Pesquisar
Pesquisar

Abya Yala!: “Igrejas e Estado devem reparação histórica aos povos indígenas”, diz escritora

Defensora da causa indígena, Moema Viezzer falou, em entrevista, sobre o desprezo europeu acerca da cultura indígena “em nome de Deus e do Papa” que resultou no genocídio ameríndio
Mariane Barbosa
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Em entrevista para a TV Diálogos do Sul, a escritora, socióloga e militante feminista brasileira,  aborda como o genocídio indígena realizado nas Américas por Espanha e Portugal se fazia em nome de Deus e do Papa justificado pela cristandade.

No bate-papo em que reforça que “o genocídio indígena nas Américas ultrapassou 90 milhões de mortes”, Moema esclarece como o extermínio cultural também foi uma das várias formas dos europeus matarem os povos originários para obterem ainda mais terras. 

Assista na Tv Diálogos do Sul

Durante a conversa com o jornalista e diretor da revista Diálogos do Sul, a escritora também conta um pouco de sua história ao lado do companheiro Marcelo Grondin, com quem luta contra o desprezo à vida e cultura dos povos originários.

“A gente fala muito de como é importante uma reparação histórica por parte das igrejas, por parte do Estado. A questão do genocídio cultural foi uma coisa generalizada, no caso do Brasil, sumiram com o que puderam e nem se ouvia falar de arte ou idiomas indígenas, isso é bem recente”, diz, destacando que esse patrimônio precisa ser preservado. 

Defensora da causa indígena, Moema Viezzer falou, em entrevista, sobre o desprezo europeu acerca da cultura indígena “em nome de Deus e do Papa” que resultou no genocídio ameríndio

ricardo stuckert
"No Brasil, sumiram com o que puderam e nem se ouvia falar de arte ou idiomas indígenas."

A autora de “Abya Yala! Genocídio, Resistência, Sobrevivência dos Povos Originários do atual continente americano”, ainda recorda que a “questão religiosa” foi mais forte ao norte do continente, no Canadá e nos Estados Unidos, onde haviam pensionatos para crianças que usavam os slogans como “mate o índio para não matar o homem”:

“Tiravam da criança tudo o que era indígena. Cortavam os cabelos, trocavam de nomes e mudavam suas roupas e idiomas para se encaixar. Algumas morriam de saudades, outras ficavam enfermas”, relata ao relembrar do escândalo no Canadá em que foram encontrados 750 corpos de crianças indígenas em um internato.

“Como é que você vai conseguir resgatar isso e de alguma forma ter uma reparação histórica? Os que se foram não voltam mais, é muito triste”, pontua.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Mariane Barbosa

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel