Pesquisar
Pesquisar

Acesso à informação confiável na pandemia é um direito que deve ser respeitado

O acesso à informação confiável sobre medidas sanitárias, é um direito, assim como o direito a saúde e a vacinação universal e gratuita
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

A partir dos centros de poder político, econômico e midiático nos tentam convencer que as medidas de contenção para frear a pandemia são as adequadas.

Não dão razões, mas a cidadania observa com justificada confiança como estas estratégias são aplicadas de maneira aleatória e muitas vezes em contradição com o mais elementar senso comum.

Algo parecido sucede com a efetividade das vacinas, as quais, em processo de pesquisa, já são distribuídas massivamente. 

Quando alguém expressa dúvidas a partir de informação divulgada por meios de comunicação e redes sociais – algumas vezes de fontes não confiáveis, mas também de opinião qualificada de cientistas reconhecidos por sua trajetória – de imediato surge a reação adversa para qualificar essas reflexões como “teorias conspiratórias” daqueles que não aceitam como válidas as explicações sobre a segurança destes recursos de imunitários.

Ao longo da história tem sido inegável a efetividade e contribuição das vacinas que passaram por processos de pesquisa profundos e de longa data, cujos resultados têm constituído um aporte essencial à saúde pública desde que foram descobertas.

Mas durante esta pandemia, também é uma realidade que o processo de elaboração tem sido demasiado breve e ainda sujeito a ensaios. Por isso a resistência do pessoal sanitário, sobretudo em países do primeiro mundo, presumivelmente bem-informados e com experiência em seu campo, a aceitar as novas vacinas e sua inoculação em massa. 

O acesso à informação confiável sobre medidas sanitárias, é um direito, assim como o direito a saúde e a vacinação universal e gratuita

Agência Brasil
Ao longo da história tem sido inegável a efetividade e contribuição das vacinas

A vida e a saúde da população mundial estão em jogo e a partir de seu escasso conhecimento sobre o tema de saúde, ela observa como apesar das medidas de confinamento que vão e vêm sem razões explícitas, os casos aumentam e também as mortes.

Os governos, especialmente de nossos países terceiro-mundistas, converteram o tema das vacinas em um ferramenta de negociação política e privilégios, deixando de lado sua enorme responsabilidade para com a população à qual estão obrigados a servir para responder.

A isso se soma a falta de campanhas de informação para explicar de maneira simples quais são as características, riscos e condições das vacinas, com o objetivo de facilitar uma tomada de decisão consciente por parte da cidadania. 

Neste sentido, as grandes multinacionais farmacêuticas têm a obrigação de partilhar informação confiável – apesar de sua duvidosa reputação como gigantes industriais de ética flexível – e abster-se de participar em atos de corrupção com alguns governos cujas claras intenções são de converter as vacinas em um negócio próspero e privado, condenando os mais pobres a um destino incerto.

Se a vacinação é a resposta mais razoável para consolidar a imunidade de rebanho e deter essa emergência sanitária que já dura mais de um ano, então deve ser executada sob a consigna do direito à saúde, subscrito em todos os textos constitucionais, assim como a informação responsável sobre riscos e benefícios. 

Para impor este direito sem exceções, será necessária a participação ativa das organizações cidadãs e do âmbito da saúde, com o propósito de evitar o que já se está perpetrando, que é uma grotesca manipulação na informação, distribuição e aplicação das vacinas, transformadas em instrumentos de proselitismo e discriminação.

Opor-se a isso não é conspiração, mas sim um elementar exercício cidadão. 

O acesso à informação confiável sobre medidas sanitárias, é um direito.

Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei