kasihpalestina.com

Proposta de resolução da ONU condena "acordo do século" pró-israelita de Trump

Proposta de resolução apresentada do Conselho de Segurança condena os planos de Israel de anexar as "colônias" da Margem Ocidental ocupada

A proposta, elaborada pelos palestinos, foi apresentada aos outros membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) pela Tunísia e a Indonésia esta terça-feira, segundo refere a Reuters, que teve acesso ao texto.

A resolução "sublinha a ilegalidade da anexação de qualquer parte" dos territórios palestinos ocupados e "condena as recentes declarações a apelar à anexação por Israel" desses territórios, refere a agência.

Os diplomatas – não especificados pela fonte – disseram que as negociações sobre o texto deveriam ter início mais para o fim desta semana. O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, deve dirigir-se ao CSNU na próxima semana, para abordar o plano pró-israelita de Donald Trump, possivelmente na altura em que a proposta de resolução for votada.

Na terça-feira da semana passada, o presidente estadunidense apresentou em Washington o chamado "acordo do século", ao lado do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, que reconhece a soberania de Israel sobre as colônias na Cisjordânia ocupada, reafirma o reconhecimento do estatuto de Jerusalém como capital de Israel e nega aos refugiados palestinos o direito de retorno – além de impor aos palestinos toda uma série de condições para que tenham um Estado.

Todas as facções palestinas rejeitaram de forma unânime o "acordo de paz" pró-Israel, que viola o direito internacional e as resoluções repetidas das Nações Unidas sobre a ocupação dos territórios palestinos por Israel.

A proposta de resolução deve ser vetada pelos EUA – membro permanente do CSNU –, permitindo aos palestinos passar ao nível seguinte: apresentá-la na Assembleia Geral das Nações Unidas, onde Washington não tem poder de veto e onde ficará visível a percepção internacional do plano apresentado por Trump.

kasihpalestina.com
Palestino agita bandeira nacional do Estado da Palestinal

"Não ao plano de ocupação da Palestina"

A propósito da apresentação do chamado "acordo do século", o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) emitiu um comunicado em que sublinha que "o referido "acordo" viola abertamente o Direito Internacional" e desrespeita todas as resoluções das Nações Unidas referentes à "ocupação dos territórios palestinos e à criação do Estado da Palestina"

"O "acordo" visa a consagração da ocupação ilegal da Palestina por Israel, constituindo assim um instrumento dos setores mais radicais do sionismo e do seu projeto do Grande Israel", denuncia o CPPC, destacando que, se fosse implementado, o "acordo do século" significaria […] o abandono definitivo da solução de dois Estados e a aceitação da ocupação sionista sobre toda a Palestina.

Neste contexto, o CPPC reafirma a solidariedade ao povo palestino e às suas forças patrióticas, e exige às autoridades portuguesas que «exprimam o mais firme repúdio pelo conteúdo deste "acordo" e reconheça o Estado da Palestina.


Veja também

Comentários