Pesquisar
Pesquisar
Imagens: Candidatos (Reprodução / X) | Bandeira do Uruguai (wirestock / Freepik)

Rumo à eleição presidencial, Uruguai tem primárias neste domingo (30). O que dizem as pesquisas?

Processo de primárias determinará os candidatos definitivos das diferentes opções políticas no Uruguai; pleito presidencial acontece em 27 de outubro
Pablo Álvarez, Bahía Luna
Celag
Buenos Aires

Tradução:

Ana Corbisier
  • Neste domingo, 30 de junho, serão realizadas as eleições internas partidárias no Uruguai. Este processo de primárias determinará os candidatos definitivos das distintas opções políticas às vésperas das eleições presidenciais.
  • Nas primárias abertas o voto é optativo.
    • A participação em 2019 foi de 40%.
  • No Uruguai, as eleições presidenciais ocorrerão no próximo dia 27 de outubro.
    • Para vencer no primeiro turno, será necessário obter 50% mais um dos votos; se isso não acontecer, haverá segundo turno entre os dois candidatos mais votados, em 24 de novembro.
  • Os uruguaios elegerão, ainda, as câmaras legislativas, renovando-se estas em sua totalidade. O voto é obrigatório nas eleições gerais e não é permitida a reeleição consecutiva do presidente.

 

Leia também | Entenda por que Frente Ampla foi derrotada nas urnas após 15 anos governando o Uruguai

O Partido Nacional (PN) e a Frente Ampla (FA)

  • No que diz respeito à interna do Partido Nacional, atualmente no Governo, o cenário encontra-se praticamente definido. A totalidade das pesquisas prevê a vitória de Álvaro Delgado por ampla margem em relação à segunda alternativa, Laura Raffo, uma economista que foi candidata à Prefeitura de Montevidéu em 2019.
    • Delgado é ex-secretário da Presidência do atual Governo e aparece como o mais bem posicionado para substituir Luis Alberto Lacalle Pou, já que propõe a continuidade política e programática da gestão atual.
  • No campo opositor, os olhares nesta eleição estão voltados para a interna da Frente Ampla. Os principais candidatos são Yamandú Orsi e Carolina Cosse.
    • Orsi, prefeito do município de Canelones no período de 2015-2024, conta com o apoio do Movimento de Participação Popular (do ex-presidente José ‘Pepe’ Mujica), entre outros grupos.
    • Por sua vez, Cosse foi, durante o período de 2020-2024, prefeita de Montevidéu, capital do país. Tem o apoio do Partido Comunista e do Partido Socialista, entre outros.
    • Todas as pesquisas publicadas nos últimos meses dão por vencedor Yamandú Orsi, ainda que algumas mostrem um cenário mais equilibrado (Ver gráfico anexo).
  • Entre os demais partidos que apresentarão suas candidaturas neste 30 de junho encontra-se o tradicional Partido Colorado, o conservador Cabildo Aberto, o Partido Independente e o recentemente criado Partido Libertário, um espaço que emula as ideias e a idiossincrasia de Javier Milei na Argentina e aspira entrar na Câmara. O único requisito para poder participar das eleições presidenciais e parlamentares para estes partidos é apresentar-se à interna e obter mais de 500 votos.

 

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Cenário político e social: deterioração econômica, problemas de insegurança, narcotráfico e corrupção.

  • Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2023 a pobreza no Uruguai ficou em 10,1%, o que representa 1,3 pontos percentuais acima de 2019 -antes da pandemia. Entre os menores de seis anos, a incidência da pobreza foi de 20,1%, mais de três pontos acima do nível pré pandemia e mais de nove vezes superior aos de mais de 65 anos.
  • De acordo com dados da Cepal, o Uruguai é o país com o perfil mais infantilizado de pobreza da região, isto é, com a maior diferença entre pobreza infantil e pobreza média. Um em cada cinco crianças é pobre no país, representando 40% do total da população em situação de pobreza.
  • Além disso, segundo o INE, neste período de governo aumentou a desigualdade no Uruguai. Enquanto em 2019 10% das pessoas com rendas mais altas ganhavam 11 vezes mais que os 10% mais pobres, hoje já ganham quase 12 vezes mais.
  • Outro tema que se encontra no centro do debate público é a insegurança. Segundo a empresa de pesquisas Factum, 53% da população considera que a segurança pública, a violência e o narcotráfico fazem parte de suas principais preocupações sociais, à frente mesmo dos temas econômicos (34%).
  • Em relação a este ponto, o Governo de Lacalle Pou viu prejudicada sua imagem de garantidor da segurança ao ver-se envolvido em inumeráveis escândalos vinculados ao narcotráfico e à corrupção. Para mencionar só alguns: o caso Astesiano (o ex guarda-costas do presidente atualmente preso por falsificação de passaportes e espionagem ilegal), o caso Marset (o narcotraficante a quem o Governo uruguaio deu passaportes ilegais), o caso Penadés (o ex-senador do PN condenado por abuso e exploração sexual de menores), entre outros. Embora – apesar destes eixos de conflito – a imagem do atual presidente se mantem estável, a sociedade uruguaia registra estes acontecimentos com grande preocupação.

 

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

Desafios às vésperas de 27 de outubro

  • Rumo ao 27 de outubro, o principal desafio da FA é chegar consolidada e com suficientes apoios diante de um cenário previsível de segundo turno em novembro. O progressismo latino-americano vem tendo sérias dificuldades para, sendo a minoria majoritária no primeiro turno, enfrentar as frentes comuns de direita e centro-direita que se lhe opõem no segundo turno.
  • Às vésperas do primeiro turno, a maioria das pesquisas dão à Frente Ampla em torno de 43%. Um estudo recente da Factum convalida esta cifra para a FA, atribuindo 30% ao Partido Nacional (PN), 12% ao Colorado (PC), 5% ao Cabildo Aberto (CA), 3% ao Partido Independente, 1% à Unidade Popular, 2% a outros partidos e 4% em branco ou nulos. Este cenário poderia prefigurar o temido cenário do bloco anti-FA no segundo turno.
  • A médio prazo, caso seja vencedora da disputa eleitoral, a FA deverá assumir seus compromissos programáticos em matéria econômica, política, social, cultural e de comunicações. O espaço do progressismo deverá consolidar-se como uma proposta superadora do impasse governamental da direita em um país onde a FA foi hegemônica nas últimas décadas. Antecipa-se que o objetivo seria gerar transformações relevantes para não ser um Governo “de passagem”, e sim parte central de um projeto político de longo prazo.

 

Que tal acompanhar nossos conteúdos direto no WhatsApp? Participe da nossa lista de transmissão.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Pablo Álvarez Licenciado em Ciências Políticas (Universidade da República), mestrando em História Econômica (UdelaR), deputado nacional pela Frente Ampla (2005-2010), diretor-geral do Ministério da Educação e Cultura (2010-2015) e coordenador geral do Escritório de Planejamento e Orçamento da Presidência da República (2015-2018).
Bahía Luna Licenciada em Comunicações (UBA), mestranda em Estudo das organizações do estado, do âmbito privado e do terceiro setor (ONGs) e especialista em comunicação política e redes sociais.

LEIA tAMBÉM

Onix Lorenzon representa a extrema direita brasileira
Aliança pela Liberdade: Coalizão conservadora de Eduardo Bolsonaro planeja fortalecer direita na Europa
China-US-and-LATAM-COLLAGE1
Rivalidade EUA-China: o campo de batalha geopolítico em El Salvador reflete o cenário latino-americano
Niegan-libertad-condicional-a-Salvatore-Mancuso
Pânico: Elites colombianas temem que Salvatore Mancuso exponha segredos como massacres, deslocamentos e assassinatos seletivos
Peru
Lei da impunidade: Congresso do Peru aprova lei que beneficia Fujimori e repressores acusados de crimes de lesa humanidade