Pesquisar
Pesquisar

"A vitória sobre a pandemia é agora a condição de nossa vitória em sentido integral": veja posição da Casa das Américas

Não só Cuba, mas várias nações irmãs, como Bolívia, Nicarágua e em particular a Venezuela têm sofrido os embates da ação combinada de caluniosas campanhas de descrédito por parte dos Estados Unidos
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul Global
Havana

Tradução:

“A vitória sobre a pandemia é agora a condição de nossa vitória em sentido integral”, diz o comunicado da icônica Casa das Américas, publicado após os protestos realizados no país no último domingo (11).

De acordo com a imprensa internacional, os manifestantes protestavam contra o agravamento da pandemia, o aumento no número de mortos — mesmo Cuba sendo um dos países com a melhor gestão da pandemia — e pediam “liberdade” e a solução de problemas como o racionamento de energia. 

O texto diz que “as penúrias dos cubanos são sobretudo o resultado da acumulação perversa de arbitrariedades geradas pela filosofia da asfixia do país débil, não por defeitos do sistema cubano, que conhecemos melhor que ninguém, e trabalhamos para superar”.

Leia a íntegra do comunicado:

A chamada guerra “não convencional” tem sido empregada em numerosas ocasiões pelos Estados Unidos e seus aliados para derrubar governos incômodos.

Na Nossa América, várias nações irmãs, como Bolívia, Nicarágua e em particular a Venezuela têm sofrido os embates da ação combinada de caluniosas campanhas de descrédito, por meio das redes sociais e meios de mídia tradicionais, sanções econômicas, recrutamento de mercenários, patrocínio de grupos violentos e outras ações desestabilizadoras.

Leia também

Dedicação “histérica” de Washington de esmagar Cuba é extraordinária, diz Chomsky ao analisar política externa dos EUA

Cuba, prejudicada gravemente pelos efeitos do Bloqueio estadunidense, da pandemia e suas sequelas na economia, é alvo também agora de uma ofensiva “não convencional”. 

Após os distúrbios do passado 11 de julho, o presidente Joseph Biden pediu às autoridades cubanas que melhorassem as condições de vida de seu povo.

Ainda está fresca a lembrança dos 184 votos condenatórios há menos de um mês, na Assembleia Geral das Nações Unidas, do embargo — bloqueio, verdadeiro estado de sítio — imposto a Cuba.

Saiba+

Mais uma vez EUA se isolam do mundo ao defenderem o bloqueio ilegal contra Cuba na ONU

Washington perdeu a oportunidade de honrar ali com sua abstenção o digno exemplo que lhe deixou a última administração democrata. Biden quis selar, ao tornar a votar como Trump, a falácia do anúncio de que regressaria ao ponto em que Barack Obama deixou a relação com Cuba?

Não só Cuba, mas várias nações irmãs, como Bolívia, Nicarágua e em particular a Venezuela têm sofrido os embates da ação combinada de caluniosas campanhas de descrédito por parte dos Estados Unidos

DhNet.org
A vitória sobre a pandemia é agora a condição de nossa vitória em sentido integral.

Seis décadas de um “embargo” criminoso

A legislação que nos impôs o cerco em termos de “embargo” há seis décadas foi endurecida ano após ano, em uma macabra engenharia de sanções cuja única razão é obstruir cada passo que dá a economia da Ilha para lograr sua reprodução.

Em detrimento, em primeiro lugar, de seu povo. Cuba acumula cicatrizes de governos democratas e republicanos que se assanharam com o propósito de torná-la sujeitá-la ao mandato imperial, sem reparar que o prejuízo de suas ações recai na população por cujo bem-estar dizem interceder. 

O bloqueio não é um fato estático, e o demonstrou a administração Trump que, entre 2016 e 2020, esmerou-se em somar-lhe 243 medidas diabólicas, em meio de um frenesi de sabor hitleriano. Um recorde indiscutível.

Sobre o tema

Protestos em Cuba: alvo de descontentamento, economia padece por bloqueio dos EUA e lentidão na implantação de reformas

Não menos escandaloso é que, durante seus primeiros seis meses na Casa Branca, Biden nada tenha feito para reverter esse sinistro legado. Custa aceitar que se deva a turva preocupação pelo peso da máfia anti cubana no voto da Flórida. Será isso no fundo?

Tensões 

É certo que nosso país vive uma conjuntura de tensões, porque a pandemia da Covid-19 tem se agravado com os impactos acentuados do bloqueio em um pico de gravidade.

As penúrias dos cubanos são sobretudo o resultado da acumulação perversa de arbitrariedades geradas pela filosofia da asfixia do país débil, não por defeitos do sistema cubano, que conhecemos melhor que ninguém, e trabalhamos para superar.

Como Fidel em circunstâncias similares, há mais de um quarto de século, Díaz-Canel se fez presente nas ruas durante os distúrbios, dialogou francamente com a população e chamou-a para enfrentar os problemas com a premissa de que a Revolução não é negociável. 

Sobre o tema

Parte dos manifestantes contra o governo é financiada pelos EUA, denuncia Díaz-Canel, presidente de Cuba

A vitória sobre a pandemia é agora a condição de nossa vitória em sentido integral. O inimigo não o ignora. Poderá aceitar que o efeito das vacinas cubanas, engenhadas, produzidas e aplicadas apesar de todos os contratempos impostos pelo bloqueio, se converta para Cuba em uma conquista tão sonhada como o apoio que anualmente lhe outorga o mundo nas Nações Unidas?

Chegará esta administração estadunidense a perceber que sua melhor saída com Cuba parte de buscar o entendimento e não de perpetrar a subversão?

Qualquer que seja o caminho escolhido pelo imperador de turno, a Casa de las Américas como sempre, como desde sua fundação por Haydée, por Fidel, em abril de 1959, continuará defendendo os ideais de emancipação e justiça social para Cuba e para toda a nossa América. 

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito
Embajada_de_México_en_Ecuador
México pede medidas cautelares devido à invasão da embaixada em Quito e CIJ rejeita
Luis-Abinader
Haiti gravita sobre o novo mandato dominicano de Luis Abinader
Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina