Pesquisar
Pesquisar

Abya Yala: Livro conta história e resistência dos povos originários da América Latina

Livro é imprescindível para conhecer a história não contada dos povos deste continente: a de 90% de indígenas cruelmente mortos pelos conquistadores europeus
Alicia Blanco
Pressenza
Mar del Plata

Tradução:

“Que este grandioso livro, reunindo as narrativas das guerras de destruição do mundo ameríndio, possa despertar em todos nós a coragem necessária para gritar: BASTA!”

Ailton Krenak, indígena, ambientalista, professor e escritor

“Abya Yala, genocídio, resistência e sobrevivência dos povos originários das Américas”¹ é um livro imprescindível para conhecer a história não contada dos povos deste continente: a de 90% de indígenas cruelmente mortos pelos conquistadores europeus; a da resistência e sobrevivência exemplar desses mesmos povos até hoje.

Seus autores são Marcelo Grondin (95) e Moema Viezzer (82), lutadores incansáveis e companheiros de vida. Moema é educadora popular, feminista e autora de “Se me permitem falar”, o livro mais vendido na Bolívia, atrás apenas de alguns textos religiosos. Marcelo é sociólogo, economista, historiador e autor de vários livros entre os quais figuram uma gramática quíchua e uma aimará.

Maior genocídio da Humanidade foi feito por europeus nas Américas: 70 milhões morreram

Na entrevista que compartilhamos hoje, ambos continuam se emocionando ao recordar as descobertas que foram fazendo em sua pesquisa, os desencantos que sofreram e o entusiasmo que os anima perante o fortalecimento da presença indígena em todo o continente e o processo de descolonização que está em formação.

Depois de analisar os números de vítimas nas cinco regiões estudadas (Caribe, os Andes, México, Brasil e EUA), Marcelo afirma que “o genocídio continua”, estimulado pela permanente apropriação de terras em todos os países.

“Vivemos em um território roubado”, manifesta. E acrescenta: “Não podemos fechar os olhos. Temos responsabilidade neste genocídio”.

Depois, seguindo o conteúdo do livro, falarão da terra, da língua, da diversidade, do exemplo da Bolívia, da contribuição indígena necessária ao processo mundial.

Eles proporão “mudar a geografia mental” e manifestarão seu desejo de que a resistência que cresce em todo o continente o transforme o quanto antes em Abya Yala, terra que floresce, terra madura.

Livro é imprescindível para conhecer a história não contada dos povos deste continente: a de 90% de indígenas cruelmente mortos pelos conquistadores europeus

abracocultural.org
“Não podemos fechar os olhos. Temos responsabilidade neste genocídio”

Convidamos vocês a desfrutar deste caloroso encontro em que seus protagonistas nos contam o que sabem, confiam-nos o que sentem, recitam-nos um poema em quíchua, leem-nos um pedido em guarani e, definitivamente, oferecem-nos generosamente um valioso trabalho. “É a primeira vez que falo assim”, comenta Marcelo sobre o final da entrevista e Moema confirma, feliz.

O que é o Marco Temporal contra o qual milhares de indígenas lutam em Brasília?

Nós agradecemos a ambos a confiança e, acima de tudo, o que fizeram até aqui e o que continuam fazendo.

Alicia Blanco para o Pressenza


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Alicia Blanco

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)