Pesquisar
Pesquisar

20 anos após golpe a Jean-Bertrand, Haiti segue em luta contra violência imperialista

Após derrubada do presidente, em 29 de fevereiro de 2004, o país foi mergulhado numa crise de profunda miséria e violência que se arrasta até hoje
Sergio Rodríguez Gelfenstein

Tradução:

O povo do Haiti teve a audácia de iniciar o caminho da independência na nossa América. As potências coloniais reivindicaram-na ao longo de três séculos. Ainda hoje o país luta para conseguir a sua emancipação e para escapar à miséria em que esteve imerso.

Os movimentos de independência no Haiti começaram em 1790, combinados com insurreições de escravos e revoltas de mulatos que ecoaram a vitoriosa Revolução Francesa um ano antes na metrópole. O assédio das monarquias europeias à revolução triunfante em Paris foi replicado nas colônias, territórios desejados pelas casas governantes do Velho Continente.

Os patriotas haitianos que lutaram contra a escravatura, a exclusão e a independência fizeram uma aliança táctica com Espanha para enfrentar todos os flagelos que constrangiam o seu presente e futuro. Toussaint Louverture destacou-se como o principal líder, tornando-se o pai da independência do Haiti. Como vice-governador quando a independência ainda não havia sido alcançada e Hispaniola estava dividida em duas partes, desenvolveu um programa econômico gradual que encontrou resistência pelas classes altas da sociedade, próximas à França, e também pelas pessoas que queriam a separação definitiva do país.

Internacionalmente, Louverture buscou apoio nos Estados Unidos, o que foi uma demonstração de autonomia que Napoleão não pôde aceitar, enviando um exército em 1801 com a missão de impor o controle sobre o Haiti e criar um grande império francês na América que uniria sua colônia no Caribe com Louisiana que faz fronteira com o rio Mississippi na América do Norte.

Toussaint foi forçado a capitular perante o poderoso exército francês, mas o processo de independência e libertação social do Haiti não parou; a insurreição irrompeu com maior força sob o comando de um novo líder, Jean Jacques Dessalines, que desencadeou uma guerra até à morte contra os brancos e os franceses até 1º de janeiro de 1804, quando a independência foi declarada. A França e todas as potências coloniais nunca perdoaram o Haiti e juraram fazê-lo pagar caro pela sua audácia… até hoje.

Embora Dessalines tenha proclamado o seu apoio a Francisco de Miranda e à luta pela independência nas colónias do sul da América, os seus erros na gestão governamental e a sua irrestrição face ao poder levaram à sua derrota e morte em 1806, depois o país foi dividido. No sul assumiu a liderança Alexander Petión, que recebeu Simón Bolívar em 1816, dando-lhe ajuda material, financeira e moral, sem a qual teria sido impossível continuar a luta emancipatória no continente com a rapidez com que o Libertador a organizou. Esta é outra razão para as potências coloniais condenarem o Haiti para sempre.

A chegada do século XX trouxe o surgimento dos Estados Unidos como uma potência imperial mundial. Tal como a derrota do colonialismo espanhol levou ao controlo neocolonial britânico, deu agora lugar aos Estados Unidos na sua fase de desenvolvimento imperialista. Assim, Washington assumiu a “responsabilidade” de fazer o Haiti pagar pela sua decisão de ser livre e soberano um século antes. O país já era o mais pobre do Hemisfério Ocidental e continua assim até hoje.

Continua após a imagem

Após derrubada do presidente, em 29 de fevereiro de 2004, o país foi mergulhado numa crise de profunda miséria e violência que se arrasta até hoje

Foto: LIBERIASTORY / Wikimedia Commons
Jean-Bertrand Aristide foi sequestrado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos e retirado violentamente do país

Em 1910, os Estados Unidos iniciaram uma série de intervenções de todos os tipos no Haiti. Naquele ano, usando como argumento o Corolário Roosevelt da Doutrina Monroe, o governo do presidente republicano William H. Taft enviou unidades navais e um Corpo de Fuzileiros Navais para fornecer “proteção” a um grupo de banqueiros que sob coação “comprou” o Banco Nacional do Haiti, administrando-o a partir de então como uma filial de Wall Street. Alguns anos mais tarde, em 1915, o presidente democrata Woodrow Wilson imitou o seu antecessor ao ordenar a invasão do Haiti, colocando o seu governo, exército, alfândegas e finanças sob a administração de Washington, transformando o país num protetorado de facto ou, visto de outra forma, em uma colônia dos Estados Unidos, cujas forças armadas permaneceram no país por 18 anos até 1933, quando uma Constituição elaborada nos Estados Unidos foi imposta ao Haiti. As tropas de ocupação assassinaram milhares de cidadãos durante os anos de controlo da nação caribenha.

A instabilidade sob o controlo dos EUA continuou durante quase 25 anos até que François Duvalier foi entronizado no poder em 1957, que governou como presidente vitalício, levando a cabo massacres brutais, perseguições, prisões, desaparecimentos e tortura contra líderes da oposição e a população civil, tudo em plena luz do dia vista do governo dos Estados Unidos que sempre apoiou tais ações. Após a morte de Duvalier, ele foi sucedido por seu filho, que continuou as “políticas” de seu pai até ser deposto em 1986.

Parecia que o Haiti poderia iniciar o seu encontro com a democracia e com ela o progresso e o desenvolvimento. Em junho de 1988 ocorreram eleições nas quais Leslie Manigat triunfou, tornando-se o primeiro presidente eleito em mais de 30 anos. No entanto, foi rapidamente deposto, inaugurando um período de governos militares curtos e instáveis até a eleição de Jean-Bertrand Aristide em 1991, que também foi deposto, mas reinstaurado no poder graças à pressão internacional, mas em 2004 quando o país comemorava o bicentenário da independência, os Estados Unidos organizaram um golpe para derrubar Aristide, mergulhando o Haiti numa crise de proporções gigantescas.

Aristide foi sequestrado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos e retirado violentamente do país da mesma forma que o faria o presidente Manuel Zelaya de Honduras alguns anos depois. O evento produziu fortes incidentes que levaram à violência generalizada.

A África do Sul, destino final de Aristide, exigiu da ONU uma comissão de inquérito sobre a derrubada de Aristide, mas este pedido nunca foi ouvido. Em troca, a ONU criou uma força de ocupação militar sob o nome duvidoso de “Missão de Estabilização das Nações Unidas”. Não foi capaz de cumprir a sua missão, nem de estabilizar o país. Pelo contrário, os Estados Unidos, que foram a causa do problema, dificilmente poderiam ser os promotores da solução, utilizando o seu direito de veto no Conselho de Segurança da ONU para impedir qualquer decisão que aponte para um resultado favorável para o Haiti, conseguindo, a seu favor, ao capricho do contingente militar subordinado aos seus interesses.

As tropas da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH) cometeram inúmeros crimes e violações contra a população da ilha. O pior? Entre suas fileiras estavam contingentes de tropas da Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e outros países “irmãos” da região.

O contingente da ONU tornou-se uma nova praga para o Haiti. Já em 2005 realizaram um terrível massacre na cidade de Soleil, causando dezenas de mortes, incluindo mulheres e crianças. A isto somam-se os contínuos estupros de mulheres indefesas da população humilde e a sua incapacidade de enfrentar as calamidades de um país que tiveram que estabilizar. Esta força de ocupação, que contava com quase 11.000 membros entre militares, policiais e oficiais e que esteve sob o comando das forças armadas de 20 países, incluindo 9 da América Latina, é uma vergonha para a ONU, tornando-se um novo flagelo que atingiu o país.

Em janeiro de 2010, ocorreu um enorme terremoto que devastou todo o país, causando mais de 300.000 mortos, 350.000 feridos, um milhão e meio de desalojados e a destruição quase total das frágeis infraestruturas do país. Embora tenha chegado ajuda internacional que permitiu aliviar em certa medida a monumental crise humanitária gerada, foi insuficiente, servindo apenas como argumento para uma nova intervenção americana com 20 mil fuzileiros navais, cuja mentalidade imperial não ajudou muito a extinguir a angústia de um povo desarmado.

Pelo contrário, a crise foi utilizada por pessoas sem escrúpulos para lucrar com o sofrimento do povo haitiano. O caso mais descarado e repulsivo é o do ex-presidente Bill Clinton que usou a sua fundação para desenvolver um plano de emergência e reconstrução que recebeu milhares de milhões de dólares ao desviar ilegalmente parte dessa ajuda, embolsando uma percentagem. Para o Haiti, a Fundação Clinton recebeu muito mais dinheiro do que enviou ao país como ajuda humanitária, como já tinha feito em Moçambique, na Papua-Nova Guiné e com o furacão Katrina em Nova Orleans, roubando enormes quantidades de recursos, utilizando os seus contatos em Washington para evitar ser auditado ou sujeito ao controlo da utilização da gigantesca ajuda recebida. Outra expressão da imunda moralidade imperial e do castigo a que o país caribenho continua a ser submetido.

Hoje, o povo haitiano luta mais uma vez pelos seus direitos e contra a intenção do presidente Jovenel Moïse, fantoche instalado pelos Estados Unidos, de prolongar ilegalmente o exercício do poder, apoiado pela força e pela repressão levada a cabo por organizações paramilitares criadas para suprimir a insurreição rebelde.

Para a Venezuela, a solidariedade com o Haiti é uma dívida eterna; não se sabe quanto tempo o exército republicano teria levado para alcançar a liberdade e quantas vidas mais teriam sido perdidas se Bolívar não tivesse recebido a ajuda solidária e altruísta do presidente Petión. A nossa independência e a nossa emancipação – bem como a das outras cinco nações que Bolívar libertou – estão inextricavelmente ligadas ao Haiti. Nessa medida, tudo o que fazemos é pouco. O Haiti não precisa dos militares, precisa de ajuda ao desenvolvimento e, nesta situação atual, de apoio moral e de solidariedade para derrotar o sátrapa que governa sob os ditames de Washington.

Sergio Rodriguez Gelfenstein | Canal Abierto


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Sergio Rodríguez Gelfenstein Consultor e analista internacional venezuelano, formado em Relações Internacionais pela Universidade Central da Venezuela, Magna Cum Laude, e mestre em Relações Internacionais pela mesma universidade. Candidato a Doutor em Estudos Políticos pela Universidad de los Andes (Venezuela)

LEIA tAMBÉM

Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito
Embajada_de_México_en_Ecuador
México pede medidas cautelares devido à invasão da embaixada em Quito e CIJ rejeita
Luis-Abinader
Haiti gravita sobre o novo mandato dominicano de Luis Abinader
Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina