Pesquisar
Pesquisar

“A fome é política”: Uruguaios fazem greve geral para denunciar precarização do trabalho

Marcelo Abdala, secretário-geral do PIT-CNT, afirmou que a "ação do movimento operário e popular é a melhor política"
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

O objetivo da jornada de luta desta quarta-feira, em que se incluíam a greve geral e a manifestação convocadas pela central sindical Plenário Intersindical dos Trabalhadores – Convenção Nacional dos Trabalhadores (PIT-CNT), era realizar uma “jornada histórica” contra a política neoliberal do governo de Lacalle Pou.

Em causa estão, como anunciou a central sindical, a defesa do trabalho e dos salários, dos direitos à habitação, à saúde e à educação pública, a denúncia da fome e da precarização do trabalho, a defesa das empresas públicas, contra o seu desmantelamento e a alienação do património do Estado.

A Avenida Libertador, em Montevidéu, “foi pequena”, disse Marcelo Abdala, ao destacar a enorme adesão à mobilização, que uniu o movimento sindical e um amplo tecido social “que não se resignam a ver como uns quantos enriquecem, aumentam o seu patrimônio de forma obscena”.

“Haverá um antes e um depois da mobilização”, frisou o secretário-geral do PIT-CNT no final.

O portal da central sindical destaca que a jornada de luta fica marcada pela “enorme participação” e mostrou a “certeza de que é possível” construir a defesa dos “interesses das grandes maiorias, da classe trabalhadora, dos assalariados rurais, dos pequenos e médios produtores agrícolas”, entre outros.

Marcelo Abdala, secretário-geral do PIT-CNT, afirmou que a "ação do movimento operário e popular é a melhor política"

PIT-CNT
A Avenida Libertador, em Montevidéu, "foi pequena", disse Marcelo Abdala, ao destacar a enorme adesão à mobilização

“A fome é política, a habitação também o é”

Em relação às críticas que o governo dirigiu à greve e à manifestação, afirmando que era “política”, Abdala disse que sim, “a fome é política, a habitação também o é, como a educação, o trabalho e o salário, porque são necessárias políticas públicas para dar respostas à população”.

Ao falar, na sua intervenção, das exigências do povo e dos trabalhadores uruguaios, o secretário-geral do PIT-CNT criticou o “fechamento” do governo e instou o presidente Lacalle Pou a ouvir “os de baixo, o seu povo”.

Uruguai: Contra “ideologia de gênero” e diversidade sexual, a extrema-direita entra no Partido Nacional, de Lacalle Pou

No que respeita ao futuro imediato, Abdala enfatizou a “perspectiva de ação, de luta”, de “unidade sem exclusões, de construção da grande maioria que não apenas há de revogar os 135 artigos da LUC [Lei de Urgente Consideração, promovida pelo governo e considerada pelos trabalhadores como uma programa de restauração conservadora, neoliberal e anti-popular], como abrirá na sua ação a torrente do desenvolvimento nacional para a grande maioria do nosso povo e não só para um grupo de grandes proprietários donos do país”.

No ato, foi denunciada ainda a especulação financeira, a entrega dos recursos naturais do país ao capital estrangeiro, bem como o desmantelamento do sector público e o ataque à proteção do Estado.

Redação Abril Abril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei