Pesquisar
Pesquisar

A cúpula de Washington e os outros 3 atos que os EUA cobraram do Peru para reconhecer governo Castillo

A Cúpula da OEA, programada para 2022, será realizada no Peru. Esta será a terceira, a primeira foi sob o governo Fujimori e a segunda, de Alan Garcia
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul Global
Lima

Tradução:

Habitualmente, a Casa Branca tem duas atitudes ante os governos eleitos nos países da América Latina. Quando se trata de “governos amigos”, ou seja, genuflexos ao mandato do Império, lhes estendem a mão, lhes oferece apoio e lhes garante assistência permanente.

Quando surgem, pelo contrário, administrações contestatárias, as rechaça e as desqualifica, como sucede agora mesmo com Cuba, Venezuela, Nicarágua ou Bolívia. No caso peruano ocorreu um fenômeno especial.

Como se recorda, em novembro passado, nas eleições celebradas no país do Norte, o senhor Donald Trump foi vencido por Joe Biden. A partir daí aconteceu uma experiência inédita: o Presidente em funções arguiu fraude e desconheceu o veredito das urnas. 

Ao extremo, nos primeiros dias de janeiro deste ano, organizou um Golpe de Estado tomando por assalto o Capitólio. Seu fracasso, não fez senão confirmar a vitória do atual mandatário. 

Saudade da monarquia? Peruanos se unem ao VOX no anseio de retroceder na história

O senhor Biden ficou então, curado de golpes. Quando no Peru a senhora Fujimori perdeu as eleições para Pedro Castillo, denunciou fraude e impugnou as decisões do ente eleitoral, Washington não se prestou ao jogo. Inclusive instruiu a OEA para que atuasse em consonância com essa vontade, razão pela qual uma “delegação Keikista” foi recebida com uma porta fechada em seu nariz. 

Os Estados Unidos decidiram então “reconhecer” a vitória de Castillo, embolsando a derrota de seus próximos neste lares: mas traçou uma opção não convencional: envolver o regime peruano até dobrá-lo com o peso do Império. E agiu em consonância com tal propósito.

A Cúpula da OEA, programada para 2022, será realizada no Peru. Esta será a terceira, a primeira foi sob o governo Fujimori e a segunda, de Alan Garcia

Criador: Adam Schultz | Crédito: White House
Com Joe Biden, Estados Unidos reconheceram vitória de Pedro Castillo no Peru, mas não deixaram imperialismo de lado

Para avançar nesse terreno, por certo minado, o primeiro que teve que fazer foi desativar a Chancelaria peruana posta em mãos de Héctor Béjar. Deslocá-lo foi sua primeira tarefa, cobrindo seu posto com um “amigo”, o embaixador Maurtua.

Paralelamente, conseguiu avançar em dois propósitos: arrancou do Congresso Peruano – com apenas 6 votos contra – uma Resolução Legislativa autorizando o ingresso de efetivos militares dos Estados Unidos em solo peruano; e levou a cabo Práticas Navais conjuntas em Huacho, com a participação da Marinha de Guerra Norte-americana. 

Como se fosse pouco, arrancou também uma ampliação do “acordo de cooperação” com a agência USAID, vinculada aos serviços secretos dos Estados Unidos. Todo isto com Guido Bellido como Premier.

Depois viria uma segunda etapa, com a presença de Pedro Castillo na OEA. Ali, Almagro “cobrou o favor” ao Presidente peruano: como o tinha “apoiado” para assegurar sua eleição, lhe pediu “ajuda” para enfrentar a carga contra sua gestão que vinha da Bolívia pelo triste desempenho desse organismo diante do Golpe Fascista de novembro de 2020. Isso explica a frase final – “Viva a OEA” – que Castillo pronunciou quase balbuciante. 

O terceiro momento ocorreu com motivo das eleições da Nicarágua. Antes delas, no Conselho Geral da OEA. Almagro obteve uma “condenação” às eleições na Pátria de Sandino – a Bolívia votou contra essa resolução, Argentina e México se abstiveram, mas o Peru supreendentemente votou a favor. 

No dia seguinte das eleições nicaraguenses, Almagro distribuiu uma espécie de “cartilha de instruções” dirigida aos “governos amigos” para pronunciar-se sobre a matéria. Pois bem, essa cartilha foi convertida em “Declaração da Chancelaria Peruana”, quase de forma imediata.

O pior pesadelo da OEA: fim do grupo de Lima e retomada da integração na América Latina

A quem consultou Maurtua para isso? Ninguém sabe. Mas nem a embaixada peruana em Manágua, nem os peruanos que vimos diretamente essas eleições, poderíamos haver aportado nenhum elemento sério na matéria. As eleições na Nicarágua foram, efetivamente, meridianamente claras, transparentes, democráticas e participativas. Um exemplo na América Latina

E agora aparece um quarto momento: A Casa Branca programou uma “Cúpula Democrática” que terá lugar em Washington nos dias 9 e 10 de dezembro. O encontro contará com convidados selecionados. Não foi considerado López Obrador, do México; nem Fernández, da Argentina; nem Arce, da Bolívia. Mas sim Piñera, Duque, La Calle, Lasso… e  Castillo.  O Professor peruano irá ao encontro? Que fará no meio dessa matilha?

Como a política norte-americana não dá ponto sem nó, o Conselho Geral da OEA aceitou unanimemente a proposta do embaixador do nosso país — Harold Forshait— para que a Cúpula da OEA programada para 2022, seja realizada no Peru. 

Peru Livre: Defendemos nova Constituição para acabar com privatizações da era Fujimori

Sucedeu isso antes? Sim, claro, em duas ocasiões. Em 1997, no esplendor do Fujimorato, e pela primeira vez, a Assembleia Geral da OEA teve como cenário esta “capital dos vice-reis”, como também é conhecida. E em 2010, sob a administração de Alan Garcia, voltou a ocorrer. 

Nesta ocasião — seria a terceira — Pedro Castillo poderia unir seu nome ao de tão ilustres predecessores como anfitrião dos 34 Chefes de Estado e de governo da América, encabeçados por Joe Biden. Que honra!

De imediato, a Cúpula de Washington assoma como o principal perigo para o Presidente Castillo.

Ainda se recorda que assumiu o compromisso de liderar uma Política Exterior Independente, Autônoma, Soberana e Solidária Como fará, então? Pago para ver! dizem por aí…

*Colaborador de Diálogos do Sul, de Lima, Peru. 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul


   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado
ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
Pierre-Yevenel-Stephan
Pierre Stephan: conheça o primeiro ginasta do Haiti a disputar as Olimpíadas em 124 anos