Pesquisar
Pesquisar

O Movimento do Custo de Vida e os 40 anos do grande ato da Praça da Sé, em plena ditadura (ago/1978)

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

No dia 11 de agosto, o Memorial da Resistência, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, realizará mais uma edição do Sábado Resistente, projeto realizado em parceria com o Núcleo de Preservação da Memória Política. O evento acontece às 14h00, com o debate  O Movimento do Custo de Vida e os 40 anos do grande ato da Praça da Sé, em plena ditadura (ago/1978)”, que contará com a participação de pesquisadores e protagonistas do Movimento.

Divulgação*

Em 27 de agosto de 2018, completam-se 40 anos do histórico ato que o Movimento do Custo de Vida (MCV) realizou, em plena ditadura civil-militar, com mais de 20 mil pessoas que ocuparam a Catedral, e suas escadarias, na Praça da Sé. O ato, realizado com o intuito de entregar as mais de 1,2 milhões de assinaturas reunidas contra a política econômica do governo, foi duramente reprimido pela polícia.

Liderado por mulheres da periferia, fora dos canais tradicionais de representação, o MCV surgiu junto aos Clubes de Mães Populares da Zona Sul de São Paulo, em 1973. O movimento contou com o apoio da Igreja Católica – renovada pela “Operação Periferia”, sob o comando de Dom Paulo Arns – e de militantes de diversos agrupamentos de resistência contra o regime, como o PC do B; a Oposição Sindical Metalúrgica; entre outros.

Embora não tenha sido atendido, pelo “governo”, em suas reivindicações, o MCV exerceu a função de movimento-receptáculo de vários outros movimentos sociais que marcaram o período e teve papel fundamental no processo de reocupação e repolitização do espaço público, sendo o primeiro movimento periférico – em plena ditadura – à reocupar as ruas após 1968.

Programação

14h00 – Boas vindas – Marilia Bonas (Memorial da Resistência de São Paulo) 

14h10 – Coordenação – Caroline Menezes (Núcleo de Preservação da Memória Política) 
14h30 – Debate
15h20 – Exibição de trecho do documentário (em produção) sobre o MCV
15h30 – Falas das protagonistas do MCV
Palestrantes

Daniel McDonald é mestre e doutorando pela Brown University. Pesquisa, em seu doutorado, os movimentos populares em São Paulo na ditadura militar e na transição democrática, com foco na participação feminina. 

Moara Passoni é mestranda em roteiro e direção, pela Columbia University. Diretora do documentário (em fase de produção) sobre o Movimento do Custo de Vida. É mestre em Multimeios, pela UNICAMP; diretora; e produtora do filme “Impeachment” (2018), de Petra Costa. Coordenadora do Projeto Revoluções (SESC PINHEIROS, 2011).
Thiago Nunes Monteiro é mestre em História Social pela USP. Autor do livro “Como pode um povo vivo viver nesta carestia: o Movimento do Custo de Vida em São Paulo (1973-1982)”. É professor na rede municipal de São Paulo.
FALAS DAS PROTAGONISTAS DO MCV 

Ana Dias; Ana Martins; Aurélio Peres; Cecília Hansen; Conceição Peres; Maria Eunice; Maria Saraiva; Neide Abate; Odete Marques; Pe. Ticão. 

Serviço

Memorial da Resistência de São Paulo 
Endereço: Largo General Osório, 66 – Luz – Auditório Vitae – 5º andar
Telefone: (011) 3335-4990 | faleconosco@memorialdaresistenciasp.org.br 
Aberto de quarta a segunda (fechado às terças)
Entrada Gratuita

Mais informações à imprensa 
Memorial da Resistência de São Paulo
Marilia Bonas – (11) 3335-4996 mbonas@memorialdaresistenciasp.org.br


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela