Pesquisar
Pesquisar

Ponto a ponto, Cristina Kirchner e defesa desmontam acusações em processo de lawfare

Analisando os motivos expostos pelos promotores Diego Luciani e Sergio Mola, foi demonstrada ainda a forma pela qual a constituição foi violada
Stella Calloni
Diálogos do Sul
Buenos Aires

Tradução:

Na acusação Vialidad, “houve uma fábula montada com uma teia de mentiras para acusar-me nesse julgamento”, o qual violou a Constituição Nacional, sustentou a vice-presidenta Cristina Fernández de Kirchner ao apresentar, ao meio dia desta sexta-feira (23), sua argumentação de defesa diante da acusação, o que lhe havia sido negado pela Promotoria. 

CK assegurou que as acusações contra ela foram realizadas sobre “decretos aprovados pelo Parlamento” ao considerar que promotores e juízes neste processo constituem “um claro caso de “prevaricação”. 

Cristina Kirshner: “Não estão atrás de mim, mas dos direitos dos trabalhadores e aposentados”

22 dias após ser vítima de um falido atentado, a vice-presidenta aludiu na audiência ao fato de que pôde se apresentar ante os tribunais do Julgamento oral por ser advogada.

“Se não fosse advogada, estaria indefesa”, disse Cristina, ex-presidenta da nação em dois períodos (2007-2015), em uma argumentação que se converteu em uma conferência magistral sobre as normas constitucionais e sobre o direito penal no país. 

Assista na TV Diálogos do Sul

O mesmo fizeram seus advogados defensores que a precederam na sessão, Carlos Beraldi e Ary Llernovoy, ao desmontar ponto por ponto as inconsistências da acusação fabricadas no processo Vialidad, no qual CK é acusada de participar para defraudar o Estado, mediante a concessão de obras públicas na província de Santa Cruz.

Analisando os motivos expostos pelos promotores Diego Luciani e Sergio Mola, foi demonstrada ainda a forma pela qual a constituição foi violada

Twitter | Reprodução
CK: “Se governos constitucionais foram associações ilícitas, o que é tudo o que ocorreu em 15 anos na República Argentina?"




Acusação “sem pé, nem cabeça”

A acusação “não tem pés nem cabeça”, qualificou Kirchner por Zoom, ao exercer seu direito à defesa ante o Tribunal Oral Federal, direto do escritório da presidência do Senado no Congresso, demonstrando que o processo é “profundamente anticonstitucional”.

Analisando os motivos expostos pelos promotores Diego Luciani e Sergio Mola, demonstrou a forma pela qual a constituição foi violada, com as provas falsas que introduziram irregularmente para pedir que seja condenada a 12 anos de prisão e inabilitada para sempre de exercer cargos públicos. 

Diante disso, solicitou aos juízes que “sejam extraídos testemunhos de todos e cada um dos fatos onde, confrontadas falas de promotor com a prova inclusa nos autos – seja pericial, testemunhal ou documental – fique demonstrado que os promotores Luciani e Mola mentiram na apresentação final de acusação”.

CK apontou que a acusação dos promotores viola a Constituição porque “um governo eleito pelo povo não pode ser considerado como uma associação ilícita”, mencionando  “as arbitrariedades” cometidas contra ela.

Carta de senador dos EUA expõe influência do país em golpe contra Cristina Kirchner

Resulta que a promotoria argumentou “que estes três governos eleitos pelo povo (o de Néstor Kirchner, de 2003 a 2007, e os dois períodos que ela encabeçou) são uma associação ilícita por fazer 51 obras em Santa Cruz (…). Só esta enunciação bastaria para que ninguém tome seriamente esta acusação, porque é ilógica, absurda, beira o ridículo”, apontou CK.

A vice-presidenta perguntou também: “se três governos constitucionais foram associações ilícitas, o que é tudo o que ocorreu em 15 anos na República Argentina? (…) chegaríamos ao ridículo de que o promotor Luciani não poderá estar nesta acusação porque não é promotor, porque eu o nomeei, a chefa da associação ilícita”, disse CK.


Supremacia

Outro tema muito forte é que a promotoria “se apropriou da supremacia sobre os outros dois poderes (do Estado). “Não, não, não”, rechaçou a vice-presidenta, dirigindo-se aos magistrados: “Isto não é assim, mas é o que se afirmou nesse julgamento”.

Recordou a anomalia que representa o fato de que o promotor Luciani e o juiz Rodrigo Giménez Uriburu, que formam parte do tribunal que a julga, tenham participações em torneios em uma propriedade do ex-presidente Mauricio Macri.

No caso específico de Luciani, denunciou que sua declaração foi “uma intervenção artística grandiloquente” e “histriônica” que só expôs “mentiras, calúnias e difamações”. Muito mais e muito importantes temas abarcou a vice-presidenta em sua declaração, que contribuiu para demolir o que pudesse haver ficado de pé após a argumentação de seus defensores. 

O advogado Carlos Beraldi referiu-se ao fato de que os orçamentos das obras eram aprovados no Congresso Nacional e descreveu como uma “absoluta fantasia” da promotoria dizer que se agia “como instrumento de uma associação ilícita”. 

Atentado a Cristina Kirchner: contra barbárie da oligarquia argentina, o peronismo renasce

Diante da acusação dos promotores Diego Luciani e Sergio Mola e o pedido de prisão e inabilitação absoluta de CK para exercer cargos públicas, a promotoria incorreu em “má práxis” e “violação do direito de defesa” e foi fragmentada a acusação “deliberadamente para conspirar contra a descoberta da verdade”.

Entre outros pontos, assinalou que “não existe um só elemento de prova séria que indique que foram pagos trabalhos não realizados” e perguntou: “O que está provado neste julgamento? Que Cristina Fernández de Kirchner jamais deu nenhuma diretiva vinculada a estes casos que aqui se investigam”.

Stella Calloni | Jornalista, direto de Buenos Aires.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Stella Calloni Atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Já entrevistou diferentes chefes de Estado, como Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales, Luiz Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Daniel Ortega, Salvador Allende, etc.

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia