir o direito de voto dos negros. Em 1965, King liderou uma marcha épica de Selma a Montgomery, Alabama. A marcha estimulou a opinião pública estadunidense e convenceu o presidente Lyndon Johnson (1963-1969) a implementar a Lei dos Direitos de Voto, em 1965, que pôs fim às práticas eleitorais discriminatórias, decorrentes da segregação racial nos EUA. O longa, que teve quatro indicações ao Globo de Ouro, entre elas o de melhor filme, também foi indicado ao Oscar pela mesma categoria, mas acabou levando o prêmio de melhor canção original.



42 – A história de uma lenda (2013)

O longa, que se passa em 1946, conta a história de Jackie Robinson, um grande jogador de beisebol dos EUA, que virou uma lenda por ser o primeiro jogador afro-americano, rompendo a “linha de cor” no esporte, e competindo na Major League Baseball na era moderna. Na trama, o rapaz, interpretado por Chadwick Boseman, é recrutado por Branch Rickey (Harrinson Ford), o executivo de um time que disputa a maior competição do esporte nos Estados Unidos, o que faz com que ambos tenham que enfrentar o racismo existente não apenas na torcida e na diretoria, mas também dentro dos campos.



Eu não sou seu negro (2017)

O documentário de Raoul Peck é centrado na figura do escritor negro James Baldwin, morto em 1987. Baldwin deixou inacabado o livro “Remember This House”, em que relata a vida e morte de amigos seus, como Martin Luther King e Malcolm X. Após a morte do autor, o manuscrito inacabado foi confiado ao diretor Raoul Peck, e isso deu origem ao filme. O trabalho completo, que acumula prêmios de melhor documentário e melhor roteiro, está disponível no YouTube e as legendas em português foram disponibilizadas, basta ativá-las. 



Django Livre (2013)

Escrito e dirigido pelo célebre Quentin Tarantino, o filme é ambientado no sul dos Estados Unidos dois anos antes da Guerra Civil, que ocorreu em 1861. O longa é estrelado por Jamie Foxx, que interpreta Django, um escravo cujo histórico brutal com seus ex-senhores o coloca cara a cara com o caçador de recompensas alemão, dr. King Schultz, que está atrás dos sanguinários irmãos Brittle, e Django é o único que pode levá-lo à sua recompensa. O filme, que mescla humor e história, traz grandes nomes do cinema, como Leonardo Di Caprio, Samuel L. Jackson e Christoph Waltz. 



12 anos de escravidão (2013)

Esse filme retrata a dor, sofrimento e martírio de um povo marcado pela escravização através da história do escritor abolicionista negro Solomon Northup, nascido livre no estado de Nova York onde era fazendeiro e violinista. O longa-metragem do diretor Steve McQueen — que recebeu 9 indicações ao Oscar —, se passa no ano de 1841 e nos mostra a luta de Solomon por 12 anos pela liberdade. Um homem inteligente, que vivia em tranquilidade com sua família, até ser enganado para viajar a trabalho para Washington, quando foi sequestrado e vendido como escravo.



O Nascimento de uma Nação (2016)

Lançado em 2016, o filme retrata do ponto de vista de artistas negros, a violenta e histórica rebelião de escravizados na Virgínia, em 1831, liderada por Nat Turner. A narrativa racista da história estadunidense, eternizada pelo clássico de David W. Griffith , de 1915, conta como Nat Turner, não suportando mais ver seu povo sofrendo nas mãos dos brancos, usou o poder da Bíblia para liderar um movimento em nome da liberdade de todos.



Um Estado de Liberdade (2016)

Baseado em uma história real, o longa trás a história do Newton Knight, um fazendeiro do sul dos EUA, que forma um grupo de rebeldes para agir contra a Confederação e abandona o Exército em plena Guerra Civil. Contrário à escravidão, junto a um grupo de ativistas, eles protegem famílias de sua região, mas acaba sendo obrigado a fugir, onde passa a conviver com pessoas escravizadas que fugiram de seus “donos” e, juntos, enfrentam os confederados e lutam por ideais como liberdade e igualdade, combatendo grupos como o Ku Klux Klan e a influência racista. Temas como a proibição do casamento inter-racial, libertação dos escravos e a luta pelo direito ao voto, também são pautados ao longo da trama.


Infiltrado na Klan (2018)

Vencedor do grande prêmio do Júri no Festival de Cannes 2018 e ovacionado durante 6 minutos no evento, o filme do aclamado cineasta Spike Lee, diretor conhecido por abordar a questão racial no cinema há mais de três décadas, Infiltrados na Klan é uma adaptação da história real de Ron Stallworth, um policial negro da cidade de Colorado Springs, que não só conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan, como conquistou a confiança de seus membros até estabelecer contato direto com seu líder. As conversas, que eram sempre realizadas pelo telefone, deixaram de ser suficientes ao longo da trama, e como, obviamente, ele não podia comparecer pessoalmente às reuniões do grupo, a solução foi enviar o policial branco Flip Zimmerman para se passar por ele. 


Recomendadas para você

Comentários