Pesquisar
Pesquisar

75 anos após a Nakba, refugiados palestinos lutam pelo Direito de Retorno às suas casas

Cerca de 500 aldeias e cidades palestinas foram despovoadas ou destruídas a partir de 1948, no início da grande catástrofe palestina
Jehan Alfarra
Monitor Do Oriente Médio
Londres

Tradução:

A Nakba, palavra árabe para ‘catástrofe’, refere-se ao êxodo palestino de 1948, onde mais de 750 mil palestinos foram expulsos ou forçados a fugir de suas casas e aldeias sob o ataque de milícias sionistas em uma tentativa de estabelecer um estado judeu.

Dia de Nakba 1948 – Cartum [Carlos Latuff / Monitor do Oriente Médio]

David Ben-Gurion, chefe executivo da Organização Sionista Mundial na época e mais tarde primeiro-ministro de Israel, declarou o estabelecimento do Estado de Israel em 14 de maio de 1948 com o término do mandato britânico sobre a Palestina em 15 de maio. Esta data seria mais tarde celebrada pelos israelenses como o Dia da Independência e marcada pelos palestinos como o Dia da Nakba.

O primeiro grande êxodo ocorreu entre 1947 e 1949 após a divisão da Palestina pelas Nações Unidas, quando uma guerra em grande escala eclodiu entre os árabes da Palestina e os países árabes vizinhos de um lado, e as forças judaicas do outro.

A Nakba que não tem fim, 1948 é todo dia

Nos três anos de maio de 1948 até o final de 1951, cerca de 700 mil judeus se estabeleceram no recém-fundado estado de Israel e os palestinos deslocados pelas forças israelenses não tiveram permissão para retornar.

Cerca de 500 aldeias e cidades palestinas foram despovoadas ou destruídas a partir de 1948, no início da grande catástrofe palestina

Alisdare Hickson/Flickr
Quando fugiram de suas casas entre 1947 e 1949, palestinos levaram as chaves com eles acreditando que seu retorno era iminente




Refugiados de primeira geração

Os palestinos que foram forçados a sair como resultado de ataques diretos em suas cidades e aldeias ou fugiram por medo de massacres por milícias judaicas são agora conhecidos como refugiados de primeira geração.

Após o êxodo em massa, a Agência das Nações Unidas de Assistência e Trabalho (UNRWA) foi criada para fornecer temporariamente ajuda humanitária aos refugiados nas áreas vizinhas para as quais fugiram até seu retorno, mas a Assembleia Geral da ONU renovou repetidamente o mandato da UNRWA enquanto se aguarda a resolução justa da questão dos refugiados palestinos.

Assista na TV Diálogos do Sul

Quando os campos de refugiados foram montados para os palestinos após o estabelecimento de Israel, a UNRWA cuidou de cerca de 750 mil refugiados. Hoje, existem cerca de cinco milhões de refugiados palestinos registrados na UNRWA, pois a agência concede o status de refugiado aos descendentes da primeira geração de refugiados de acordo com o princípio da descendência patrilinear.

Continua após o banner

O status legal dos palestinos da diáspora varia de um país anfitrião para outro. A Liga Árabe instruiu seus membros a negar a cidadania aos refugiados palestinos ou seus descendentes “para evitar a dissolução de sua identidade e proteger seu direito de retornar à sua terra natal”.

A Jordânia é a única nação árabe que integrou um grande número de palestinos como cidadãos de pleno direito, deixando milhões de palestinos no Líbano, Síria e países do Golfo sem Estado.

Refugiados de Terceira Geração

Os netos dos sobreviventes da Nakba são conhecidos como refugiados de terceira geração e representam o maior número de refugiados palestinos hoje, muitos deles vivendo sob ocupação nos Territórios Ocupados, enquanto outros continuam a viver em campos de refugiados nos países árabes vizinhos ou como estrangeiros na diáspora.

“Refugiados que desejam retornar para suas casas e viver em paz com seus vizinhos devem ser autorizados a fazê-lo o mais cedo possível, e que a compensação deve ser paga pela propriedade daqueles que optam por não retornar e pela perda ou dano à propriedade…”

Segundo a ONU, refugiados da Palestina são definidos como “pessoas cujo local de residência normal foi a Palestina durante o período de 1º de junho de 1946 a 15 de maio de 1948 e que perderam suas casas e meios de subsistência como resultado do conflito de 1948”.

Continua após o banner

Israel, no entanto, sustenta que o retorno dos palestinos às suas casas “ameaça” seu caráter judaico, no que os críticos consideram uma demonstração de discriminação religiosa e étnica contra as populações indígenas palestinas muçulmanas e cristãs, particularmente porque judeus de todo o mundo são permitidos para imigrar para Israel sob a “Lei do Retorno” de Israel.

O problema dos refugiados palestinos é, sem dúvida, uma questão politicamente carregada e tem sido um ponto focal no conflito. Hoje, a UNRWA está gravemente subfinanciada, deixando milhões de refugiados em campos nos Territórios Ocupados, Síria, Líbano e Jordânia extremamente vulneráveis.

A população refugiada mais velha do mundo vê o direito de retorno como um componente essencial de uma solução abrangente para o conflito palestino-israelense, abordando as injustiças históricas contra a população indígena não-judaica.

Em 2018, uma manifestação em massa e sit-in de seis semanas, apelidada de Grande Marcha de Retorno, teve início na sitiada Faixa de Gaza em 30 de março, pedindo a implementação do Direito de Retorno. Destinado a culminar no Dia da Nakba daquele ano, a manifestação foi uma das maiores, mais longas e mortíferas das últimas sete décadas, onde dezenas de milhares de palestinos convergiram na fronteira leste da Faixa com Israel reafirmando seu direito de retornar às suas casas e aldeias ancestrais em Palestina histórica.


Aldeias anteriores a 1948

Durante a Nakba, cerca de 500 aldeias e cidades palestinas foram despovoadas ou destruídas. Muitos deles foram reassentados por imigrantes judeus ou reconstruídos como cidades judaicas e receberam nomes hebraicos.

No entanto, os palestinos mantiveram vivas as memórias de seus lares e aldeias ancestrais ao longo das décadas. Quando fugiram de suas casas entre 1947 e 1949 , levaram as chaves com eles acreditando que seu retorno era iminente. Essas chaves foram passadas de geração em geração, juntamente com escrituras de terras.

Vários projetos foram lançados para preservar a história de cerca de 500 aldeias palestinas despovoadas ou destruídas. Em 15 de maio de 2014, um aplicativo móvel gratuito chamado iNakba foi lançado em árabe, inglês e hebraico por uma ONG israelense chamada Zochrot com a esperança de “familiarizar a população judaica de Israel com os fatos de seu passado”.

“A partir de 1948, Israel apenas apagou a Palestina e suas localidades e herança cultural. Então colocamos a Palestina de volta no mapa.”

Alimentado por mapas do Google, o aplicativo “fornece coordenadas e mapas de localidades palestinas que foram completamente demolidas e obliteradas após sua captura, parcialmente demolidas ou permaneceram de pé, embora seus residentes tenham sido expulsos”.

Alfinetes marrons no mapa do Google da região significam cada uma das 500 aldeias históricas. Clicar em um alfinete revela detalhes sobre a vila, incluindo seu nome anterior, tamanho da população e seu destino após 1948. Estão também disponíveis fotos, vídeos e testemunhos de algumas aldeias, podendo os utilizadores carregar os seus próprios conteúdos.

Ao norte da estrada de entrada para Jerusalém fica Lifta, uma das poucas aldeias palestinas que permaneceram praticamente intactas após os ataques israelenses entre 1947 e 1949. É a única aldeia palestina que não foi repovoada ou destruída após o despejo de seus residentes, e a maioria das casas deixadas em Lifta permanecem desocupadas.Faixada das casas de Lifta [Foto Lina Bakr]

Os palestinos veem Lifta como um testamento permanente e um símbolo da Nakba. Os moradores da vila e seus descendentes que foram forçados a sair em 1948 – conhecidos hoje como Liftawis – não tiveram permissão para voltar para suas casas, alguns deles morando a apenas alguns quilômetros de distância, na Jerusalém Oriental ocupada.

Lifta está sob ameaça de demolição há anos, desde que a Administração de Terras de Israel aprovou um plano de redesenvolvimento para construir moradias de luxo para judeus na vila. Uma coalizão improvável de ativistas palestinos e judeus, incluindo os descendentes dos antigos moradores da vila, bem como arquitetos, planejadores e preservacionistas, contestou o plano.

Os apelos para a rejeição do plano de redesenvolvimento e para a proteção de Lifta continuam a aumentar. A área é descrita como um lugar único de herança e memória para o benefício de todos os cidadãos de Jerusalém. Foi nomeado como um dos 25 locais ameaçados de extinção na lista World Monuments Watch de 2018.

Hoje, Lifta está na lista de locais provisórios do patrimônio mundial da UNESCO por apresentar “testemunho único da vida tradicional da aldeia”.

Um vídeo publicado no YouTube em 2012 mostra uma visita única a Lifta por um sobrevivente do Holocausto e um palestino que foi expulso desta aldeia em 1947.

Jehan Alfarra | Monitor do Oriente


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Jehan Alfarra

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes