Pesquisar
Pesquisar
Foto: Claudia Sheinbaum / Facebook

Para oligarquia do México e dos EUA, vitória de Sheinbaum significa “democracia em excesso”

Jornais dos EUA atacam o resultado das eleições no México, assim como a vontade soberana do povo mexicano, e alegam riscos de autoritarismo e instabilidade
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Aquela famosa frase “todos os dias amanheço bonito, mas hoje… exagerei” pode ser aplicada agora ao grande exercício eleitoral mexicano, onde alguns observadores e meios de comunicação estadunidenses – ecoando suas contrapartes no México – se queixam de que a democracia agora está ameaçada porque os mexicanos exageraram no dia 2 de junho. Ou seja, ao que parece, democracia demais é nociva para a democracia (uma ideia de que não há contrapesos, etc.), segundo esses autoproclamados juízes da democracia que sabem quanta democracia é aceitável e quanta não.

Mas ainda mais absurdo é que os estadunidenses que se somam a essa narrativa de “too much democracy” no México vivem em um país onde o debate político gira em torno de uma “crise existencial” de sua própria democracia, e onde se adverte (desde o presidente até líderes políticos) que a próxima eleição pode levar não só a “too little democracy”, mas pode fundir o farol desta democracia.

Leia também | A Esquerda pode vencer no século 21? Lições do México e da Venezuela

Em relação à eleição no México, o editorial do Washington Post foi intitulado “Como a eleição democrática do México poderia minar a democracia mexicana”. O Wall Street Journal, em seu editorial, expressou alarme diante de um triunfo tão avassalador da esquerda como algo que pode ameaçar a ordem constitucional, enquanto o influente analista político David Frum escreveu no The Atlantic, em um artigo intitulado “O Estado falido que vive ao lado”, que com os resultados de 2 de junho, Biden agora enfrenta sua próxima grande crise externa: um vizinho do sul que caminha para o autoritarismo e a instabilidade. Ou seja, segundo esses editoriais e comentários de especialistas em vários think tanks nos Estados Unidos, a expressão excessiva da vontade do povo é nociva para o demos.

É quase como se esses meios, a cerca de 50 anos do golpe no Chile, estivessem quase justificando aquela famosa frase de Kissinger após a eleição de Allende: “não sei por que temos que ficar parados e observar um país se tornar comunista pela irresponsabilidade de seu povo…”

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Mas agora esses comentários vêm de um país que pela primeira vez sofreu uma tentativa de golpe de Estado há cerca de quatro anos, onde a cúpula quase inteira de um dos dois principais partidos nacionais se submeteu ao seu chefe Trump para declarar que não se comprometerão a reconhecer o resultado da próxima eleição se perderem (ou seja, para que ter a eleição?). Ainda mais, o candidato é um criminoso condenado, um estuprador de mulheres, empresário culpado de fraude e que enfrenta mais de 50 acusações criminais adicionais, que promete abertamente que se for eleito usará as forças armadas para reprimir opositores, o Departamento de Justiça para perseguir seus inimigos e anulará direitos e liberdades civis.

Noam Chomsky, em uma entrevista em 2022, advertiu que embora Trump e seu “partido neofascista” tenham fracassado em seu golpe de Estado, prosseguiram com “um golpe de Estado suave para assegurar que na próxima vez seja bem-sucedido”.

Leia também | Vitória estrondosa de Sheinbaum deixa mercado financeiro no México “assustado”

Ante tais ameaças “existenciais” à democracia estadunidense, talvez esses vizinhos do lado que exageram sua democracia poderiam prestar ajuda aos Estados Unidos oferecendo equipes de consultoria e especialistas em sistemas eleitorais, dar cursos sobre como funciona uma eleição, entre outras coisas que até recentemente os Estados Unidos ofereciam a países latino-americanos. Os mexicanos poderiam compartilhar experiências com eles sobre como lutar contra a corrupção e a manipulação eleitoral em todos os níveis, incluindo a Suprema Corte, como frear e tornar transparente o uso de dinheiro privado na compra de candidatos, e até sugerir reformas, incluindo o voto direto para presidente, e oferecer observadores eleitorais nesta próxima eleição.

Porque se há algo que os Estados Unidos necessitam agora é não só amanhecer um pouco mais democrático a cada dia, mas exagerar.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Onix Lorenzon representa a extrema direita brasileira
Aliança pela Liberdade: Coalizão conservadora de Eduardo Bolsonaro planeja fortalecer direita na Europa
China-US-and-LATAM-COLLAGE1
Rivalidade EUA-China: o campo de batalha geopolítico em El Salvador reflete o cenário latino-americano
Niegan-libertad-condicional-a-Salvatore-Mancuso
Pânico: Elites colombianas temem que Salvatore Mancuso exponha segredos como massacres, deslocamentos e assassinatos seletivos
Peru
Lei da impunidade: Congresso do Peru aprova lei que beneficia Fujimori e repressores acusados de crimes de lesa humanidade