Pesquisar
Pesquisar
Foto: Pasqual Gorriz / ONU

Recrutadas sob coação e para sobreviver, crianças são 1/3 dos grupos armados no Haiti

Grupos armados do Haiti utilizam crianças como cozinheiras, limpadoras, “esposas” e até mesmo vigias em operações
Redação IPS
IPS
Nova York

Tradução:

Ana Corbisier

A vida cotidiana abre passagem no Haiti ainda em meio ao clima de violência em que campeiam as gangues criminosas. A Unicef mostra com preocupação que são crianças, recrutadas às vezes sob coação contra suas famílias, muitos dos integrantes desses grupos armados.

Crianças submetidas a coação, abusos e exploração integram entre 30% e 50% dos grupos armados que campeiam no panorama de violência que vive o Haiti, segundo uma análise do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgada em 31 de maio.

Leia também | Haiti: sem perspectiva de melhora em 2024, crise econômica bloqueia redução da pobreza

Catherine Russell, diretora-executiva da Unicef, disse que “as crianças do Haiti estão presas em um círculo vicioso de sofrimento. Veem-se levadas a unirem-se aos grupos armados por puro desespero, que inclui uma violência espantosa, a pobreza e o colapso dos sistemas que deveriam protegê-las”.

A agência da ONU calcula que 90% da população do Haiti vive na pobreza e três milhões de crianças continuam precisando de ajuda humanitária urgente, em meio a uma persistente fragilidade social, econômica e política causada pela violência que mergulhou no caos várias zonas do país.

Violência se intensificou em 2024

A crise nesse país caribenho de 27.755 km² e 11,5 milhões de habitantes – aproximadamente mais de um milhão em Porto Príncipe, a capital – agravou-se depois do assassinato em julho de 2021 do presidente Jovenel Moïse.

Neste ano de 2024, a violência se intensificou, com mais de 2.500 pessoas mortas, feridas ou sequestradas. A ONU verificou mais de 400 violações graves contra crianças.

Leia também | Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?

As gangues – algumas agrupadas em coalizões – controlaram a maior parte da capital, acessos a estradas, áreas de províncias; assaltaram cárceres para libertar milhares de presos, e durante meses bloquearam o principal porto, assim como o aeroporto do país.

Ao mesmo tempo, as famílias continuam sendo deslocadas internamente devido à violência, e mais de 180 mil crianças se encontram agora deslocadas internamente, segundo a Unicef, intensificando a crise humanitária em que o país está mergulhado.

Situação demanda ação urgente

Agências da ONU calculam que 4,4 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária urgente e até 1,6 milhões enfrentam níveis de insegurança alimentar aguda. As últimas estimativas mostram que mais de meio milhão de crianças no Haiti vivem em bairros controlados por grupos armados, o que as expõe a um maior risco de violência e recrutamento infantil.

Com frequência, as crianças se veem obrigadas a unirem-se aos grupos armados como meio para manter suas famílias ou devido a ameaças contra elas mesmas ou seus familiares, segundo a Unicef. Além disso, muitas crianças se unem aos grupos depois de terem sido separadas de seus familiares, como meio de sobrevivência e proteção.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Russell explicou que os grupos armados utilizam as crianças para diferentes tarefas, como cozinheiras, limpadoras, “esposas”, ou vigias em suas operações. “Mas o que estas crianças têm em comum é a perda da inocência e da conexão com suas comunidades. O impacto em cada criança afetada é uma tragédia que exige uma ação urgente”, acrescentou Russell.

A responsável pela Unicef enfatizou que se deve dar prioridade a sua proteção e bem-estar, o que inclui dar fim de forma segura à conexão com os grupos armados, garantir sua reintegração à sociedade e facilitar o acesso seguro a serviços e ajudas essenciais.

Grave violação aos direitos das crianças

O recrutamento e a utilização de crianças por parte de grupos armados constituem uma grave violação de seus direitos, e o alistamento de menores de qualquer idade em grupos armados é uma clara violação do direito internacional.

No Haiti, uma presidência colegiada designou nesta semana Garry Conille, que foi durante vários anos diretor regional da Unicef, como novo primeiro-ministro, um cargo que já exerceu durante alguns meses, de 2011 e 2012.

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

O novo governo tem entre suas tarefas preparar o terreno para que se instale no país uma força internacional que contribua para desmontar o poder das gangues.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação IPS

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela