Pesquisar
Pesquisar

Acabar com a pobreza: apelo do Papa

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

O Papa Francisco I
O Papa Francisco I

O Papa Francisco voltou a se referir à Jornada Mundial dos Pobres e a suas múltiplas iniciativas em Roma e nas dioceses de todo o mundo. “Que os pobres estejam no centro de nossas comunidades não só em momentos como este, mas sempre; porque eles estão no coração do Evangelho, neles encontramos a Jesus que nos fala e nos interpela através de seus sofrimentos e suas necessidades”, augurou, recordando especialmente as populações que vivem uma dolorosa pobreza por causa da guerra e dos conflitos.
Por este motivo o Papa renovou à comunidade internacional um imperioso apelo “a comprometer todo esforço possível” para favorecer a paz, particularmente no Oriente Médio. Francisco dirigiu um pensamento especial ao “querido povo libanês” e suas orações pela estabilidade neste país, “para que –assegurou- possa continuar sendo uma mensagem de respeito e convivência para toda a Região e para o mundo todo”.
O Papa recordou também a recente beatificação, em Detroit, do capuchinho Francisco Solano, à tripulação do submarino militar argentino, pelo qual elevou suas orações, e a Jornada em memória das vítimas por acidentes de tráfico. O bispo de Roma incitou “à prudência e o respeito às regras”.
Finalmente Francisco fez uma saudação aos numerosos fiéis  peregrinos da Itália e de todo o mundo, especialmente os da República Dominicana e a comunidade equatoriana residente em Roma, que está festejando à Virgem de El Quinche.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação