Pesquisar
Pesquisar

A jovem portadora de poliomielite que imigrou para os EUA para fugir dos abusos na família

Simona denunciou à sua mãe, mas seu tio, lhe disse ela, tinha permissão de seu pai para abusar dela e não podiam fazer nada
Ilka Oliva Corado
Diálogos do Sul Global
Território Estadunidense

Tradução:

Ao meio dia soa o alarme, é hora do almoço, os trabalhadores têm meia hora para comer e regressar aos seus labores. Há 20 anos, Simone trabalha nesse lugar, entrou para a manutenção e depois de quatro anos ascendeu a ajudante de cozinha, desde cortar sacos de cebolas no princípio até ultimamente preparar comida gourmet que repartem em supermercados de zonas exclusivas.

Originária do cantão Los Apantes – Juayúa, Sonsonate, El Salvador – Simona emigrou para os Estados Unidos para escapar do estigma, só queria viver em um lugar em que não fosse insultada por sua condição física. A poliomielite na perna direita a faz caminhar mancando. Não recorda um só dia sem que as crianças da escola e do cantão zombassem dela. No quarto ano do primário, decidiu parar de estudar e deixou o ano no meio. Não suportou mais os assédios, o silêncio dos docentes e até as risadas de alguns ao escutar os apelidos dos quais as crianças a chamavam. Seus pais aceitaram satisfeitos sua decisão, nenhum dos dois queria pô-la na escola precisamente para evitar a vergonha de que mais gente ficasse sabendo da condição física de sua filha.

Um único afeto Simona resgatou da escola e o abraçou com todas as suas forças: um livro. Cada vez que se sentia encurralada, aborrecida e triste, ela lia. Lia cada vez que queria escapar de sua realidade, desse lugar. Um livro que teve que resgatar do lixo várias vezes, quando sua mãe o jogava fora. Um livro que leu escondida de seu pai, que via isso como enorme perda de tempo. Assim lhe veio a primeira menstruação e começaram a marcar os seios, entre gozações de pessoas próximas e estranhos.

Quando seu tio começou a abusar sexualmente dela, tinha nove anos recém completados, ameaçada de que se denunciasse, ele negaria tudo e diria que ela o provocou. Simona denunciou à sua mãe, mas seu tio, lhe disse ela, tinha permissão de seu pai para abusar dela e não podiam fazer nada.

Trabalho exaustivo, frio e fome: as dores de ser idoso e imigrante indocumentado nos EUA

Lhe disse que assim era a vida das mulheres e que tinha que se acostumar, que ela foi abusada pelo avô desde criança até o dia em que se casou. Que assim são homens, como animais que não podem se conter e é melhor deixar. Simona então decidiu nunca mais mencioná-lo a ninguém.

Simona denunciou à sua mãe, mas seu tio, lhe disse ela, tinha permissão de seu pai para abusar dela e não podiam fazer nada

Ninocare – Flickr
Com um livro em mãos, Simona começa sua viagem, como viajava quando era criança e queria escapar de Los Apantes.

Para ajudar na economia de sua casa – porque não havia um dia em que sua família não a fizesse sentir que estorvava – Simona comprou uma galinha. Em pouco tempo já havia aquecido o ninho e 21 dias depois tinha pintinhos para criar. No dia em que ia à feira para vendê-los e os levava em uma cesta sobre o carrinho que puxava, uns bandidos os roubaram. Em sua casa não acreditaram nela, lhe disseram que seguramente os tinha vendido no caminho e que agarrou o dinheiro para não colaborar em casa.

Na feira, Simona conheceu um ajudante de padeiro que nesses dias ia armar e desarmar a galera para a barra que punham. Não pensou duas vezes e foi viver com ele, alugavam um quarto nas proximidades do mercado, mas pouco tempo depois ele começou a agredi-la fisicamente e a insultá-la pela poliomielite. Uma vizinha foi tirá-la do quarto. Foi a última vez que ele lhe bateu. Aproveitou que foi trabalhar e levou-a à casa de outra amiga que era amante de um condutor de trailer, que ao ficar sabendo da situação aceitou ajudá-la. Por sua recomendação, foi de trailer em trailer até chegar a San Diego, Califórnia, com 22 anos.

Soa o alarme e Simona, com o cansaço acumulado durante anos nos tornozelos e embaixo das costas, tira o avental, o gorro e as luvas. Começa a caminhar para a biblioteca pública que fica na quadra seguinte cruzando a rua, entra, pede um livro e se deita na grama sob a sombra de uma tábua. Tira um recipiente com seu almoço e começa sua viagem, como viajava quando era criança e queria escapar de Los Apantes.

Ilka Oliva-Corado | Colaboradora da Diálogos do Sul em território estadunidense.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ilka Oliva Corado Nasceu em Comapa, Jutiapa, Guatemala. É imigrante indocumentada em Chicago com mestrado em discriminação e racismo, é escritora e poetisa

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda