Pesquisar
Pesquisar

Abreu e Lima foi sabotada por EUA e Lava Jato, lembra Lula; refinaria vai gerar 30 mil empregos

Unidade será a maior e mais moderna do setor em todo o continente americano e até 2028 passará a processar 260 mil barris de petróleo por dia
Murilo da Silva
Portal Vermelho
Brasília (DF)

Tradução:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu a largada para a ampliação da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), na cidade de Ipojuca, em Pernambuco, nesta quinta-feira (18). O projeto irá empregar 30 mil pessoas de forma direta e indireta durante as obras e, quando finalizado, a refinaria será capaz de produzir 13 milhões de litros de Diesel S10 (de baixo teor de enxofre) por dia.

A cerimônia contou com a presença do presidente Lula, do presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, da ministra da Ciência, Tecnologia e Inovações, Luciana Santos (PCdoB) que é ex-vice-governadora de Pernambuco, e diversas lideranças regionais.

Governadora de Pernambuco Raquel Lyra com Lula e Prates. Foto. Ricardo Stuckert.

Na ocasião, Lula disse: “este é um dia importante para o Brasil, para a Petrobras, para Pernambuco, para o povo trabalhador brasileiro e, pessoalmente, para mim. Essa refinaria, quando estiver funcionando totalmente, vai faturar US$ 100 bilhões por ano”, destacou o presidente, apontando que o investimento trará grandes retornos para o povo.

Assista na TV Diálogos do Sul


Mas além do momento festivo, ele lembrou que a Lava Jato, sob o pretexto de investigar corrupção na Petrobras, paralisou e atrasou as obras na refinaria, porque, segundo Lula, “juízes e procuradores do país subordinados ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos, não queriam e nunca aceitaram que o Brasil tivesse uma empresa como a Petrobras”, criticou.

Refinaria Abreu e Lima (Rnest). Foto: Agência Petrobras

Já o presidente da estatal disse que a ampliação do projeto tornará Abreu e Lima a “segunda maior refinaria brasileira, e a refinaria mais moderna de todo o continente americano, inclusive Estados Unidos e Canadá”, exaltou Prates.

Refino

Segundo a Petrobras, a construção do Trem 2 da refinaria tem previsão para ser concluída em 2028, quando passará a processar 260 mil barris de petróleo por dia. Fora isso, a ampliação da RNEST já tem obras em andamento para “construção da primeira unidade SNOX do refino brasileiro, que será responsável por transformar óxido de enxofre (SOx) e óxido de nitrogênio (NOx) em um novo produto para comercialização”.

Segundo a petroleira, com o Trem 2, alvo das obras de expansão, a Petrobras “contribuirá para expandir a capacidade de refino nacional, viabilizando o aumento da produção de derivados como gasolina, GLP, nafta, mas principalmente diesel de baixo teor de enxofre (diesel S10)”.

Continua após a imagem

Unidade será a maior e mais moderna do setor em todo o continente americano e até 2028 passará a processar 260 mil barris de petróleo por dia

Foto: Foto: Ricardo Stuckert / PR
Conforme informa a estatal, o investimento total em projetos de refino nos próximos cinco anos será de US$ 17 bilhões




Investimentos

De acordo com Jean Paul Prates, o investimento para a conclusão da refinaria, paralisada pela Lava Jato, ficará entre R$ 6 bilhões e R$ 8 bilhões.

Conforme informa a estatal, o investimento total em projetos de refino nos próximos cinco anos será de US$ 17 bilhões.

Assista como foi o lançamento da retomada de obras:

Murilo da Silva | Portal Vermelho


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Murilo da Silva

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos