Pesquisar
Pesquisar

"A nova nação que está nascendo terá que enfrentar quatro séculos de desigualdades"

A onda sem precedentes de protestos por justiça racial está levando a opinião pública a debater sobre o racismo estrutural, sistêmico e até institucional nos EUA
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

O sismo social que continua sacudindo os Estados Unidos com centenas de milhares de manifestantes em mais de 2 mil cidades com o grito de “não posso respirar” ao longo das últimas três semanas tem transformado o debate nacional, provocado reformas iniciais e está por inventar seu futuro – e talvez o deste país. 

A cúpula política e seus intelectuais apostam que esses protestos também passarão e oferecem o convite aos manifestantes para que se portem bem e regressem a participar pelos canais institucionais, sobretudo neste ano eleitoral.

APOIE A DIÁLOGOS

Porém, todos estão assombrados pelas dimensões desse levantamento cívico, que está abordando não apenas a violência do aparato de “segurança pública”, mas também seus vínculos com a violência da injustiça econômica e política neste país. 

A onda sem precedentes de protestos por justiça racial está levando a opinião pública a debater sobre o racismo estrutural, sistêmico e até institucional nos EUA

Twitter / Reprodução
Se constroem ou se reconstroem laços entre os afro-estadunidenses e latinos, e outras minorias por todo o país

Momento único

Isso é perigoso para os administradores e donos deste sistema. É justamente o que levou Martin Luther King, as Panteras Negras, Malcolm X (como seus antecessores ao longo da história estadunidense) serem perseguidos e castigados como “ameaças” à segurança nacional do país. 

RECEBA NOSSO BOLETIM

Uma dessas lideranças perseguidas e encarceradas há quase meio século foi Angela Davis. Em uma entrevista recente para Democracy Now a veterana de lutas pelos direitos humanos comentou que este é “um momento extraordinário, nunca experimentei algo com as condições que estamos vendo, a conjuntura com a pandemia da Covid-19 e o reconhecimento do racismo sistêmico… Tenho dito frequentemente que nós nunca sabemos quando as condições podem dar lugar a uma conjuntura como a atual que rapidamente muda a consciência popular e de repente nos permite proceder na direção da mudança radical”.

“A onda sem precedentes de protestos pela justiça racial… está levando de maneira radical a opinião pública a falar sobre a necessidade de abordar a racismo sistêmico… Mas a nova nação que está nascendo em nossas ruas têm que enfrentar quatro séculos de desigualdade sistêmica”, advertem os líderes da Campanha dos Povos Pobres, o reverendo William Barber e a reverenda Liz Theoharis.

Unidade inédita

Muitos veteranos de lutas sociais e os que os estudam assinalam que uma razão pela qual este movimento é diferente de outros é o caráter multirracial, multi-geracional e de diversidade de setores sociais – o que é visível todos os dias nas ruas. 

Por exemplo, na próxima semana o lendário sindicato progressista de estivadores da costa oeste, o ILWU, fechará 29 portos da costa oeste em solidariedade com os manifestantes pela justiça racial. O dirigente do sindicato nacional siderúrgico, os Steelworkers, Tom Conway declarou que a “brutalidade policial e as disparidades econômicas são só dois dos sintomas do racismo sistêmico que se vertem sobre todas as áreas da vida – e é essa opressão que os manifestantes desejam derrocar”.

Enfermeiras e outros trabalhadores da saúde, estudantes e religiosos, jovens e veteranos de lutas se encontram nas ruas. Canções do grande movimento de direitos civis dos anos sessenta são entoadas com novos ritmos, e se misturam com o rock furioso dos noventa e com o hip hop de agora. 

Ao mesmo tempo, se constroem ou se reconstroem laços entre os afro-estadunidenses e latinos, e outras minorias por todo o país. O deputado federal Jesus Chuy Garcia, de Chicago, afirmou que a pandemia e os protestos “tornaram mais evidente que nossas comunidades devem estar unidas para lutar contra a injustiça social, econômica e racial”.  

Assombra e assusta as cúpulas que dois terços (67%) dos estadunidenses expressam apoio para o movimento e ao seu slogan “as vidas negras valem” (pesquisa de Pew Research Center), e que nesse momento é uma expressão horizontal e descentralizada (ou seja, não há forma de tentar submeter sua liderança, porque ela não existe). Por eles respira a esperança neste país.

David Brooks, Correspondente de La Jornada em Nova York

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação