Pesquisar
Pesquisar
Arte: Antonio Parreiras (1931)

Símbolo maior da emancipação brasileira, 2 de julho precisa de reconhecimento nacional

Embora decisivo para a história do Brasil, o 2 de Julho é apenas conhecido como "Independência da Bahia", o que reflete o caráter elitista da historiografia nacional
Verbena Córdula
Diálogos do Sul Global
Salvador (BA)

Tradução:

A historiografia oficial brasileira tende a selecionar e valorizar certos eventos e atores históricos, em detrimento de outros igualmente significativos. Exemplo disso é o desprezo pelos acontecimentos e significados do 2 de julho de 1823, na Bahia, um marco crucial na luta pela independência do Brasil. Enquanto o 7 de setembro de 1822 pode ter inaugurado uma nova fase na história do Brasil, foi o 2 de Julho que solidificou o verdadeiro significado da emancipação, quando os brasileiros lutaram contra as forças coloniais, expulsando definitivamente os portugueses que ainda insistiam em manter o seu domínio.

Leia também | Cannabrava | Independência de que?

Embora tenha sido decisivo para a história do país, o 2 de Julho é apenas conhecido como “Independência da Bahia“. Essa falta de reconhecimento por parte da historiografia reflete uma tendência centrada nas elites e nos centros de poder, como o Rio de Janeiro, onde a “independência foi proclamada por D. Pedro”, contrastando, de modo afrontador, com a resistência popular e os movimentos regionais, fundamentais para a emancipação do Brasil. Neste cenário, a Bahia desempenhou um papel imprescindível, resistindo às tropas portuguesas, mesmo após o 7 de setembro, até finalmente expulsar os invasores no dia 2 de julho de 1823.

7 de setembro: negociação política e diplomática

Quando a  historiografia oficial minimiza o 2 de julho, contribui fortemente para uma visão distorcida da história nacional, que tende a exaltar certas figuras e eventos em detrimento de outros “que não se encaixam no padrão dominante”. Isso não apenas marginaliza os atores e atrizes históricos envolvidos na resistência baiana à permanência do domínio português, como também perpetua uma narrativa simplista e incompleta da luta pela independência.

Para a historiografia hegemônica, o Brasil deixou de ser colônia de Portugal a partir de um “ato heroico” do príncipe herdeiro português, como se muito sangue não tivesse sido derramado para que o país europeu perdesse seu domínio sobre as terras brasileiras. É neste sentido que, no calendário oficial, o 7 de Setembro de 1822 – quando Dom Pedro teria “gritado” o fim da dominação colonial portuguesa sobre o Brasil – é considerado a data da emancipação política, em detrimento do 2 de Julho de 1823, que envolveu o derramamento de muito sangue popular, preto e indígena.

Leia também | Tríade heroína: as mulheres combatentes que dão face à luta baiana por Independência

Durante o século 19, no âmbito interno, o Brasil enfrentava tensões políticas e sociais crescentes, com diferentes grupos buscando maior autonomia em relação à metrópole portuguesa. No contexto externo, a instabilidade política em Portugal e as guerras napoleônicas também influenciaram o cenário, criando um ambiente favorável para movimentos independentistas.

Desse modo, como o Brasil era uma colônia extremamente lucrativa para Portugal, sobretudo devido à exploração de recursos naturais – especialmente o ouro e o açúcar – interessada em manter e expandir seus próprios negócios e privilégios, a elite colonial brasileira viu na independência uma oportunidade de consolidar seu controle sobre esses recursos e mercados. Em consonância, o príncipe Dom Pedro de Alcântara tinha ambições políticas significativas, e via na emancipação uma oportunidade de consolidar seu poder. Por isso, ao “proclamar a independência”, o herdeiro de Portugal rompeu com as orientações de seu país, embora, ao mesmo tempo, tenha assegurado para si uma posição central no governo do Brasil, primeiro como regente, e posteriormente como Imperador.

Assine nossa newsletter e receba este e outros conteúdos direto no seu e-mail.

Como vemos, a independência proclamada em 1822 foi, em essência, uma negociação política e diplomática, mais do que uma revolta popular ou uma guerra de independência. Dom Pedro declarou a separação política do Brasil de Portugal sem um conflito militar prolongado significativo, o que contrasta com outros movimentos de independência na América Latina, os quais, na maioria das vezes, envolveram lutas armadas prolongadas contra as forças coloniais. O 2 de Julho de 1823, no entanto, extrapolou o simples ato de proclamação de autonomia. Significou muito sangue derramado, e boa parte desse sangue baiano, preto, indígena e feminino, detalhes omitidos pelas narrativas hegemônicas.

Essa minimização, que se traduz em marginalização do povo nordestino – neste caso particular, baiano – acaba por trazer consequências marcantes no que se refere à identidade nacional brasileira, porque reforça uma visão preconceituosa e excludente da história, que não reconhece a diversidade de experiências e contribuições para a formação do país.

Desprezo pelas lutas populares

Essa invisibilização das contribuições históricas e culturais dos povos indígenas e negros para a formação da identidade nacional brasileira, como vemos, marginaliza e/ou distorce eventos e figuras importantes desses grupos, destacando apenas aqueles que se encaixam em uma visão eurocêntrica e elitista da história nacional. Isso se dá não apenas do ponto de vista historiográfico. No plano midiático, há também uma tendência de representação distorcida e negativa de negros e indígenas, por exemplo, quando reforça percepções públicas que associam esses grupos a criminalidade, preguiça ou incompetência.

Mas sabemos que as contribuições dos indígenas e negros para a história política do Brasil são profundas, embora frequentemente subestimadas na historiografia oficial. Esses grupos desempenharam/desempenham papéis substanciais em diversos momentos-chave, contribuindo significativamente para a formação do país.

Conheça, acompanhe e participe das redes da Diálogos do Sul Global.

Desde os primeiros contatos com os invasores europeus, os povos indígenas brasileiros estabeleceram relações políticas complexas dentro de suas próprias sociedades e com os colonizadores. Muitas vezes, lideraram resistências contra a invasão e a exploração. E defendendo suas terras e culturas, como ocorreu como Guaicuru (Guarani), Cunhambebe (Tamoio) e Tibiriçá (Tupiniquim), desempenharam papéis cruciais em alianças e confrontos durante o período colonial: cada um desses líderes representou uma faceta única da resistência indígena e da adaptação estratégica diante dos desafios trazidos pela colonização.

“O primeiro passo para a independência da Bahia”, 1931, por Antonio Parreiras (1860-1937). Obra localizada no Palácio do Rio Branco, Salvador, Bahia.

Durante o período colonial e imperial, os negros escravizados também tiveram um protagonismo na política brasileira, apesar das restrições severas impostas pelo sistema escravista. Eles organizaram quilombos – como o complexo de Quilombos Palmares, liderado por Zumbi –, que representaram formas de resistência organizada contra a opressão colonial. Além disso, participaram de movimentos abolicionistas e lutaram pela abolição da escravidão, mesmo diante de intensa repressão e violência.

Estamos no Telegram! Inscreva-se em nosso canal.

Como vemos, está incutida na cultura política brasileira – e a historiografia desempenha papel crucial neste cenário – uma tendência de desprezo pelas lutas populares. E não seria diferente quando consideramos que a formação do Estado Nacional brasileiro deu-se a partir de um pacto entre as elites, que pretendiam – e conseguiram – manter excluída a maioria da população, principalmente indígena e preta, do seu projeto de nação, iniciado com uma Monarquia que manteve a ordem social escravocrata, suporte fundamental do latifúndio e da produção de commodities agrícolas. A república, posteriormente proclamada, não mudou muito esse cenário. O povo continua excluído, em função dos interesses das elites.

Em relação ao 2 de Julho, o governador do Estado da Bahia, Jerônimo Rodrigues, quando da instalação da sede provisória do governo na cidade de Cachoeira, no Recôncavo baiano – durante a Guerra da Independência, a cidade se tornou um reduto de resistência contra as forças portuguesas – ressaltou ter solicitado ao ministro da Educação, Camilo Santana, que incluísse nos livros didáticos e no currículo escolar essa história do 2 de Julho como sendo a história do Brasil.

Que tal acompanhar nossos conteúdos direto no WhatsApp? Participe da nossa lista de transmissão.

De fato, se trata de uma urgência. Esperamos que não fique na pura retórica, como ocorreu com o agora “Aeroporto Internacional de Salvador”. Um governador, do mesmo partido de Jerônimo Rodrigues, há mais de 13 anos prometeu retornar o título do terminal aéreo para o nome original: “Aeroporto Internacional Dois de Julho”.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Verbena Córdula Graduada em História, Doutora em História e Comunicação no Mundo Contemporânea pela Universidad Complutense de Madrid e Professora Titular da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, BA.

LEIA tAMBÉM

10259
A epopeia da Marselhesa: hino da revolução francesa
Octavio_Brando
O marxismo de Octávio Brandão, um barbeiro e trabalhador itinerante
Jose_Marti_Ismaelillo
Ismaelillo: o legado poético de Martí e sua relevância na América Latina
Gibiteca Balão - Foto Equipe atual e antigos integrantes_foto de João Martins_JUNHO 2024
10 anos de Gibiteca Balão: refúgio de cultura e inclusão na periferia de São Paulo