Pesquisar
Pesquisar

10 anos a Áñez é "pouco" em comparação a dano causado à democracia da Bolívia

Juristas e ex-presidente do país Evo Morales comentaram a decisão emitida nesta sexta (10); Jeanine Áñez será julgada ainda por massacres e execuções
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
La Paz

Tradução:

Um tribunal de La Paz condenou, por unanimidade, nesta sexta-feira (10), a ex-senadora Jeanine Áñez e os ex-comandantes do Exército e da Polícia Williams Kaliman e Yuri Calderón, respectivamente, a dez anos de prisão.

Num processo designado como Golpe de Estado II, estes eram os três principais acusados da prática dos crimes de incumprimento de deveres e resoluções contrárias à Constituição e às leis, em Novembro de 2019.

No âmbito do mesmo processo, foram condenados os ex-comandantes das Forças Armadas Jorge Elmer Fernández e Sergio Orellana (quatro anos); o ex-comandante do Exército Jorge Pastor Mendieta (três anos) e o ex-chefe do Estado-Maior Flavio Gustavo Arce (dois anos), refere a Agencia Boliviana de Información (ABI).

Em declarações à imprensa, o ministro boliviano da Justiça, Iván Lima, afirmou que foi dado um “primeiro passo na recuperação da memória, verdade e justiça; nunca mais um golpe de Estado no país”.

Considerou ainda inadmissível, num contexto em que se procura preservar a independência da Justiça, o pedido de intervenção e “ingerência no país”, realizado por Carlos Mesa, do partido Comunidad Ciudadana (direita), para que a União Europeia e outros organismos internacionais garantissem que o derrube de Evo Morales foi uma “sucessão”.


Para Evo Morales, a sentença é “benigna”

Na sua conta de Twitter, Evo Morales, ex-presidente boliviano, afirmou que “dez anos de prisão é uma pena benigna em relação ao dano que [Áñez e os seus cúmplices] causaram à democracia”.

Também o advogado norte-americano Thomas Becker disse que a pena de dez anos de prisão para Jeanine Áñez “é pouco”. Em declarações à Bolivia TV, afirmou, ainda assim, que é “justo e importante”, para fazer “justiça às vítimas do golpe de Estado de Novembro de 2019”.

Juristas e ex-presidente do país Evo Morales comentaram a decisão emitida nesta sexta (10); Jeanine Áñez será julgada ainda por massacres e execuções

Asamblea Legislativa Plurinacional – Flickr

Depois de Jeanine Áñez, "devem ser indiciados os autores intelectuais da interrupção da ordem democrática", afirma ex-ministra

Lembrou, além disso, que o veredicto do tribunal diz apenas respeito ao processo inconstitucional da transição de Áñez e que ainda há um julgamento pendente, relativo aos massacres e às violações dos direitos humanos perpetrados pelo regime golpista.

“Dez anos é muito pouco para aquilo que se passou; mas dez anos para esta transição talvez seja justo, porque o outro julgamento é sobre os massacres, sobre a violência, as execuções sumárias, execuções extra-judiciais”, disse Becker à Bolivia TV.


Um “avanço importante”

Falando para a mesma cadeia de TV, a ex-ministra Teresa Morales disse que, para lá do número de anos que a sentença dita, o importante é que deixa claro que houve um golpe de Estado.

Partindo daí, defendeu que, agora, “devem ser indiciados os autores intelectuais da interrupção da ordem democrática: Luis Fernando Camacho, Carlos Mesa, Samuel Doria Medina e Tuto Quiroga”.

“Os autores intelectuais foram os que levaram Áñez a interromper a ordem constitucional”, disse, insistindo no seu processamento judicial.

Por seu lado, Jorge Richter, porta-voz da Presidência, destacou, em entrevista à Kawsachun Coca, que a sentença contra Áñez e as antigas altas chefias militares estabelece de forma clara que, nos dias 10, 11 e 12 de Novembro de 2019, a Constituição Política do Estado foi violada, com o apoio da Polícia e das Forças Armadas, para levar a cabo um golpe de Estado e constituir um governo golpista.

Richter referiu que este processo apenas julgou “uma questão pontual” e que constitui “um avanço importante”, embora “pareça insuficiente” perante “tanta indignação pelas ofensas” realizadas.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
Pierre-Yevenel-Stephan
Pierre Stephan: conheça o primeiro ginasta do Haiti a disputar as Olimpíadas em 124 anos
Fujimori-Peru
PL no Peru que pode deixar Fujimori impune e engavetar 600 crimes viola direito internacional
José_Carlos_Mariátegui
O Amauta, mais urgente do que nunca no Peru