Pesquisar
Pesquisar

8M na Guatemala: há 6 anos, 56 meninas eram queimadas vivas em abrigo, por ação do Estado

41 meninas morreram calcinadas e apenas 15 sobreviveram, condenadas à viver cobertas de queimaduras e com graves consequências físicas e psicológicas
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Para mim, o 8 de março não é de um dia de saudações e parabéns. É um dia para registrar uma das tragédias mais cruéis e impactantes ocorridas em nosso continente: a condenação à morte de 56 meninas no Lar Seguro Virgem da Assunção, na Guatemala, perpetrada pelo Estado guatemalteco sob a presidência de Jimmy Morales, quem deu diretamente a ordem de mantê-las encerradas e desse modo as condenou a uma morte atroz, queimadas vivas, em 2017.

Nesse dia o Congresso permaneceu em silêncio. Também a Corte Suprema de Justiça, a Polícia e o Ministério Público. Todos cúmplices de um ato inqualificável. As telas de televisão mostraram tudo em detalhe, mas, até hoje, os culpados escaparam à ação da justiça, começando pelo ex-mandatário. 

Hogar Seguro Virgen de la Asunción: tragédia que não cala

Durante os dias subsequentes, os comentários se dividiam entre aqueles que experimentavam o horror pela tragédia e aqueles, fazendo eco dos preconceitos atávicos de uma sociedade dividida, culparam as vítimas por seu próprio holocausto.

Essas meninas, como havia denunciado a jornalista Mariela Castañón em detalhadas reportagens no diário La Hora, eram vítimas de abusos em uma instituição administrada pela Secretaria de Bem-estar Social da Presidência da Guatemala, cuja missão é proteger crianças e adolescentes de maus tratos e abandono.

Em denúncias posteriores, se comprovou que as meninas eram violadas e sofriam castigos extremos, além de privação de alimentos e atendimento em saúde e educação. Também se denunciou que esse centro se havia transformado em um local de tráfico sexual, onde as internas eram submetidas à prostituição e ao silêncio. 

Isto sucedeu em um 8 de março e não podemos esquecê-lo. Nesse dia, 41 meninas morreram calcinadas e apenas 15 sobreviveram, se é que se pode chamar sobrevivência à condenação de viver cobertas de queimaduras e com graves consequência físicas e psicológicas. Como consequência do abuso sofrido, receberam ameaças para impedir que falem sobre os verdadeiros fatos que as levaram a protestar. 

Lares Seguros: Quem tem medo da verdade do que aconteceu entre os muros?

O 8 de março não é um dia de felicitações nem mensagens doces. É uma data para recordar quanto caminho falta para alcançar a igualdade de direitos, para deter o abuso contra mulheres, adolescentes e meninas em um marco de sociedades patriarcais indiferente à sua situação de iniquidade. O 8 de março é um dia para envergonhar-nos por nossa submissão ante um sistema patriarcal retrógrado e perverso.

É hora de assumir nossa responsabilidade neste cenário de injustiça e lutar contra a falta de sensibilidade humana daqueles que, desde o poder, permitem tragédias como esta. 

Carolina Vásquez Araya | Colaboradora da Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza