Pesquisar
Pesquisar

A ameaça fascista na Venezuela

João Baptista Pimentel Neto

Tradução:

Atilio Boron*

A escalada de desestabilização que atualmente sofre a Venezuela bolivariana tem um objetivo inegociável: a derrubada do governo de Nicolas Maduro.Protestas-Venezuela-12-febrero-2014-3-580x386

Não há um pingo de interpretação deste escritor nesta declaração. Foi repetidamente expressou não só pelos manifestantes direita nas ruas, mas seus principais dirigentes e instigadores locais: Leopoldo López (ex-prefeito no município de Caracas de Chacao, e chefe do partido Popular Will) e Maria Corina Machado, MP para Junte-se a Assembleia Nacional da Venezuela.

Em mais de uma ocasião, eles referidos lasintenciones prossecução dos seus protestos utilizando uma expressão regular que apela para o Departamento de Estado: eufemístico “mudança de regime”, um simpático e reemplazaa o “golpe” desacreditada. O que se busca é justamente isso: um “golpe” que pôs fim à experiência chavista. A invasão da Líbia e da derrubada e linchamento de Muammar Gaddafi são um exemplo de “mudança de regime”, meio século atrás, que os Estados Unidos estão propondo, sem sucesso semelhante a Cuba. Agora eles estão tentando com todas as forças, na Venezuela.

Esta campanha feroz contra o governo bolivariano-in na verdade, uma ascensão do fascismo de longa data contém raízes internas e externas intimamente ligados e solidariedade em um objetivo comum: acabar com o pesadelo estabelecido pelo Comandante Hugo Chávez desde que ele se tornou presidente 1999.Para os Estados Unidos venezolanaafirmada autodeterminação em mais velhas reservas provadas de petróleo do mundo, a derrota do losavances Alcay de integração e de unidade na América Latina e no Caribe UNASUL, MERCOSUL ampliado, CELAC, Petrocaribe, entre outros- nunca impulsionado como nunca antes líder Porel Bolivariana é intolerável e inaceitável, merecedor de desafios de aula exemplares.

Oposição interna a Chávez significou o fim das regalias e troquei derivado de sua parceria com o governo dos EUA e as empresas americanas no saque e pilhagem das receitas do petróleo, e encontrou os líderes e organizações políticas Quarta República jovens operadores locais e parceiros essenciais.

Tanto Washington e seus peões tinham certeza de que Chávez não iria sobreviver a passagem de seu fundador. Mas com as eleições presidenciais de 14 de abril de 2013 as suas esperanças foram frustradas: Nicolás Maduro Henrique Capriles prevaleceu sobre por um percentual muito pequeno, mas suficiente e indiscutível, de votos.

A resposta desses travestis oligarcas principais figuras da República foi primeiro ignorar o veredicto das urnas e depois desencadear protestos violentos que mataram mais de uma dúzia de jovens Bolivariana, ferindo cerca de uma centena, além da destruição de numerosas edifícios e propriedades públicas. Note-se que hoje, 10 meses depois da eleição presidencial, Washington não reconheceu formalmente a vitória de Nicolas Maduro.

Em vez disso, o improvável Prêmio Nobel da Paz levou horas para reconhecer como o vencedor das eleições presidenciais de 24 de novembro passado, Honduras contaminados para além das palavras e fraudulentas como poucos, o candidato da “embaixada” John O. Hernández.

O imperialismo não é errado para escolher os seus inimigos: Castro, Chávez, agora maduro, Correa, Morales, e ao contrário do que alguns ingenuamente postular, não há direito de ser “oposição leal” a um governo genuinamente de esquerda. Menos ainda que seja um direito manipulados por controle remoto a partir da Casa Branca. Se você se comportar com lealdade é porque esse governo foi colonizada por capital.Pese violência dos militantes da Mesa de Unidade Democrática segurando Capriles candidatura ao governo conseguiram restaurar a ordem nas ruas.

Contribuíram para essa resposta clara e contundente do governo, e também a certeza de que a liderança tinha MUDque as próximas eleições municipais de 08 de dezembro, o direito-caracterizado como um plebiscito lhes permitisse derrotar Chávez então exigir a renúncia imediata de maduros ou, no pior dos casos, convocar uma antecedência referendo revogatório, sem ter que esperar até o meio de 2016, conforme exigido pela Constituição. Mas a brincadeira saiu pela culatra, porque eles foram amplamente derrotado por quase um milhão de votos e nove pontos percentuais de diferença.

Espantado com o resultado inesperado, que primeiro ofereceu a capacidade do governo bolivariano de gerir por dois anos públicosy assuntos gerir a economia sem ter que se envolver em campanhas virulentas e eleitorais que distraem, antichavistas peregrinação a Washington para redefinir sua estratégia em dependendo das necessidades geopolíticas do império e tomar decisões, dinheiro e ajuda de todos os tipos para sostenersu projeto desestabilizador.

Derrotado nas urnas foi a prioridade imediata agora, como Richard Nixon exigiu para o Chile de Salvador Allende, em 1970 “, fazendo ranger economia”. Daí sabotar as campanhas dedesabastecimientos programadas e especulação monetária desenfreada (como recomendado no seu manual de operações da CIA especialista afiadas Eugene) ataques na imprensa, onde as mentiras e mídia terrorismo não conhece fronteiras ou qualquer escrúpulo moral, então as coisas piores, “calor rua” buscando criar uma cidade semelhante deBengasi situação na Líbia, capaz de interromper completamente a economia e provocar uma grave crise de governança tornase inevitável a intervenção de alguns poder amigável, já sabemos quem ele é, que a ajuda acudiese dos venezuelanos para restaurar a ordem quebrada.

Um após o outro essas iniciativas terminou em fracasso, mas suspropósitos não deixar certas sedicioso.Leopoldo López apenas trazer à justiça e espero que isto vai fazer cair, ele e seu ajudante, Maria Corina Machado, o peso total dos ley.Llevan várias mortes nas suas mochilas e o pior que poderia acontecer a Venezuela seria o governo ou a justiça não iria perceber o que está escondido dentro do ovo da serpente.

 

Em situações como essas, e com inimigos como estes, qualquer tentativa de “reconciliação nacional” ou “linha mole” é o caminho certo para a auto-destruição. Os fascistas e do imperialismo só entendem a linguagem da força. Lopez e Machado deve receber punição exemplar, sempre no âmbito da legislação em vigor, e não deve ser descartada manifestações violentas exigindo a sua libertação imediata.

Também não se deve descartar a hipótese de que, em desespero, o direito poderia apelar a qualquer recurso, é aberrante. Mas o julgamento e punição dos instigadores de muito derramamento de sangue não será suficiente para lançar o risco de uma queda brutal do governo bolivariano, a única garantia é ativamente mobilizar e organizar as massas para apoiar Chávez sua “revolução” com seus muitos sucessos e seus erros.

Essa é a única coisa que vai lançar o perigo de um ataque fascista no poder que acabaria com o ato sangrento Bolivariana, desencadeando uma onda reacionária que repercutem em todo o continente. Daí lomque está em jogo neste momento é não só o futuro da Venezuela sinomel do nosso continente.

Fonte Cu.Debate: http://www.cubadebate.cu/especiales/2014/02/19/la-amenaza-fascista-en-venezuela/#.Uwdlh8RDtAB


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
João Baptista Pimentel Neto Jornalista e editor da Diálogos Do Sul.

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei