Pesquisar
Pesquisar

20 anos após 11 de setembro, democracia dos EUA está mais ameaçada do que nunca

Vinte anos depois das guerras contra os “inimigos da democracia” ao redor do planeta, a democracia estadunidense hoje se encontra mais ameaçada do que nunca
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Agora com a saída ingloriosa do Afeganistão junto com o vigésimo aniversário do 11 de setembro e suas sequelas, nos Estados Unidos se reabre o debate sobre se esta conjuntura marca o princípio de fim desta república/império e sua paz (melhor bellum) americana. 

Alguns recomendam que os Estados Unidos deveriam recordar as lições do historiador grego Tucídides e sua opus magna “As guerra do Peloponeso” onde narra como uma república, a de Atenas, se desmoronou ao perpetuar suas guerras constantes, e onde de fato, uma pandemia ajudou a desintegrar o consenso cívico que a sustentava.

Talibã foi patrocinado pela CIA na Guerra Fria e hoje tomou poder no Afeganistão

Outros recordam como se afundou a república romana ao incrementar-se a retórica política violenta, o crescente desprezo pelas normas e uma crescente concentração de riqueza e poder, e sua transformação no império romano sob um governo com poder centralizado em um imperador (os historiadores odeiam, com toda a razão, este tipo de resumos gerais, mas se pede a eles um pouquinho de compreensão a jornalistas com espaços limitados). 

Chalmers Johnson, destacado politologo e autor de uma trilogia sobre o império e com uma carreira que incluiu ser assessor da CIA em fins dos anos sessenta, advertiu em 2009 que “uma nação pode ser… uma democracia ou imperialista, mas não ambas as coisas”.

Se apegar-se ao imperialismo, como a velha república romana sobre a qual tanto de nosso sistema foi baseado, perderá sua democracia e se tornará uma ditadura doméstica”.

A espiral de uma guerra sem fim entre Estados Unidos, Talibã e Afeganistão

Já havia advertido anteriormente que “estamos na cúspide de perder nossa democracia em troca de manter nosso império”. 

Vinte anos depois das guerras contra os “inimigos da democracia” ao redor do planeta, a democracia estadunidense hoje se encontra mais ameaçada do que nunca

Wikimedia Commons
“Uma nação pode ser… uma democracia ou imperialista, mas não ambas as coisas”

A utilização do 11 de setembro

Os atentados do 11 de setembro foram usados pela cúpula estadunidense para “unir o país” diante um novo inimigo para substituir o comunismo que se desmoronou com a União Soviética doze anos antes.

George W. Bush proclamaria uma nova guerra sagrada para impor a visão neoconservadora dentro e fora do país, afirmando quase de imediato que “ou estão conosco, ou estão com os terroristas”.  

Passaram-se vinte anos da chamada “guerra global contra o terror”, com mais de 6 guerras, milhões de mortos, feridos e deslocados, a violação massiva de direitos humanos e liberdades civis.

“Nem um só funcionário foi fiscalizado por crimes dos Estados Unidos durante a Guerra sobre o Terror”, denuncia Daniel Ellsberg, acusando que só os que revelaram estes delitos – entre eles Chelsea Manning, Edward Snowden, Julian Assange – foram perseguidos pela lei. 

“Delatar é um ato de patriotismo”: 50 anos após Pentagon Papers, Ellsberg denuncia perseguição dos EUA a jornalista

O jornalista Prêmio Pulitzer Chris Hedges escreve que “os poderes imperiais não perdoam aos que revelam suas debilidades ou tornam público os mecanismos internos sórdidos e imorais do império… As virtudes que proclamam apoiar e defender, usualmente no nome de sua civilização superior, são uma máscara do saque, da exploração de mão de obra barata, da violência indiscriminada e do terror estatal”. 

Esta semana as autoridades estão contemplando reinstalar as barreiras em torno do Congresso e autorizar o uso de força letal por autoridades ao seu redor, diante de uma manifestação convocada por ultradireitistas simpatizantes do neofascista Trump para demandar a libertação de quase 600 de seus companheiros presos pelas ações de janeiro, quando invadiram o Capitólio com a intenção de anular o processo eleitoral presidencial. Isto em um país onde o secretário de Segurança Interna e o procurador-geral concluíram que a maior ameaça terrorista aos Estados Unidos provém de extremistas brancos estadunidenses. 

Vinte anos depois

Vinte anos depois das guerras contra os “inimigos da democracia” ao redor do planeta, a democracia estadunidense hoje se encontra mais ameaçada do que nunca, mas agora por forças estadunidenses dentro de seu próprio país. 

O hubris é o ingrediente que detona todas as obras trágicas gregas, isso de se atrever a proclamar-se um deus (“nação indispensável” ou “farol da democracia”) acaba mal.

Outra tragédia grega?

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Onix Lorenzon representa a extrema direita brasileira
Aliança pela Liberdade: Coalizão conservadora de Eduardo Bolsonaro planeja fortalecer direita na Europa
putin
Narendra Modi e Vladimir Putin discutem a paz e a crise ucraniana
Macron1
Temendo Le Pen, esquerda salva Macron e recupera o “neoliberalismo cor-de-rosa”
França comemora resultado das eleições
Cannabrava | Maturidade e unidade: o exemplo que nos dá a França