Pesquisar
Pesquisar

8º Festival de Cinema Latino-Americano no Memorial da América Latina

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

FLA8 LOGO .inddMemorial da América Latina, Cinesesc, Cinemateca Brasileira, Cinusp Paulo Emílio e Cinusp Maria Antônia recebem  a 8ª edição do Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, que acontece de 11 a 18 de julho. O evento que tem entrada franca, traz este ano grandes  sucessos do novo cinema Latino-Americano.

Entre os destaques da programação deste ano está o novo longa-metragem do renomado ator-diretor cubano Jorge Perugorría, “Amor Crônico”. Misto de documentário e ficção, com doses bem-humoradas de música, estrada e delírio, a obra acompanha a turnê da cantora Cucu Diamantes, radicada nos Estados Unidos, em seu retorno à ilha de Cuba. Cucu é a primeira cantora radicada fora do país a fazer uma turnê em Cuba em mais de 50 anos. Cucu Diamantes e Andrés Levin (produtor do filme), têm presença confirmada no Festival.

Também com presença confirmada em São Paulo, as cineastas uruguaias Ana Guevara e Leticia Jorge apresentam seu “Tanta Água”, obra que conquistou o prêmio da crítica no Festival de Cartagena de Indias (Colômbia), o prêmio de melhor obra de diretor estreante no Festival de Guadalajara (México) e o grande prêmio do júri no Festival de Miami (EUA). “Tanta Água” é uma comédia sobre relações familiares e afetivas a partir do ponto de vista de uma adolescente em férias.

A representação brasileira no 8º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo inclui várias pré-estreias de longas inéditos, como “New Gaza” de Rita Martins Tragtenberg; “A Moda é Viola”, de Reinaldo Volpato; e “Jardim Europa”, de Mauro Baptista Vedia. Outros títulos nacionais programados fazem sua primeira exibição em São Paulo: “Os Dias Com Ele”, de Maria Clara Escobar, duplamente premiado na Mostra de Tiradentes 2013 (melhor filme pelo júri da crítica e pelo júri jovem); “Mazzaropi”, de Celso Sabadin; e “Doce Amianto” de Guto Parente e Uirá dos Reis.

O 8º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo preparou homenagens a nomes fundamentais na difusão da cinematografia da região. É o caso do crítico e ensaísta brasileiro José Carlos Avellar, autor do livro “A Ponte Clandestina – Teorias de Cinema na América Latina” (1995), ex-vice-presidente da Fipresci (Associação Internacional de Críticos de Cinema) e gestor cultural com passagens pela Cinemateca do MAM-RJ, Embrafilme, RioFilme e Petrobrás.

Avellar recebeu carta branca do Festival para compor uma mostra retrospectiva ao lado do uruguaio Manuel Martinez Carril, outro homenageado em 2013. Carril é jornalista, crítico de cinema, pesquisador, organizador de cursos, programador, dirigente e criador dos festivais da cinemateca uruguaia, reconhecida como uma das mais importantes do mundo e grande responsável pela aproximação das produções da América do Sul com o público uruguaio.

Na programação de produções marcantes da cinematografia latino-americana especialmente preparada pela dupla Avellar/Carril destacam-se o chileno “Nostalgia da Luz (de Patrício Guzmán), o mexicano “Cobrador” (Paul Leduc), o argentino “Tangos, O Exílio de Gardel” (Fernando Solanas) e os brasileiros “Terra Estrangeira” (Walter Salles e Daniela Thomas) e “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (Glauber Rocha).

Também merece homenagem no 8º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo o realizador Guido Araújo, criador e responsável pela Jornada Internacional de Cinema da Bahia.  O evento baiano, criado em 1972, é um dos mais antigos festivais de cinema do país, sendo voltado principalmente para documentário e para o cinema de caráter social e político. São exibidos três filmes dirigidos por Araújo: “Feira da Banana” (1970), “Festa de São João no Interior da Bahia” (1978) e “Lambada em Porto Seguro” (1990).

Foi na Jornada da Bahia, em 1973, que ocorreu a criação da ABD – Associação Brasileira de Documentaristas e Curtas-Metragistas. Sua seção São Paulo, a ABD-SP, comemora os 40 anos da entidade com uma série de atividades incluídas na programação do 8º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo. Entre elas, uma série de mesas de debate e uma retrospectiva com curtas e longas-metragens, como “Noites Paraguayas” (1982), de Aloysio Raulino, um dos fundadores da ABD e recentemente falecido.

Filmes recentes realizados em coprodução envolvendo pelo menos dois países da América do Sul concorrem ao Prêmio Itamaraty para o Cinema Sul-Americano. Iniciativa do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, a premiação confere R$ 90 mil ao vencedor, que é eleito por um júri internacional.

Entre outros, concorre à premiação o longa-metragem argentinos “Deshora”, selecionado para o Festival de Berlim, que focaliza um casal que vive nas montanhas ao noroeste do país e recebe um parente recém saído da reabilitação.

Outro concorrente é a animação uruguaia “AninA”, de Alfredo Soderguit, que tem despertado entusiasmo no circuito internacional por sua beleza especial. O longa combina o movimento dos personagens com fundos dignos de livros ilustrados infantis, alcançando resultado de sabor artesanal. O ator Cesar Troncoso (da telenovela “Flor do Caribe” e do longa “Hoje”, de Tata Amaral) empresta sua voz ao personagem pai da protagonista AninA.

Seção tradicional do Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, a competição de escolas audiovisuais da América Latina traz curtas e médias-metragens de graduação das mais importantes instituições do gênero sediadas no Brasil, Argentina e México, entre outros países. O objetivo da iniciativa, realizada em parceria com a CIBA-CILECT (a regional ibero-americana do Centre International de Laison des Écoles de Cinéma et Telévision) é revelar os talentos cinematográficos latino-americanos.

Os 100 anos do movimento cineclubista internacional também ganha espaço na grade do festival. Está prevista uma sessão ao ar livre, no Memorial da América Latina, com exemplares da produção de filmes anarquistas feita pelo cineclube Cinema do Povo, criado em 1913 na França.

As relações entre o cinema e a televisão também merecem foco no evento. Estão programados quatro telefilmes recentes realizados através de parceria entre a TV Cultura e a Secretaria de Estado da Cultura (“E Além de Tudo Me Deixou Mudo o Violão”, de Anna Muylaert; “Invasores”,  de Marcelo Toledo; “Vitrola”, de Charly Braun; e “A Ópera do Cemitério”, de Juliana Rojas), de uma edição especial do programa “Contraplano”, do SescTV, e uma mesa redonda sobre o assunto.

A curadoria do o 8º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo é assinada por João Batista de Andrade, Felipe Macedo, Jurandir Müller e Francisco Cesar Filho. Uma realização da Secretaria de Estado da Cultura e do Memorial da América Latina, o evento é organizado pela Associação do Audiovisual e tem patrocínio da Sabesp – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e correalização do Sesc.

Serviço:
11 a 18 de julho de 2013
8º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo
http://www.festlatinosp.com.br

Entrada franca

Locais

Memorial da América Latina
http://www.memorial.sp.gov.br

Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664 Barra Funda – Oeste (11) 3823-4600

Estação Palmeiras-Barra Funda (Metrô – Linha 3 Vermelha) Estação Palmeiras-Barra Funda (CPTM – Linha 7 Rubi)

VER NO MAPA

CineSesc
http://www.sescsp.org.br/cinesesc

Rua Augusta, 2075 Cerqueira César – Oeste (11) 3087-0500

Estação Consolação (Metrô – Linha 2 Verde)

VER NO MAPA

 
Rua do Anfiteatro, 181 – Colméia favo 4 Cidade Universitária, Butantã – Oeste (11) 3091-3540

VER NO MAPA

 
Largo Senador Raul Cardoso, 207 Vila Mariana – Sul (11) 3512-6111

VER NO MAPA

Cinusp Maria Antônia 

Rua Maria Antonia, 294 Consolação – Centro

VER NO MAPA

Confira a programação completa do Festival.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei