Pesquisar
Pesquisar

500 intervenções militares: o rastro de destruição dos EUA pelo mundo desde 1776

Segundo estudo, mais de 60% das ações ocorreram entre 1950 e 2017; montante não considera outras formas de interferência, como operações de inteligência
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

O encarregado do hemisfério ocidental da Casa Branca declarou em um fórum em Cartagena na semana passada que “há 40 anos, os Estados Unidos haveriam feito todo o possível para evitar a eleição de Gustavo Petro”, e que, uma vez diante de alguém como ele no poder, “fariam quase tudo o possível para sabotar seu governo”. Mas isso são políticas da Guerra Fria, argumentou, e hoje em dia, para o governo estadunidense, já “não importa a ideologia”…, mas sim, se um governo é “eleito e governa democraticamente”.

Alguns ressaltaram a “honestidade” da declaração de Juan Gonzalez e deram as boas-vindas à mensagem de que Washington já não buscará intervir em outros países por diferenças “ideológicas”. Mas, para outros, só se confirmou que Washington continua proclamando que é juiz e júri sobre quem é democrático ou não, e por trás disso, mantendo seu direito implícito de intervir.

De fato, os Estados Unidos não só continuam intervindo por todo o mundo, mas também, considerando apenas intervenções militares, o estão fazendo mais frequentemente do que nunca na era pós Guerra Fria – ou seja, nos últimos 40 anos.

Washington realizou mais de 500 intervenções militares internacionais – definidas como aquelas que incluem tanto deslocamentos como ameaças de uso de força, operações encobertas e outras de baixo perfil – desde 1776 até a presente data. Quase 60% dessas intervenções ocorreram entre 1950 e 2017, e mais de 25% do total ocorreu desde o fim da Guerra Fria, segundo uma nova investigação do Military Intervention Project (MIP), da Universidade Tufts, resumida pelo Responsible Statecraft.

Leia também: As 7 guerras patrocinadas pelos EUA neste século deixaram 3 milhões de mortos; relembre

34% do total de intervenções militares foram contra países na América Latina e no Caribe, segundo o MIP. Os diretores desse projeto assinalam que “com o fim da era da Guerra Fria, se esperava que os Estados Unidos tivessem reduzido suas intervenções militares no estrangeiro… mas estes padrões revelam o oposto – os Estados Unidos incrementaram seu envolvimento militar no estrangeiro”.

Tudo isso sem incluir outras formas tradicionais de intervenção em outros países, como as operações de inteligência e projetos de apoio a forças opositoras dentro de outras nações, sob diversas justificativas e disfarces, que usam fundos de Washington não só para influir na política interna desses países, mas também nos casos plenamente documentados de Cuba e Venezuela, entre outros, com o fim de promover “trocas de regime” até hoje em dia.

Segundo estudo, mais de 60% das ações ocorreram entre 1950 e 2017; montante não considera outras formas de interferência, como operações de inteligência

U.S. Army Korea – Flickr

EUA aceitariam que outros países invistam milhões de dólares em novos centros e ONGs dentro de seu país dedicadas a mudar sua constituição?

Washington aceitaria programas impulsionados por outros governos para influir na política interna de seu país, incluindo fomentar dissidência política e até ações diretas com o propósito de promover uma “troca de regime”? Aceitaria que outros países invistam milhões de dólares em novos centros e ONGs dentro de seu país dedicadas a julgar e promover mudanças em sua constituição, em seu sistema de justiça, em assuntos de direitos civis e humanos? Talvez se devesse oferecer assistência direta aos Estados Unidos para a defesa de sua democracia que agora está sob ameaça existencial.

Talvez seja hora dos opositores do intervencionismo ao redor do mundo se reencontrarem com as figuras e forças anti-imperialistas dentro dos Estados Unidos ao longo de sua história, entre eles: o grande abolicionista afro-estadunidenses Frederick Douglass, o qual se proclamou contra a guerra contra o México em meados do século 19; Mark Twain, que ajudou a fundar a Liga Anti-imperialista no fim desse século; seguidos por Emma Goldman, Helen Keller e o líder socialista Eugene Debs contra o jogo imperial da Primeira Guerra Mundial; Décadas mais tarde, com o anti-imperialista Martin Luther King, durante a Guerra no Vietnã; mais recentemente, os incontáveis opositores às intervenções estadunidenses na América do Sul e na América Central, Oriente Médio e África durante os últimos 40 anos. Assim, poderiam proclamar juntos que os juízes da democracia devem ser os povos, e não os que têm mais dólares e armas.

Bônus Musical – Grateful Dead – U.S. Blues

David Brooks, correspondete do La Jornada em Nova York.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso