Pesquisar
Pesquisar

80 anos e três jornadas de trabalho: a vida de uma guatemalteca indocumentada nos EUA

Soledad encerra o terceiro emprego ao fim da madrugada. Sumamente cansada, sente falta de quando suas noites terminavam ao anoitecer
Ilka Oliva Corado
Diálogos do Sul
Território Estadunidense

Tradução:

Só falta amarrar o cordão do tênis e está pronta, com seu uniforme bem passado e seu cabelo cuidadosamente preso, Soledad está para começar sua terceira jornada de trabalho. Espia pela porta da cozinha e vê o salão completamente lotado, calcula pelo menos umas quinhentas pessoas que têm que ser servidas pelos seis que atendem às mesas, três mulheres e três homens.

Nas manhãs, trabalha como costureira em uma lavanderia, os remendos que faz engordam a carteira do dono, a ela lhe paga uma mínima quantidade, mas que lhe serve para ajudar a pagar o aluguel da casa onde mora com seus filhos. À tarde limpa casas e sai exausta para o salão de banquetes onde trabalha todas as noites, e onde lhe pagam menos do que o salário mínimo, como acontece com a maioria dos indocumentados no país.

Migrou há 35 anos, quando tinha 45. Nos Estados Unidos, o tempo para os indocumentados passa mais rápido que para qualquer outra pessoa. Quando percebem, já foram décadas sem ver os seus familiares em seus países de origem, e as crianças que deixaram usando fraldas rapidamente lhes convertem em avós. O caso de Soledad não é muito diferente, só que ela com esforço pôde mandar trazer seus filhos também de forma indocumentada.

Imigrantes indocumentados: da violência na terra natal à exploração trabalhista nos EUA

Originária de Huitán, Quetzaltenango, Guatemala, Soledad pertence à etnia mam, fala seu idioma materno só com os filhos porque ao longo dos anos em que mora no país não viu ninguém da sua etnia. Tampouco aprendeu mais que as palavras básicas em inglês. O que aprendeu nos Estados Unidos foi o espanhol, porque está rodeada de mexicanos e centro-americanos.

Nunca comprou um par de sapatos novos, o que economizou foi para mandar trazer seus filhos que, da mesma forma que ela, trabalham no serviço de banquetes durante as noites, mas em diferentes lugares. Os netos nasceram nos Estados Unidos e não quiseram aprender o idioma dos seus pais nem de sua avó, falam inglês e quando falam espanhol o fazem como mexicanos. Nenhum dos netos quer seguir para a universidade, o que deixa Soledad triste, porque vê seu esforço jogado no lixo.

Soledad encerra o terceiro emprego ao fim da madrugada. Sumamente cansada, sente falta de quando suas noites terminavam ao anoitecer

Unsplash
Soledad não esperava uma vida assim para seus filhos e tampouco tanta desesperança como a que sente com seus netos

Outro dia, sua filha mais velha lhe deu dinheiro para que finalmente colocasse a dentadura, e assim pudesse mastigar bem os alimentos sem lhe doer as gengivas ao fazê-lo. Mas com a artrite nos seus joelhos, em suas cadeiras e nos punhos, seus filhos não podem fazer nada. Soledad tem que aguentar a dor e continuar trabalhando porque, se deixa de fazê-lo, então não conseguiriam pagar o aluguel.

Termina de prender bem o cabelo, pega a primeira bandeja com pratos de salada e começa a colocá-los nas mesas. A noite é longa e está apenas começando. Com os oitenta anos que vai completar logo, Soledad se sente sumamente cansada, quisera que suas noites terminassem ao escurecer e não ao amanhecer, como lhe acontece há mais de vinte anos. Mas algum dia será, pensa sempre. Agora não para de levar e trazer bandejas de comida alheia para alegria dos comensais e dos festeiros. Quando todos vão embora ao amanhecer, seus filhos são os encarregados de fazer a limpeza do lugar.

Soledad não esperava uma vida assim para seus filhos e tampouco tanta desesperança como a que sente com seus netos, mas tem bem claro que sua vida é melhor nos Estados Unidos que na Guatemala, onde além da pobreza seus netos teriam vivido o racismo extremo que sente o mestiço contra o indígena. Soledad não perde a esperança que um dia as coisas melhorem e consiga os papéis para ir visitar sua única irmã viva que continua esperando por ela desde o dia em que foi embora. Enquanto isso, segue nas corridas da luta do dia a dia dos indocumentados.

Ilka Oliva Corado | Colaboradora da Diálogos do Sul em território estadunidense
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ilka Oliva Corado Nasceu em Comapa, Jutiapa, Guatemala. É imigrante indocumentada em Chicago com mestrado em discriminação e racismo, é escritora e poetisa

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)