Pesquisar
Pesquisar

Ações do Governo da Catalunha para enfrentar seca histórica atingem 6 milhões de pessoas

Uma das raízes da situação é a falta de chuvas ou chuvas insuficientes ao longo dos últimos três anos
Jorge Enrique Botero

Tradução:

Em plena época de chuvas, quando, em teoria, reservatórios, represas e reservas de água deveriam estar enchendo para o resto do ano, a seca na Catalunha é gravíssima. Tanto que o governo autônomo, presidido pelo independentista Pere Aragonés, declarou emergência climática e ordenou uma série de restrições que afetam a 80% da população, mais de seis milhões de pessoas em 620 municípios, incluindo as principais zonas urbanas, Barcelona e Girona.

O problema da seca, um fenômeno associado aos efeitos da mudança climática, está presente em algumas zonas da Espanha, sobretudo em Andaluzia e Catalunha. Uma das raízes desta situação é a falta de chuvas ou, pelo menos, as chuvas insuficientes dos últimos três anos.

A Catalunha, além disso, é uma das zonas do país com maior produção industrial, agrícola e de gado, e nos últimos 15 anos não foram realizadas grandes obras de infraestrutura para modernizar o sistema hídrico. A última obra dessas características foi realizada em 2008, quando o presidente autônomo era o socialista José Montilla. Desde então, se sucederam governos de partidos nacionalistas: Artur Mas, Carles Puigdemont, Quim Torra e, agora, Aragonés. 

Continua após a imagem

Uma das raízes da situação é a falta de chuvas ou chuvas insuficientes ao longo dos últimos três anos

Foto: ASAC Agrupació de Serveis d’Aigua de Catalunya
Reservas hídricas do sistema catalão de água estão em 15,8% de sua capacidade devido sobretudo às chuvas insuficientes nos últimos três anos

Em uma ordem do governo catalão, foram fixadas as restrições para 80% da população, incluindo limitação do uso de água para ducha nas moradias particulares, proibição ao uso de banheiros públicos em ginásios ou centros esportivos, veto à utilização de água para encher piscinas particulares ou públicas, proibição à lavagem de veículos e uso de água potável para a limpeza de espaços públicos. 

As reservas hídricas do sistema catalão de água estão em 15,8% de sua capacidade, devido sobretudo às chuvas insuficientes nos últimos três anos e fenômenos meteorológicos causados pela mudança climática, com altas temperaturas em pleno inverno. Atualmente, ocorrem máximas de mais de 20°C.

Jorge Enrique Botero | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

Lin Jian - China
China expõe contradições da UE sobre Direitos Humanos e critica interferências
sudao-refugiados
Fugir da guerra para passar fome nos países vizinhos: o martírio dos refugiados do Sudão
ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
berlim-afd-alemanha
Leste da Alemanha votou na ultradireita por revolta contra desigualdade, afirma especialista