Pesquisar
Pesquisar

Vencedora do 1º turno, Luisa convoca Equador a derrotar multimilionário Noboa, o “Lasso 2.0”

"Junto à Revolução Cidadã construiremos uma nação digna, segura, de paz, amor e tranquilidade”, afirmou na noite deste domingo (20)
Caio Teixeira
ComunicaSul
Quito

Tradução:

Com 90% das urnas apuradas, a candidata do movimento Revolução Cidadã (RC) à presidência do Equador, a advogada Luisa González lidera a disputa rumo ao segundo turno, somando 33% dos votos (3,3 milhões) contra 23,73% (2,16 milhões) do magnata Daniel Noboa.

“Esta foi a primeira vez que uma mulher conquista tão alta porcentagem de votos no primeiro turno, ganhando as eleições para ser a presidenta da República do Equador e conduzir os destinos da Pátria”, comemorou Luisa, na coletiva de imprensa, domingo (20) à noite, no Centro de Formação Monsenhor Leonidas Proaño.

Continua após o banner

Apoiada pelo ex-presidente Rafael Correa, que por ser perseguido político está exilado na Bélgica, a candidata disse estar confiante na caminhada até o segundo turno das eleições em 15 de outubro.

Luisa González recordou que “muitas de nós temos sido invisibilizadas e hoje começamos a escrever uma história diferente e celebraremos em nome de todas as mulheres”. “Avancemos com fé junto a Andrés Arauz, junto à Revolução Cidadã construiremos uma nação digna, segura, de paz, amor e tranquilidade”, acrescentou.

Clique aqui e confira a cobertura das eleições no Equador com a Diálogos do Sul e a ComunicaSul

Com firmeza, denunciou a “campanha suja” e o clima de terror que se instalou no país, frisando que “o panorama mudou após o assassinato de um candidato (Fernando Villavicencio)” para prejudicar a campanha progressista. “Todos temos consciência de que este trágico acontecimento alterou o quadro político. Haveríamos ganho no primeiro turno, mas agora o país deverá esperar mais”, ressaltou.

Continua após a imagem

"Junto à Revolução Cidadã construiremos uma nação digna, segura, de paz, amor e tranquilidade”, afirmou na noite deste domingo (20)

Foto: Reprodução/Twitter
González: “Não queremos um presidente que governe para suas empresas e deixe de atender as necessidades do povo"

Para a candidata do RC, o Estado deve ser fortalecido e posto a serviço da população e não dos que “desmantelaram tudo, desde o sistema de segurança até a educação e a saúde pública” para “atender a interesses privados e dos banqueiros”.

Leia também:
● Luisa denuncia obstáculos para voto de equatorianos no exterior e exige que autoridades “corrijam erros”
● Polícia Nacional do Equador tenta assassinar prefeito e coordenador do Revolução Cidadã

Contrariando as especulações e boatos da grande mídia dizendo que Jan Topic iria disputar o segundo turno com Luisa Gonzáles, o “candidato Rambo” não passou do quarto lugar, com menos de 15% dos votos. Até mesmo Christian Zurita, substituto de última hora de Fernando Villavicencio, o candidato assassinado, chegou em terceiro, na frente de Topic.

Daniel é empresário, dirigente da Corporação Noboa, pertencente ao seu pai, o multimilionário Álvaro Noboa que disputou cinco vezes a presidência do Equador sem lograr êxito em nenhuma delas. O grupo atua na produção, manufatura, comércio e exportação de café, bananas e frutas em geral. Noboa defende um alinhamento com os Estados Unidos.

Continua após o banner

Na coletiva de imprensa, respondendo a uma pergunta sobre o que seria a expressão “Lasso 2.0”, utilizada por ela, Luisa Gonzáles explicou que o atual presidente Guillermo Lasso é um empresário que sabe dirigir sua empresa, mas não entende absolutamente nada da realidade do sofrimento do povo e, por isso, seu governo só beneficiou os bancos. “Não queremos um presidente que governe para suas empresas e deixe de atender as necessidades do povo. Não queremos um Lasso 2.0”, enfatizou.

Caio Teixeira e Leonardo Wexell Severo | Especial para ComunicaSul, direto de Quito.


CONTRIBUA VIA PIX 10.511.324/0001-48

A Agência ComunicaSul está cobrindo as eleições presidenciais e à Assembleia Nacional do Equador graças ao apoio das seguintes entidades: jornal Hora do Povo, Diálogos do Sul, Barão de Itararé, Portal Vermelho, Correio da Cidadania, Agência Saiba Mais, Intersindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores do Paraná (CUT-PR); Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (AASPTJ-SP), Federação dos/as Trabalhadores/as em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-PR), Sindicatos dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema-SP) e de Santa Catarina  (Sintaema-SC), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Estado do Paraná (Sintrapav-PR), Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp Sudeste-Centro), Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo, Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário Federal de Santa Catarina (Sintrajusc-SC); Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina (Sinjusc-SC), Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal em Pernambuco (Sintrajuf-PE), mandato popular do vereador Werner Rempel (Santa Maria-RS) e dezenas de contribuições individuais.

É permitida a reprodução do artigo desde que citada a fonte e os apoiadores.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Caio Teixeira

LEIA tAMBÉM

Prensa Latina
Prensa Latina: há 65 anos “a arma mais eficaz” de Cuba na defesa dos povos e da Revolução
Gustavo-Petro
Força popular contra golpismo: mais da metade da Colômbia apoia reformas de Petro
Chile-Venezuela (3)
Crise diplomática entre Chile e Venezuela dificulta políticas migratórias e investigações
Claudia Sheinbaum
Para mexicanos nos EUA, missão de Sheinbaum é criar empregos: "Não queremos sair do México"